segunda-feira, 27 de maio de 2013

Operação G-7: "PF, MP e Justiça estão a serviço da oposição", acusa senador do PT

Anibal Diniz: "Cães farejadores tentando encontrar alguma marca de corrupção neste governo"

O senador Anibal Diniz (PT-AC) criticou duramente, no sábado (25), durante plenária do partido em desagravo ao governador do Acre, Tião Viana, a atuação da Polícia Federal, do Ministério Público e da Justiça nas investigações da Operação G-7.

- Um ano e seis meses de gravação, de procura com lupa, como cães farejadores tentando encontrar alguma marca de corrupção neste governo (...) A Polícia Federal, o Ministério Público e o Tribunal de Justiça estão a serviço de uma oposição que quer, a todo custo, tomar o poder a custa de mentiras.

Ouça trecho final de longo discurso do senador



O presidente do Tribunal de Justiça do Acre, desembargador Roberto Barros, consultado pela reportagem, disse por meio da sua diretoria de informação, que não vai se manifestar.

A procuradora geral de Justiça, Patrícia Rego, também não se manifestou. A reportagem procurou a assessoria de comunicação do Ministério Público e telefonou diversas vezes para a procuradora. O superintendente da Polícia Federal no Acre, Marcelo Rezende, também preferiu silenciar.

Apenas o presidente da Associação dos Magistrados do Acre (Asmac), Raimundo Nonato da Costa Maia, anunciou entrevista coletiva, às 10 horas desta terça-feira (28), no auditório do Palácio da Justiça, para se manifestar a respeito das "declarações acusatórias" por parte de políticos acerca da atuação de magistrados, bem como do judiciário acreano, na investigação da Operação G7, da Polícia Federal.

Atualização às 18h54 do dia 18 de maio de 2013 - Mensagem da assessoria de comunicação do Ministério Público do Acre em resposta às declarações do senador Anibal Diniz (PT-AC) a respeito da Operação G-7:

"Caro Altino,

Em relação a matéria "Operação G-7: PF, MP e Justiça estão a serviço da oposição, acusa o senador do PT", publicada no seu blog, em 27 de maio de 2013, a Procuradoria-geral de Justiça tem o seguinte a esclarecer:

Que, à luz do ordenamento constitucional, o Ministério Público é instituição permanente e essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis, conforme preconiza o art. 127, caput, da Constituição da República.

Nesse quadrante, para o exercício da função ministerial, os membros (promotores e procuradores de justiça) do Parquet gozam de autonomia e independência funcional, submetendo-se exclusivamente aos primados do Estado de Direito e aos ditames da lei.

Em que pese o Ministério Público entender que qualquer pessoa tenha direito a livre manifestação e a liberdade de pensamento, se vê no dever de esclarecer que a sua atuação levará sempre em conta a estrita observância de sua missão constitucional, com isenção e sem qualquer atrelamento político ou partidário.

Portanto, embora respeitando a livre manifestação de pensamento e opinião como postulados ínsitos ao regime democrático, esclarece o Ministério Público do Estado do Acre que não se envolverá em discussões ideológicas político-partidárias, prosseguindo a instituição unicamente no cumprimento da sua missão constitucional em prol da sociedade."

8 comentários:

Joana D'Arc disse...

SENADOR SEM VOTOS...
SENADOR QUE NÃO NOS REPRESENTA...
ARREMÊDO de SENADOR SUPLENTE...
NÃO TEM IMUNIDADE REPRESENTATIVA !!!
Não Podem Nos Envergonhar Ainda Mais
Usando o Nome do Nosso Estado do Acre!!!

Beneditino disse...


A oposição está quieta no lugar dela aguardando as investigações. Quem é inocente também fica quieto aguardando as investigações, que comprovarão sua inocência. Esse tipo de declaração tem a intenção de transformar uma investigação policial em um ato meramente político. Desespero? Tentaram fazer o mesmo com o julgamento do mensalão. Deu no que deu. A justiça, o ministério público e a polícia não se intimidarão com declarações como essas.

Giordane Dourado disse...

Lembrei do meu artigo "A República do Ego", no qual abordo essa postura antirrepublicana. Lamentável a manifestação do parlamentar ao pretender atribuir ligação partidária ao Poder Judiciário.
Não precisamos de aliança política com ninguém, a Constituição nos confere prerrogativas para resguardar nossa independência. Muitos grupos políticos ainda passarão pelo Executivo e pelo Legislativo, mas nós, magistrados dotados de vitaliciedade, ainda estaremos aqui desempenhando nossa função.

Aldo Nascimento disse...

Quais são as ideias autênticas do senador a respeito de educação pública?

Quais são suas ideias sobre identidade cultural?

Quais são suas ideias sobre cultura?

O que, afinal, o senador pensa de forma original sobre qualidade de ensino?

Como pode representar a parcela de uma população se dela jamais recebeu sequer um voto?

O que vale a palavra de um homem público se esta palavra não foi legitimada pelo voto?

O senador não fala pelo Acre, mas por seus interesses partidários, por seus interesses de poder.

Sebastião "V" disse...

Lembrei do então Governador Jorge Viana, numa daquelas visitas que fazia nas secretarias e que nos entusiasmavam tanto..."...No meu governo, governo da frente popular não vai ter secretário de carrão, secretário fazendeiro e nem secretário corrupto..."
Esses escroques não empolgam mais ninguém.

Thalles Vinícius disse...

O Senador foi realmente muito infeliz em sua fala. Agora devemos ser justos e não podemos esquecer que desde o Governo Lula todos os órgãos de controle ficaram fortalecidos. "Nunca antes na história desse país" foram feitos tantos concursos para o Ministério Público Federal,para o Tribunal de Contas da União,além do quê a Polícia Federal foi aparelhada e é plenamente livre para investigar. A Controladoria-Geral da União também foi criada e exerce um importante trabalho. Quem não lembra do "Engavetador-Geral da República" na "era FHC"? Quem não se lembra da compra de votos (inclusive de deputados do Acre) para a criação da emenda da reeleição no Governo FHC? Se hoje os crimes,seja quem for o autor, são investigados é porque esse mesmo PT,ora criticado, criou condições para tanto.

Joana D'Arc disse...

Lembrete: São os Magistrados os Juízes dos Pleitos Eleitoreais : Eleições!!!
Apenas lembrando que as Eleições Acontecem
Repetidas Vezes a cada 2 Anos!
A MAGISTRATURA É VITALÍCIA e INAMOVÍVEL.
DesembargadoraDenise Bonfim É...
o Senador Sem Votos Está Senador...

Alex Mamed disse...

Thalles Vinícius, você tem certeza que mora no mesmo Brasil que eu moro? Certamente que não.
O que mais me impressiona com a cara de pau de quem argumenta dessa forma é que, até o vício se transforma em virtude: então tá... quer dizer que nunca se roubou tanto, nunca houve tanto escândalo nesse país... foi por causa do Lulla (que "equipou" os órgãos de controle)? JesusMariaJosé... Nunca os Procuradores da República perseguiram tanto um governo quanto aqueles almofadinhas do período FHC. Aliás, por onde eles andam mesmo? Um foi pra Portugal fazer mestrado em 2003... ainda não terminou?
A questão, meu caro, é que não havia tanto roubo quanto desde 2003.
Já que Lulla avoca para si a invenção da roda, do fogo, da quadratura da terra, por que haveria de negar a invenção do roubo institucionalizado? Sarney não era o que era em 1989? Por que se aliou a ele? E o que dizer de Collor, Maluf, Renan e toda a base alugada?
Mania desse povo continuar a enxergar o próprio vício como virtude, e transformar a virtude alheia (não que não tenham vício) em vício.
PT criando condições para investigar crimes. kkkkkkkkkkk
É de lascar mesmo.