quarta-feira, 17 de abril de 2019

Depoimento de mãe holandesa: o amor faz diferença numa pequena escola do Acre

POR KARIJIN BOUTER-KOOPSTRA



A escola pública municipal Mestre Irineu Serra está localizada no bairro Irineu Serra, a 10 quilômetros do centro de Rio Branco. Não são muitos os alunos do próprio bairro que frequentam a escola. A maioria é oriunda de dois bairros próximos, o Tancredo Neves e o Defesa Civil.

A escola é pequena: possui apenas três turmas de manhã e outras três de tarde. Possui pouco material, mas tem um ingrediente muito importante. Aliás, o ingrediente mais importante para o aprendizado de crianças: o amor.

Eu sou a mãe de uma aluna e gostaria falar do amor que esta escola dispensa aos seus alunos.

Em março do ano passado, chegamos ao Acre (somos da Europa) e fomos à Escola Mestre Irineu Serra. Fomos recebidos com muito carinho e a nossa filha foi muito bem-vinda no primeiro ano da escola.



Minha filha Katie, de 6 anos, não falava Português. Mas, com paciência e muito amor das pessoas na escola, a confiança cresceu e dentro de três meses ela começou a falar o Português suficiente para entender e aprender.

Cada dia, o ano todo, ela foi na escola com muita vontade. Ela amava os funcionários. Ela gosta de estudar e aproveitou da liberdade que lhe foi dada. No intervalo, brincava com as coleguinhas. Ela estava feliz.

A porta desta escola está sempre aberta, o pessoal sempre pronto para ajudar. Ela se sentiu em casa lá, pois parece uma grande família.

Além deste amor, ela conta com ônibus. Isso é um luxo. Significa a ida para a escola e volta para casa para todas as crianças dos bairros. O motorista conhece a todas e é divertido no ônibus.

A escola beneficia a todos os alunos com excursões. No ano passado, todas as turmas estiveram na Biblioteca Pública de Rio Branco, estiveram em piscina, visitaram o cinema no Via Verde Shopping e o Parque Chico Mendes.

Para a maioria dessas crianças foi a primeira vez que foram nadar ou ao cinema. Neste mês existe uma programação em homenagem aos indígenas do qual todos vão participar.

A Escola Mestre Irineu Serra não tem pouco. Tem muito. Ela merece ser elogiada.

Karijn Bouter-Koopstra é professora de biologia

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Secretário de Produção e Agronegócio, Paulo Wadt quer a "rondonização" do Acre

 

O secretário de Produção e Agronegócio do Acre, Paulo Wadt, critica os 20 anos de socioambientalismo dos governos do PT e considera Rondônia como paradigma de desenvolvimento regional. Ao defender a “rondonizacão” do Acre, incluindo o avanço da soja na Amazônia, Wadt costuma afirmar que o Estado passou 20 anos sob uma "visão míope sobre o verdadeiro desenvolvimento". Filmagem e edição: Gênesis Produções.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Estudo da Ufac mostra saúde cardiovascular ruim em amostra da população acreana

Um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do acadêmico de medicina Davi Dantas Muniz, da Ufac (Universidade Federal do Acre), foi publicado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia. Intitulado "Saúde Cardiovascular Ideal e Estresse no Trabalho: Um Estudo Transversal da Amazônia Brasileira", a pesquisa aborda a saúde cardiovascular de uma amostra da população acreana.

A amostra foi composta por aproximadamente 500 pessoas (25% professores) da Ufac, com idade média de 44 anos. Embora o objetivo principal do estudo tenha sido a associação entre estresse no trabalho e saúde cardiovascular, o achado que mais chama atenção dos envolvidos na pesquisa é a ausência de saúde cardiovascular ideal em qualquer dos participantes.

Ter saúde cardiovascular ideal significa ter nota 10 em todos os seguintes aspectos: dieta saudável (dieta DASH), fazer 150 minutos semanais de atividade física, ter índice de massa corporal (ICM) normal, não fumar, não ter diabetes (DM), hipertensão (HAS) ou hipercolesterolemia.

Na Ufac, há um perfil socioeconômico mais favorável em relação à comunidade do Acre em geral, portanto, espera-se um perfil de saúde melhor. O estudo conclui que os achados de alta prevalência de saúde cardiovascular ruim fornecem informações importantes para autoridades de saúde pública em países em desenvolvimento.

"As estratégias para promover comportamentos saudáveis, como alimentação saudável. oferecida em restaurantes do campus, projetos de atividades físicas, campanhas de educação, em conjunto com uma boa atenção primária no campus, poderiam ter um grande impacto na expectativa de vida e na melhoria da saúde cardiovascular nessa população".

Quem sabe o estudo estimule a Ufac a repensar as políticas de saúde pública nos seus campi, revendo a alimentação oferecida nos seus quiosques e restaurante universitário, e adote programas de estímulo à atividade física.

Clique aqui para ler o artigo.