segunda-feira, 12 de julho de 2010

JUSTIÇA E SEGURANÇA EM XEQUE

O bandido Gleisson da Silva Andriola, que aterrorizou Rio Branco na madrugada de domingo (11), começou a vida criminosa praticando pequenos furtos em Cruzeiro do Sul, onde nasceu.

Cumpria pena no regime aberto quando, em 26 de novembro de 2007, cometeu delito de roubo que originou uma execução penal, mas no dia seguinte foi beneficiado com a concessão do livramento condicional julgado da ação penal.

Foi posto em liberdade pela juíza da Vara de Execuções Penais de Rio Branco, Maha Kouzi Manasfi e Manasfi, em 2 de junho de 2010, de acordo com as leis brasileiras, com a manifestação favorável do Ministério Público Estadual.

Todos sabem que existe imensa pressão para que presos sejam soltos assim que completam o tempo da pena. A juíza Maha Kouzi Manasfi e Manasfi é freqüentemente acusada de dificultar a libertação de presos.

A juíza concedeu a progressão para o regime aberto a Andriola mediante as seguintes condições: comprovação de trabalho efetivo e honesto, dentro de um mês; sair de casa para o trabalho não antes das 6 horas da manhã e recolher-se à sua habitação, diariamente, não depois das 19 horas, salvo se exercesse trabalho ou estudasse.

Andriola deveria permanecer em seu local de residência fora dos horários de trabalho e de prestação de serviços à comunidade. Não poderia mudar de endereço sem comunicar ao juízo, nem ausentar-se da cidade sem autorização judicial.

Também deveria comparecer, mensalmente, à Central de Execuções de Penas Alternativas para informar e justificar suas atividades; não poderia freqüentar locais de aglomeração pública em que existisse venda ou consumo de bebida alcóolica, além de prestar serviços a comunidade em dia, lugar e horário a ser designado pela Central de Execução de Penas Alternativas, num total de seis horas semanais.

Nada disso aconteceu, pois Andriola circulava livremente na cidade numa moto, acompanhado de um comparsa.

Tomou de assalto a arma de um segurança do Pronto Socorro, invadiu o quintal de uma casa e feriu gravemente o proprietário com tiros na cabeça, tórax e perna.

Em seguida, invadiu a casa de uma mulher e a degolou, após exigir a presença do comando da Polícia Militar.

A secretária Márcia Regina Pereira de Souza, de Segurança Pública, publicou uma nota (leia) em que se diz indignada e disposta a combater o crime e colocar os criminosos na cadeia.

A secretária devia estar muito nervosa no momento que soprou por telefone ou redigiu a nota. Erra o nome do bandido, que foi denominado de Cleiton da Silva Andreola.

É absurdo a secretária assinar uma nota oficial com o nome errado de um bandido. Pequeno sinal do preparo e zelo que impera no setor de segurança pública.

10 comentários:

Josafá Batista disse...

Altino, há um outro sinal não menos interessante: que negociação foi essa que não pediu, em nenhum momento, sinal de vida da refém como garantia do próprio andamento da negociação?
.
Como pôde existir gerenciamento de crise, sem exigência por parte dos negociadores de uma garantia de vida da refém, por telefone, talvez?
.
Posso estar errado, talvez a refém tenha sido morta pouco antes da invasão da casa, mas mesmo isso é estranho porque a nota não deixa claro a que horas ocorreu o homicídio.
.
Se alguém tiver acesso ao laudo que poderá comprovar a hora da morte, restará comprovado o equilíbrio da nossa - como diz o Edvaldo Souza - "briosa" Polícia Militar...

Andarilho disse...

Altino, esse é um fato do 'pico' do nível de insegurança que temos em nossa cidade. Os outros fatos estão os assaltos, furtos, roubos e etc, que todos os dias nós estamos a mercê.
São bandidos soltos 'aos toneis' sem o minimo de controle. Por exemplo, as penas alternativas, são verdadeiras ilusões. O réu é condenado a uma pena alternativa, comparecer e ajudar nos afazeres em uma escola, exemplo. O réu vai ao local, come e bebe, muitas vezes dorme, depois vai embora. Não fez nada. Pq ninguém vai querer 'confrontar' o réu em pedir que faça algo, varrer o chão, por exemplo (fato já presenciado).
Me pergunto de que forma isso vai auxiliar na recuperação de um meliante desses? Ele simplesmente tem a certeza de sua impunidade.
Temos que rever o modelo de presidio que temos.
Presidio não é para ser um gasto para o Estado, é para ser um custo. Esse ultimo ser pago uma parte pelo Estado e outro pelo bandido. De que forma? Ah meus amigos! Tem-se várias maneiras de se realizar.
Temos praças e ruas precisando de limpeza e conservação. Temos escolas e creches precisando de uma mao-de-obra (carpinteiro, pedreiro e etc). O preso precisa comer? Vamos ensinar a planta sua própria comida.
Não é assim que o trabalhador de bem sai todos os dias de casa, com a intenção de colocar comida, de forma honesta, na boca de suas crianças, pais, avós e afins?
Não foi o Estado que causou o dano a população, mas um individuo que não tem a capacidade de ser honesto que provocou dolo.
Fiquei estarrecido em saber dessa noticia. Pois, estava próximo dessa residencia e por pouco nao poderia ter sido invadidos por esse individuo. Chamar de ser humano é covardia.
Meus pesames a família ilutada.

Ativistadacre disse...

Altino, De Tudo Que Foi Escrito Até Aqui
Sobre Esse Trágico Assunto,Voçê Foi Mais
Correto e Objetivo!
Notas Oficiais 'Assinadas' Esta Secretária
Denigre A Sí mesma Com Timbre Oficial!
Importante, Neste Caso: O VIGILANTE do PS,
DESPREPARADO Deu Causa À Todo o Desfecho;
Era Vítima Ele Próprio Enquanto Assaltado
Ato Contínuo 'Incorreu' diretamente Para
Este Desfecho Trágico e Imprevisível,Pois
ABANDONOU SEU POSTO...NÃO AVISOU IMEDIATO
SEU SUPERVISOR...NÃO CHAMOU A POLÍCIA...

"Chamaram" a Polícia Militar!!!

Ao Empreender Perseguição ao MELIANTE,
Contribuiu Diretamente Para o Desfecho:
DUPLO HOMICÍDIO!!!

Enfim, Muito Mais Há Que Se Dizer e Fazer...Todos Nós Seremos As Próximas
Vítimas...

A Nota do Sindicato dos Jornalistas é
SOFRÍVEL TAMBÉM!!!

Joana D'Arc Valente Santana, Eu Sou

direitoshumanos.ac@gmail.com disse...

Ai mais uma prova de um Sistema de Segurança e Sistema Penitenciário prisional falido ou mal administrado, um sistema que gasta milhões de reais todos os anos para não recuperar ninguém que além disso devolve para sociedade ou para o convívio social , pessoas sem a minima condição de estarem em liberdade que na verdade são verdadeiros Monstros.

Mesmo assim o Governo do Estado do Acre insiste em continuar com uma politica de administração penitenciaria vergonhosa sem resultados positivos na recuperação de presidiários trazendo de volta para sociedade verdadeiros monstros. Mesmo assim o Governo do Acre insiste no não desenvolvimento de um projeto dentro do sistema prisional para o combate a reincidência visando evitar que monstros como esses saiam de dentro do sistema piores do que são.

vera disse...

O mundo está perdido, os homens não se respeitam mais, enquanto seres humanos. O que fazer? Querem que o governo dê jeito. Não dá. Querem que a polícia dê jeito. Não dá. A violencia está ultrapassando os limites da possibilidade das autoridades. Que faremos? Todas as noites, peço o cuidado de Deus para minha vida e dos meus familiares. Quem não tem Deus em sua vida, em um momento desses beira o desespero. Eu, particularmente, não culpo ninguém num episódio desse. Se o mal é uma constante no coração humano,o que fazer? A luta pela humanização dos meliantes, pela recuperação, pela inserção deles na sociedade é uma constante, mas, infelizmente, é isso que eles querem? Fica a pergunta e a resposta, onde encontraremos? Não deixemos que o desespero, a síndrome do pânico, a depressão,a revolta, venha destruir a nossa vida. Busquemos em Deus refúgio e ele nos fortalecerá para o dia mal. Á família da Ana Eunice, meus pesares. Que Deus os console nesse momento de tribulação. Nada justifica a bárbara violência que o mundo enfrenta.

direitoshumanos.ac@gmail.com disse...

Ai mais uma prova de um Sistema de Segurança e Sistema Penitenciário prisional falido ou mal administrado, um sistema que gasta milhões de reais todos os anos para não recuperar ninguém que além disso devolve para sociedade ou para o convívio social , pessoas sem a minima condição de estarem em liberdade que na verdade são verdadeiros Monstros.
Mesmo assim o Governo do Estado do Acre insiste em continuar com uma politica de administração penitenciaria vergonhosa sem resultados positivos na recuperação de presidiários trazendo de volta para sociedade verdadeiros monstros. Mesmo assim o Governo do Acre insiste no não desenvolvimento de um projeto dentro do sistema prisional para o combate a reincidência visando evitar que monstros como esses saiam de dentro do sistema piores do que são.

fatima almeida disse...

Nos Estados Unidos, segundo soube, por uma amiga psicóloga, eles não permitem que psicopatas retornem ás ruas. Em alguns estados, inclusive, há pena de morte, porque o diagnóstico é um dos mais simples de nomear: irrecuperável. Para isso devem fazer algum tipo de triagem. Aqui, nesta terra, tudo é movido por política, nomeações em toda parte, até para servir cafezinho, ou não servir, tem o dedo da politicagem, que entra por uma porta, obrigando a inteligencia a sair por outra.

Marciane disse...

Eh verdade, Fatima! Eu fiquei ate envergonhada de contar pro meu marido que uma amiga de muitos anos foi barbaramente assassinada por um bandido que ja tinha sido condenado por latrocionio e estava solto nas ruas. Ele de queixo caido, me pergunta: - Entao, a morte dela poderia ter sido evitada? O Estado protege quem mata e deixa desprotegido os cidadaos comuns?... Eu, ainda em estado de choque, sem saber o que responder, me recolho ao limbo e fui orar pelos filhos dela, e como foi dificil dormir na noite passada, volta e meia ouvindo as gargalhadas altas dela. Ana, que Deus a tenha...

Márcio Chocorosqui disse...

É lamentável que pessoas de bem pereçam de maneira tão torpe. Se a Justiça não nos protege dos bandidos, quem nos protegerá da Justiça? Pois se estava solto, por culpa de quem?

Marcel Marques disse...

Fico me perguntando para que serve o Batalhão de Operações Especiais, será que esse batalhão serve somente para atirar em mulheres desarmadas em garupas de motocicletas (e pelas costas!!)? Talvez sirva também para olhar com cara feia nos locais onde patrulham, ou alguém vai me dizer que já viu algum sendo policial de preto sendo solicito com um cidadão qualquer?

Pelo que vejo o BOPE é campeão de truculência policial, qualquer um que passe por suas blitz verá policiais com a cara amarrada apontando-lhes fuzis e escopetas , intimidando todo cidadão que passe por eles.

Por que não usaram essa “cara de mau” e suas armas, que exibem por qualquer motivo sentindo-se deuses, para neutralizar o marginal e salvar a vítima? Era noite, suas fardas favoreciam uma suposta ação, será que foi montado o plano de invasão? Se sim porque não foi executado? Quem FALHOU ao impedir a entrada e julgou desnecessária a invasão? Quem foi o INCOMPETENTE que não traçou um perfil psicológico do marginal e com base neste tomou uma decisão acertada?

Acredito que o Comando da Polícia Militar deve prestar esclarecimentos a população, convocar uma entrevista coletiva e dizer o porquê do “desfecho honroso” para o marginal e não para a sociedade, apontar culpados por essa (falta de) ação.

A impressão que dá é que faltou um homem com pulso para dar a ordem que poderia ter salvado a vida da Ana, em casos como esse a prioridade deve ser sempre retirar a vítima com vida, se possível também o sequestrador e não o contrário, lembro de minha mãe contando-me sobre Diógenes, o cínico, quando em plena luz do dia saia com uma lanterna acessa pelas ruas, e quando indagado o porquê de tal ato respondeu: “Estou a procura de um Homem!”, imaginem se Diógenes tivesse nascido em Rio Branco nos dias atuais! Morreria andando!