domingo, 25 de março de 2007

OSWALDO SEVÁ

Do antropólogo Terri Vale de Aquino a respeito da prospecção de petróleo e gás no Acre:

- Poucos conhecem as conseqüências desses projetos, repito. No entanto, todo mundo acha isso e aquilo. Neste sentido, diversos jornalistas têm vindo me perguntar o que eu acho do petróleo e gás em território acreano. E sempre digo, brincando, que ainda não achei nada não, mas se achasse em alguma terra indígena ia pedir aos índios que tapassem bem o buraco e ficassem calados, porque não entendemos nada desse assunto e desconfio sobre as conseqüências nada animadoras que a exploração petrolífera poderá provocar em suas comunidades e terras.

O comentário está na coluna Papo de Índio, assinada por Terri Aquino em parceria com o antropólogo Marcelo Piedrafita Iglesias, no texto de apresentação da primeira parte do artigo "O petróleo e o gás debaixo da terra Pan–Amazônica", de autoria do professor Oswaldo Sevá.

Leitura imperdível. Clique aqui.

4 comentários:

fatima almeida disse...

Essa luta dos povos indígenas da América vem desde 1492, desde as Coroas Ibéricas que patrocinavam o capitalismo e agora são os Estados os patronos. A estrada para o Pacífico veio para realizar o Périplo de Magalhães do Capitalismo que extermina, assimila e pressiona os indígenas para as cabeceiras. Políticos e governantes são meros agentes do grande capital. O projeto dos intelectuais organicos é pequeno burgês. As massas ou compram pão francês ou compram jornais, dos quais só compreendem as páginas policiais. Tá na cara que a ultima trincheira, o Juruá, vai desabar.

Paulo Henrique disse...

A Aranha tece a teia sem me pedir passagem...
A Aranha tece a teia e arranha a história...
Quem dera reviver os mortos que estão fazendo passado...
Quem dera fazer morrer os que dizem buscar o futuro!

Miro e vejo o silêncio da Mata
Ouço o vento que no meu Dharma me acalma...
E o rio também silencia...
E na superfície o profundo emerge...

Mire e veja...
Só a alma concebe!

Anônimo disse...

Não acredito que o governo do Estado vá bancar as passagens do professor-doutor Oswaldo Sevá.O homem é uma das maiores autoridades no assunto, e por isso mesmo não será bem vindo, os que já se posicionaram contra a prospecção devem passar o chapéu e trazer o professor para o debate dia 8 de abril, pois com certeza ele fará a diferença e marcará a favor da vida na Amazônia.Aliás o blog pode fazer a campanha,passagem e alimentação dá de conseguir.O Terry pode ser o Canal.

Tiago Juruá disse...

Caro Altino e leitores do Blog,

Depois da minha atualização “pós-final-de-semana” do blog, penso que o momento é propício para discutirmos alternativas em relação aos megaempreendimentos pensados para o Acre, tendo atualmente como carro-chefe a prospecção de gás e petróleo.

Esse final-de-semana fiquei imaginando e me perguntei sobre como será que o Acre está se preparando/vislumbrando o turismo, com toda a mídia atual envolvendo a minissérie Amazônia?

Como estão as perspectivas das Secretarias de Turismo (Estadual e Municipais)? O que estão fazendo pra estruturar o turismo no Acre?

E como a rede hoteleira, de bares e restaurantes, agências de turismo, etc. estão se preparando para receber estes turistas?

Gostaria de ver essas respostas no blog.

Gostaria também de fazer uma rápida reflexão levantando alguns pontos envolvendo o turismo.

1º) "De acordo com a Associação Brasileira de Viagens, o turismo movimenta, no mundo, aproximadamente U$ 3,5 trilhões. No Brasil movimenta mais de R$ 75 bilhões anuais."
Essa informação pode servir de contraponto aos possíveis "royalties" advindos do petróleo e gás acreanos. Isso sem contar o impacto ambiental.

2º) "O turismo é um setor gerador de serviços em atividades como hospedagem, alimentação, transporte, entretenimento, etc., representando 8% dos empregos brasileiros."
Esse é um contraponto em relação ao desemprego no Acre. Possibilitará a geração de emprego e renda para a população e um incremento na economia do estado.

3º) "Mais de 97 % do setor é controlado por empresários que têm, em média, seis empregados."

Vale lembrar aqui que, para a operacionalização do turismo, diferentemente do que muitos possam imaginar, não são necessários grandes empreendimentos. Dependendo do perfil do turismo, empresas de médio e pequeno porte são bastantes para suprir as necessidades dos turistas. Se o total dos recursos aprovados por emenda do Senador Tião Viana, fosse destinado ao fomento do turismo no estado, haveria o surgimento de pequenas e médias empresas para suprir as demandas criadas. Consequentemente, a criação de empregos, a diminuição dos empregos informais, o incentivo ao empreendedorismo, a e um ganho para a economia o estado.

4º) “São inúmeras as reportagens que estão saindo na mídia nacional elogiando o Acre, seu povo receptivo, sua cultura, suas belezas naturais, etc.”
E pq não valorizar isso e empreender; melhorar as condições do turismo no Acre? Pq não levantar os prós e contras do turismo no Acre e encará-los/ estudá-los?
Seriam as passagens muito caras? Seria a estrutura hoteleira/restaurantes/agências suficiente? Seriam os roteiros turísticos ideais e atrativos? Ou será que o perfil do turismo no Acre necessite ser repensado como um todo? Talvez valha uma reflexão nesse sentido. O Acre possui coisas únicas no mundo que precisam ser consideradas como atrativos turísticos únicos. Os turistas viriam ao Acre atraídos justamente por esta unicidade. Coisas, lugares, histórias, vivências que eles não encontrarão em nenhum outro lugar do mundo. Só aqui!!!
Petróleo e gás já sabemos, não são únicos do Acre. Na verdade, nem sabemos se existe! Ta ainda só na prospecção – palavra tão falada atualmente.

Pra finalizar, saliento que o turismo tende a valorizar ainda mais a história, a cultura, a identidade e as belezas naturais do Acre, que serão fonte de emprego e renda para a população, e do tão falado “desenvolvimento”, para o estado. Tudo isto, se planejado, poderá ser realizado sem agredir o meio ambiente, tendo assim a cara do Acre. O turismo bem planejado também engrandecerá o já conhecido amor do acreano pela sua terra.

Espero que amadureçamos esta discussão no blog e que as autoridades, o empresariado, as organizações da sociedade civil, as lideranças políticas/étnicas, os interessados, enfim, os que se preocupam com o Acre, se manifestem e comentem.

Abraços e vida longa ao blog,