sábado, 27 de setembro de 2008

A COPA 2014 NO ACRE

Aníbal Diniz

O Acre deu mais um importante passo para fazer de Rio Branco uma das sedes da Copa 2014, ontem à tarde, no Windsor Barra Hotel - Rio de Janeiro.

Ao contrário de outras cidades-candidatas, que optaram pela contratação de profissionais de marketing para suas apresentações diante do Comitê da Fifa, o governador Binho Marques e o prefeito Raimundo Angelim delegaram ao ex-governador Jorge Viana e à senadora Marina Silva a missão de coordenar o grupo de trabalho encarregado de provar ao Comitê da Fifa que a entidade máxima do futebol mundial só tem a ganhar se tiver a cidade de Rio Branco assegurada entre as sedes da Copa 2014, que acontecerá no Brasil.

Além de Jorge e Marina, o secretário Cassiano Marques, o empresário George Pinheiro, e o Coordenador Técnico da proposta, engenheiro Luiz Volpato, integraram a delegação do Acre que se reuniu das 15 às 17 horas com seis dirigentes da Fifa e mais quatro dirigentes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).


As presenças do presidente do Fórum de Desenvolvimento Sustentável do Acre, ex-governador Jorge Viana, e da senadora e ex-ministra Marina Silva foram imediatamente ressaltadas pelo coordenador financeiro da Copa, o ex-presidente do Banco Central Carlos Langoni. Ele disse que se sentia honrado por saber que o Acre estava levando tão a sério o seu projeto de ser sede da Copa, e que o fato de duas lideranças respeitadas como Jorge Viana e Marina Silva integrarem a delegação não deixava qualquer margem de dúvida quanto à importância que as autoridades do Acre estão dando a este assunto.

Cassiano Marques fez a apresentação inicial seguida pela projeção de um vídeo de nove minutos contendo informações gerais sobre Rio Branco, sua localização e vias de acesso, características gerais do nosso povo e as mudanças estruturais que a cidade sofreu nos últimos 10 anos. O vídeo termina convocando a Fifa a somar esforços com o Acre para que a Copa 2014 seja um gol verde marcado pela entidade, uma vez que não existe outro evento no planeta com maior audiência em todos os países.

Jorge Viana discorreu durante 10 minutos sobre o quanto uma sede da Copa do Mundo no Acre pode ser estratégica para a Fifa, tanto no aspecto geográfico - o Acre está no centro da América do Sul, faz fronteira com o Peru e a Bolívia, e pode fazer com que essas nações irmãs também se sintam contempladas - quanto no que diz respeito à inclusão das cidades pequenas e médias no evento esportivo mundial de maior importância. Jorge Viana mostrou que as cidades grandes estão muito bem representadas pelas metrópolis do centro sul do país, e que Rio Branco poderia ser uma representante de milhares de cidades pequenas que não teriam a mínima condição de disputar uma seleção tão rígida quanto essa.

A senadora Marina Silva, que falou por último, contou mais uma história de impacto, e usou da simbologia do arco e da flecha para provar que o protagonismo do Acre na luta ambiental vem de muito tempo. Ela disse que o Acre se sente arco para impulsionar a flecha da causa ambiental e que é chegada a hora da Fifa, com toda sua audiência, assumir a condição de arco para alçar a causa verde aos quatro cantos do Planeta. Marina também afirmou que a delegação do Acre não estava ali para reproduzir uma história qualquer.

- Nós estamos aqui para narrar algo que nós verdadeiramente vivemos - disse a senadora.


Pontos fortes da proposta acreana

Se Rio Branco tem problemas de infra-estrutura de transporte e de acomodações hoteleiras que preocupam, a credibilidade do Governo do Acre e da Prefeitura d Rio Branco para a captação de recursos com vistas à superação desses problemas é algo que tranqüiliza os comitês da Fifa e da CBF.

Foi assim que aconteceu durante a apresentação, quando Cassiano Marques exibiu a lista de contratos firmados com o BNDES, BID, Banco Mundial e a Caixa Econômica Federal. A certificação classe “A”, conferida pelo Banco Central atestando o total equilíbrio financeiro e ajuste fiscal do Estado, foi um dos itens que mais impressionou o ex-presidente do Banco Central, Carlos Langoni.

- Isso não é pouco - afirmou o diretor financeiro do Comitê da Copa.

Mas o que mais importa para a Fifa são as respostas técnicas relacionadas à garantia de que o espetáculo que ela tem por missão promover tem boa acolhida entre os acreanos. Nesse sentido, o coordenador técnico da proposta, Luiz Volpato, apresentou seis argumentos absolutamente potentes:

1 - A Arena da Floresta está a menos de cinco quilômetros do centro da cidade e qualquer pessoa que esteja de férias pode até ir a pé para ver os jogos.

2 - Todas as instalações exigidas pela Fifa serão construídas no entorno do estádio. O hotel padrão Fifa e o LOC (Comitê Local Organizador), além de estacionamento para 6 mil veículos, poderão ser instalados sem qualquer problema na área de 430 mil metros quadrados existente no entorno do estádio.

3 - O Acre se antecipou ao anúncio da Fifa. Antes de a entidade ter decidido que a Copa seria no Brasil, o Governo do Acre já havia optado pela construção de um estádio nas dimensões exigidas para que, se um dia a Copa acontecesse no Brasil, o Acre estivesse apto a candidatar-se a sede. O Acre saiu na frente ao construir a Arena da Floresta e agora pode colher os frutos.

4 - Hoje, no Brasil, não existe nenhum estádio nas dimensões Fifa com total prioridade para o futebol. Normalmente, são estádios olímpicos, com pistas de atletismo, o que distancia o torcedor do espetáculo. Na Arena da Floresta, o torcedor chega a ficar a apenas 8 metros de distância do espetáculo, e isso é tudo o que a Fifa quer numa transmissão de Copa do Mundo.

5 - A candidatura do Acre é uma construção que vem ganhando notoriedade cada vez maior. O exemplo disso é que a defesa que o Acre fez em 2007 para a primeira comissão da Fifa ganhou o Prêmio Top de Turismo da Revista da ADVB, que é um ambiente empresarial importante para o Comitê da Copa.

6 - A Arena da Floresta está projetada para ser um prédio verde, com todos os cuidados necessários para uma edificação ambientalmente correta. A Arena da Floresta será um prédio verde, e este argumento tem força excepcional junto aos dirigentes da FIFA, que se puderem somar ao green gol, um green building, será uma dupla vitória.

O jornalista Aníbal Diniz é assessor do governador Binho Marques.

10 comentários:

acreucho disse...

Altino, me desculpe, mas é ridículo o governador e o prefeito deixarem outras pessoas falarem por eles.
Tá igualzinho a campanha eleitoral...

Wesley Diogenes disse...

É difícil algum estados mandar sequer um deputado, como foi falado na reportagem, os estados contratam empresas de marketing que vão falar por eles...

Ninguém melhor pra falar do Acre, do que Marina e Jorge.

Anônimo disse...

Ainda vou deixar de votar e militar no PT por causa desse tal de Aníbal Diniz.], que pra mim não passa de um sangue-suga e não tem nada a oferecer para o nosso Acre.

Kemis disse...

Uma coisa há que se admitir. O projeito cidade-candidata cumpre a seus propósitos e desenha uma nova fase para Estado. Acho engraçados os que tenham desmerecer a candidatura, como se muito tivéssemos a perder com isso. Não há desgastes para o Acre num caso como esse, pois trata-se de uma campanha de teor positivo. No pior caso, ficaremos marcados como uma pequena e "enjoada" cidade do Norte, que encarou o desafio de ser sede de uma Copa. Algo inimaginável para o Acre de antigamente, aquele mesmo que fora governado pelos apedrejadores de hoje.

Allen Feitosa Ferreira disse...

No meu ponto de vista o Acre está longe de poder sediar um espetáculo desse porte, não existe nenhuma estrutura em nossa capital para tal evento, falta hotéis, restaurantes, vias de trânsito estruturadas, etc. Mesmo com parcerias de bancos para desenvolvimento seria pouco o tempo para aplicar os investimentos.

Anônimo disse...

Andando pra arena da floresta? debaixo desse calor amazônico? Vai ser um tal de turista desmaiando no caminho que não vai ser brincadeira!

Hercules disse...

O fato desse projeto (muito bonito por sinal) ter ganhado essa dimensão toda e chegado com muita propriedade a o comitê da CBF, remete a uma estrutura muito bem montada, por exemplo, as contas públicas saneadas, seria o primeiro indício de que a candidatura do Acre está no rumo certo, as mudanças estruturais na nossa capital também indicam que o projeto não está disputando à toda essa vaga.
Que não há hoteis suficientes, pode ser, é perfeitamente remediáveim, que o calor amazônico é infernal para os que aqui chegam, bom, recentemente se realizarams as olimpíadas no Pais mais poluido do mundo (forte umidade relativa do ar aliado ao ar mais poluido do planeta) e se desmaiou alguem por lá, foram tão poucos que não divulgaram, nem na imprensa televisionada, e nos blogs dos repórteres que lá estavam.
O Acre está na direção certa, essa candidatura demonstra que demos um giro de 360º no quesito melhor qualidade de vida, claro que ainda tempos muitos problemas, e esses problemas são gritantes, mas reafirmo que estamos no rumo certo.
Quando estava digitando esse comentário, me perguntei, será que seria possível uma situação dessas: com estádio arena da floresta, via verde, duplicação da ceará, sobral e são francisco, parque da maternidade e o Acre buscando a vaga para sub-sede de uma COPA DO MUNDO. Será que uma situação como a que vivemos agora seria possível nos tempos de orlei, flaviano melo, romildo magalhães, nabor junior, mauri sergio e outros tantos caciques que sumiram do mapa político. Eu penso que não seria possível.

acreucho disse...

Não é por “amor ao esporte”, nem para beneficiar o povo acreano, que o governo está tão interessado em “jogos da copa” por aqui. Quem na realidade está mais interessado são os empresários do setor hoteleiro e de alimentação que serão os que mais irão lucrar com o evento. Na realidade o único motivo pra tanto barulho é que o governo quer dar uma justificativa para a construção do Estádio Arena da Floresta, que foi construído unicamente com o intuito de trazer para cá os jogos da Copa do Mundo de 2014. Já foram gastos na obra 20 milhões de reais, com tudo que será necessário fazer pra poder sediar os jogos, no mínimo outros 20 milhões terão que ser gastos. Temos certeza de que o “povo” acreano tem utilidade melhor para numerário tão expressivo do que simples “vaidade” de uma única pessoa.

Hercules disse...

Meu car acreucho, ganha quem investe, e quem investe neste estado? A iniciativa privada, e para lucrar terão que fazer investimentos, ampliação (operários trabalhando), aumento de equipe (mais gente trabalhando), os restaurantes terão que comprar mais para poder alimentar mais (produção circulando), quer dizer, é um ciclo positivo, sobre o arena, além de quem saber ser sub-sede da copa, bom, ele tem lotado com os jogos do rio branco, melhor lá que no velho josé de melo.
Estou torcendo para essa candidatura vir para o Acre.
Claro que não é por amor ao espote, mas sim a tudo o que gira em torno dele.

Anônimo disse...

Eu não consigo compreende como que alguma pessoa acreana ou que vive no Acre, pode se contra uma iniciativa dessas, ainda bem que temos pessoas como Jorge e Marina para discutir um projeto com essa proporção para a FIFA.
O governador Binho, não poderia te escolhido nomes melhores, além do Jorge e Marina, pessoas que tem credibilidade a nível nacional , haverá tempo certo para todos os ajustes necessário tanto da arena, quanto de restaurantes hotelaria etc. Com os investimento seremos sede.
Só posso tosse e pedir a Deus para tira os pensamentos negativos.

Leila Ferreira