sábado, 15 de junho de 2013

Espero o Dia do Basta

Este blog, que faço há quase 10 anos, tem sido minha modesta contribuição ao Acre como cidadão. Ele me faz famoso, temido, respeitado, amado e odiado, mas não é dele que tiro o meu sustento e de minha família, embora dedique parte de minha vida para mantê-lo vivo.

Clique aqui e veja no Facebook a página do Dia do Basta no Acre

Costumo dizer que o blog sempre serve, mas não vou listar exemplos disso.  Vou me ater à contribuição que prestou desde o dia 10 de maio, quando a Polícia Federal, com ordem da Justiça do Acre, deflagrou publicamente a Operação G-7, que resultou em 15 prisões e no indiciamento de 29 empresários e secretários estaduais por crimes de formação de cartel, falsidade ideológica, corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, fraude em licitação e desvio de verbas públicas.

Pouco opinei sobre a operação, mas os leitores tiveram acesso integral à representação da Polícia Federal, à decisão da desembargadora Denise Bonfin, ao inquérito, além de alguns áudios de conversas telefônicas. Foi uma contribuição pela transparência e democracia do acesso à informação, que todo cidadão tem direito, sobretudo no Acre, onde nos últimos anos o governo estadual e o PT tentam impor o pensamento único.

Tenho sido alvo constante de ofensas pessoais diversas pela mesma gente despreparada para o exercício da democracia que ataca as desembargadoras Maria Cezarinete e Denise  Bonfim, além dos agentes e delegados da Polícia Federal.

Hildebrando Pascoal vem se declarando preso político no Acre. Na quinta-feira (13), foi a vez do governador do Acre Tião Viana (PT) declarar que os empresários e secretários estaduais presos pela Polícia Federal durante a Operação G-7 são presos políticos, inocentes.

Nos últimos dias ecoa no país que "o luxo de viver é a coragem", uma frase do jornalista Xico Sá,  um velho amigo, que já esteve em minha casa, em Rio Branco, e conhece parte de minha luta e dor nesta terra.

Constantemente recebo mensagens de felicitações pela coragem de manter este blog.  Não vejo nada de heróico nisso. É meu ofício como jornalista e costumo dizer que o Acre não estaria tão focado em mim caso mais gente estivesse disposta a contribuir como cidadão.

A tal coragem é a mesma de quando enfrentei o crime organizado e servi para guindar ao poder a bandalha que tomou conta do Acre e que agora o devolveu às páginas policiais. O dilema do Acre na atualidade não pode ser decidir entre o crime organizado com ou sem motosserra.

Nunca ocupei cargo comissionado no governo do Acre e acreditei numa promessa de mudança até a hora em que vi se desfazer todos os vínculos de uma história de resistência e luta. E foi quando decidi fazer este blog, disposto a expor a contradição interna, conforme se torna cada dia mais evidente para a sociedade do Acre e até do país.

Não sou da oposição e nunca fui filiado a partido nenhum. Quando outra bandalha mandava e desmandava no Acre, eu era acusado de ser do PT.  Agora, a bandalha do PT me acusa de ser da oposição. Sou apenas um repórter, nada mais, e não tenho pretensão política por conta do meu exercício profissional.

Mas tudo isso cansa e várias vezes já tive vontade de arrumar as malas e sumir desse ambiente sempre dominado pela pequenez política. A resistência de grupos, igrejas, partidos, movimentos sociais, sindicatos se desfez porque foram cooptados.

O que é necessário acontecer mais no Acre para que todos os cooptados comecem a fazer a resistência, a atacá-los?  Quem vai promover um discurso contrário,  corajoso e agressivo ao que está posto? Agressivo, bem entendido, no sentido positivo, seguro, firme, fundamentado, resgatando a dignidade de raízes históricas.

Eles usurparam e se apropriaram da luta, do movimento, das idéias e da organização dos trabalhadores. Aliás, nunca representaram os trabalhadores, embora digam cinicamente que governam para a pobreza. Dizem isso, mas se mostram mais empenhados em livrar da prisão e inocentar os representantes de uma elite que era identificada como formadora de um cartel quando estavam na oposição.

É necessário resgatar o passado dos que resistiam e lutavam contra a corrupção no Acre. Vamos continuar sendo usurpados pelos que se omitiram ou foram contra quando milhares de estudantes, jovens, trabalhadores, políticos estavam sendo presos pela ditadura militar? Com quem eles comiam, bebiam, com quem andavam? O que fizeram, qual o grau de participação e defesa da democracia, em que, claramente se envolveram? O que suas lutas representam como legado para a sociedade acreana e para o país?

O blog, dizem, é o mais lido no Acre. Não vou desistir dele, mas gostaria que seus leitores perdessem o medo, que tivessem a coragem e compreendessem realmente que "o luxo de viver é a coragem".

Vários grupos, em diferentes ambientes, independente da oposição política que não existe no Acre, passaram a se articular nos últimos dias em busca de respostas sobre a crise institucional na qual o Acre está mergulhado.

O que me motivou a fazer essas anotações foi o convite que recebi de estudantes para participar, às 17 horas deste sábado, de uma reunião aberta ao público no Diretório Central do Estudantes, no campus da Universidade Federal. Darei mais um passo nessa minha caminhada como repórter ao acompanhar pessoas que estão cansadas de tudo isso e dispostas a entrar em campo por dias melhores.

Um dia raia o "Dia do Basta" contra a bandalha.

Clique aqui e veja a página do Dia do Basta no Acre.

5 comentários:

Péricles disse...

Altino, parabéns! Nunca li algo que representasse tão bem as minhas próprias idéias e sentimentos a respeito da chamada "esquerda" brasileira e em particular da "esquerda" acreana. Uma pergunta: O Tião, o Aníbal e o Jorge consideram essa quadrilha que foi presa na G7 presos políticos. O que eles acham da garotada e dos jornalistas que estão sendo espancados e presos nas ruas de SP, RJ e DF por iniciativa ou no mínimo apoio da "esquerda" que está no poder? Seriam presos políticos tb?

Beneditino disse...


Hoje, no Mané Garrincha, tivemos o prenúncio do basta em nível nacional. No Acre não será diferente. Por falar nisso, quanto custou a campanha natimorta do Acre para ser uma das sedes da Copa do Mundo? Quantos centavos de Euros já foram injetados na economia acriana após a famosa, e caríssima, visita da comitiva a Milano?

Carlos Floresta disse...

Bom, Seu Altino, muito bom!
"Há três coisas que não se mantem ocultas por muito tempo: o Sol, a Lua e a Verdade". Buddha.

Kleison Albuquerque disse...

Parabéns pela iniciativa, e não pare.

Nome de Tela disse...

"Para criar inimigos não é necessário declarar guerra, basta dizer o que pensa." Martin Luther King Jr. Parabéns pelo seu blog Altino.