domingo, 28 de setembro de 2008

É PARA VOCÊ, ANGELIM

Cleusa Maria Damo Ranzi

Conheço Raimundo Angelim, que disputa a reeleição como prefeito de Rio Branco, há algum tempo, mais precisamente há algumas décadas. Bem lembro do jovem assessor da Reitoria da nossa Universidade Federal do Acre (Ufac) que a todos bem recebia e tudo fazia para bem responder, no alcance de suas atribuições às necessidades das pessoas que o buscavam.

Percebo que Angelim, tanto em sua missão como educador e nas diferentes funções que vem exercendo como homem público, tem mantido a mesma atitude de procurar dignificar a vida e a condição humana.

É admirável observar sua busca constante em realizar o melhor e com a responsabilidade e ética inerentes a seu caráter cuidadoso e compromissado com o aperfeiçoar o meio, as pessoas e as comunidades.

Mesmo com intensa jornada a cumprir, em agendas exaustivas, em atribuições que exigem dedicação plena não perdeu o jeito simples, gentil, atencioso e capaz de manifestar sentimentos bonitos, que expressam o ser humano sensível que se emociona com causas e atitudes que envolvem o coração das pessoas. Generoso na arte da escuta, sua atenção professoral é presente.

Sua comunicação afável é próxima do sentir das pessoas, demonstrando o propósito firme de fazer o melhor para bem responder aos anseios de quem o procura. Sensível às necessidades dos mais humildes tem a capacidade de dialogar sem distinção, visando bem compreender a reinvindicação do outro.

Seu caráter honesto e franco tem sido sua marca ao longo de sua vida pública. É notável a capacidade de bem conciliar zelo e determinação com a causa comum em diferentes níveis e setores. Angelim tem o dom de congregar ideais, diminuir distâncias, aproximar diferenças, multiplicar realizações.

Observo que alguns profissionais que hoje exercem importantes funções em instituições públicas e privadas de nossa Rio Branco, que foram crianças e que na década de 80 participaram do Projeto "Humanize Rio Branco - Uma Ação Educativa", se reconhecem na atenção e postura de cuidado consequente que Angelim dedica à cidade. Angelim, como Professor e Pró-Reitor da Ufac, foi um apoiador incondicional desse projeto. E assim é. As boas ações que praticamos certamente ajudam aos próximos que vão chegando em nossas vidas.

O estímulo pelo cuidado e carinho para com a cidade, a natureza, o meio ambiente e os espaços que vivemos, desde o quintal-pomar-jardim de nossas casas, perpassando pela frente das mesmas, calçadas, rua, bairro, escola, praça, rios, águas; comunidades compartilhando idéias e trabalho é algo vivo nas realizações do Angelim.

Seu convite constante para que cada um de nós faça a sua parte pela urbanização da cidade é uma oportunidade para aperfeiçoar os ideais dos que nos antecederam e das gerações presentes. Exercer a cidadania como quem se dedica a nobre função de aperfeiçoar atitudes e espaços pode ser uma boa forma de implementar qualidade de vida, com gestos simples e criativos que embelezam e humanizam Rio Branco. Tudo o que temos e colhemos alguém sonhou, plantou e realizou.

Acredito na possibilidade da educação como processo sagrado a refinar o ser humano, na importância de cada um fazer a sua parte para que sementes boas germinem no coração e na vida das pessoas.

É em nome desse ideal maior, do acolhimento que aqui tenho e de Rio Branco ser berço dos meus filhos, que me sinto livre para expressar meu aplauso ao trabalho do Angelim, para que ele possa prosseguir em sua meta de qualificar pessoas e tornar Rio Branco uma cidade cada dia mais humana.

Por isso meu voto é para você, Angelim.

Cleusa Maria Damo Ranzi é professora de história.

3 comentários:

acreucho disse...

A professora Cleusa faz uma descrição exata do que foi e do que é o "cidadão Raimundo Angelim". Atencioso, sensível, que se importa com os problemas dos outros. Esse é o cidadão e colega de faculdade dela.
O homem público, político e administrador municipal é outro. Faz o que tem que ser feito e o que é ordenado pelas diretrizes partidárias, é um soldado, um executor, mira os objetivos traçados e os alcança em prol do partido no qual milita. Até acredito que muitas vezes nem concorde com o que deve ser feito, porém, obedece. Esse é o Angelim que a população de Rio Branco conhece e a professora não.

Leila disse...

Senhor Acreucho, queira desculpar-me, mas o senhor não fez uma boa análise do texto, tampouco da realidade das coisas.
Ao discorrer sobre a personalidade e caráter do Angelim nos tempos da Universidade Federal do Acre, em nenhum momento foi afirmado que Angelim foi um bom colega e excelente servidor público, embora corresse por fora da política da Instituição. A Universidade é política e segue políticas próprias (pelo menos deveria ser assim). Na Prefeitura e nos órgãos públicos, segue-se, preferencialmente, os caminhos exigidos pela comunidade, porém sempre pautados pelos nortes partidários, seguindo uma linha de prioridades, evidentemente.
Na prática, no desenvolver das obrigações, erros podem acontecer. E devem ter acontecido muitos.
O que não dá para negar é o valor de caráter de Raimundo Angelim, independentemente de bandeiras partidárias.
As declarações de Cleusa valem tanto para o Angelim político quanto para o ex-colega de Universidade. Por ser verdade, dou fé!
O homem é um ser político. Desde o berço, seu primeiro partido é a família. E aliás, a família é um partido do qual jamais será possível a desfiliação.

Anônimo disse...

Concordo com a Professora, quando diz sobre o caráter do Angelim. Porém concordo com o colega Acreucho sobre quando diz que "O homem público, político e administrador municipal é outro". Sim, e tem que ser mesmo, se não, ele não seria prefeito pelo "PT". Pois o PT é isso ai: "Escreveu não leu, o pau comeu"... Mas a diferença dos politicos do PT para os outros que anos atrás governavam o Acre é que eles tem bons projetos de melhorias para o Estado, e os outros não. E essa é a única diferença. Mas não esquecemos de que, eles precisam apresentar bons projetos mesmos, pois a idéia deles é de se perpetuarem no poder.
Gabi Ramos
Cascavel - Paraná.

OBS: Mas se eu estivesse ai em Rio Branco meu voto seria dele, do Angelim. Com toda certeza. Do Petecão é que não seria, Deus me livre dar meu voto para aquele analfabeto, corrupto, e um político medíocre, que por muitos mandatos esteve na Assembléia e não teve nenhum projeto que beneficiasse a população de Rio Branco, a não ser pro bolso dele e de sua família. Foi presidente da mesa diretora por vários anos, e só fazia era gastar a grana da Assembléia juntamente com os Secretários..
Bom, chega. Se eu for escrever o que sei sobre esse político não termino hoje.