sexta-feira, 19 de outubro de 2012

REVOLUÇÃO AVILTADA

Análise muito pertinente da cientista política e professora da Universidade Federal do Acre, Letícia Mamed:

"Não há lugar onde o conceito “revolução” seja mais aviltado como no Acre. Tudo aqui é “revolução”, ao sabor dos ventos, sem concretude.

É “Revolução Acreana”, “Praça da Revolução”, “Evento Político X da Revolução”...

É politicamente correto e, claro, publicitário, dizer que o acreano se “revolucionou” pra ser Brasil e continua a se “revolucionar”.

Um dia, o "aguerrido acreano" fez uma escolha em referendo popular, mas justamente aqui, na terra da revolução, ela não é respeitada.

No emblemático episódio do horário do Acre, tomado e nunca devolvido ao seu povo, como fica o nosso “espírito revolucionário” tão exaltado?"

7 comentários:

Beneditino disse...


Professora Letícia Mamaned,

Revolução significa "grande transformação, mudança sensível de qualquer natureza, seja de modo progressivo, contínuo, seja de maneira repentina".
Revogar a rotação da Terra é uma grande revolução. Quem antes tinha pensado nisso? Ninguém, até os iluminados e poderosos vetarem as leis da natureza.
A revolução não pode ser interrompida por um mero detalhe sórdido: o povo que trabalha, produz e para isso acorda cedo.

Mychael Douglas - "Apostólico Feliz" disse...

Concordo com a senhora cara professora. Usurparam o nosso direito de decisão, pois, que este referendo no qual fomos às urnas para mostrar a nossa voz e decidimos pela volta do horário e, mesmo assim, não foi cumprida. Nossa voz foi reprimida de forma vertiginosa. A nossa vida é composta de detalhes e somatização destes detalhes é que fazem da nossa vida o que ela vem a ser. O povo, aos poucos, está prestando atenção em cada detalhe errôneo que essa turma de perseguidores que aí está poder está praticando. Por isso, no dia 28 de outubro eu irei mostrar a minha voz, elegendo aquele que para mim representa a figura de meus anseios e clamores por justiça e liberdade.

Att,

Mychael Douglas, acadêmico de Psicologia.

Fátima Almeida disse...

Para a História só há revolução quando uma classe desanca outra, daí o exemplo da Francesa ser chamada de Revolução quando a burguesia derrubou a nobreza, do mesmo modo, os sovietes, conselhos populares derrubaram a nobreza na Rússia. Isso porque as mudanças são de ordem estrutural, ou seja, muda toda a estrutura social. (aulinha de História não faz mal a ninguém)
Em segundo: está circulando pela cidade um panfleto sobre cursos na área de petróleo e gás com oferta de salários de 2 a 6 mil reais de de empregos, na ordem de 560 para o Juruá. Ou seja, caladinhos estão dando início à exploração de gás no Juruá.

Beneditino disse...


Professora Fátima,

Revolução não é apenas política. A Revolução Industrial é o melhor exemplo. Quanto ao gás, acho que por enquanto é prospecção e não exploração.

Fátima Almeida disse...

Eu me referi ao contexto sócio- político porque é o contexto que está referenciado pela Letícia.
Os seringalistas botaram os seringueiros para matar ou morrer, expulsaram os bolivianos, não enterraram os mortos, nem fizeram jamais justa homenagem, eu nunca vi nenhum monumento que homenageie os mortos da propalada "revolução" acriana, que não foi mesmo uma revolução: os seringueiros voltaram para suas estradas de seringa a se endividar no barracão. O pessoal do PT contudo, prefere aquela História narrativa de feitos heroicos, enaltecendo Plácido de Castro, Chico Mendes, exatamente porque convém deixar o homem comum com a impressão de que é um ser "menos".

Josepha Rodrigues disse...

Nossa! Quanta hipocrisia. Quando estudei história do Acre, e isso já tem um bom tempo, não era o PT que estava no poder e mesmo naquela época só se falava em Plácido de Castro, Imperador Galvez e Chico Mendes, logo a história narrativa dos feitos heroicos vêm de longe. Quanto a mudança de horário, vamos e convenhamos é um retrocesso, esse é horário é de longe mil vezes melhor que o outro, estamos em andando junto com o resto do país e não em atraso como era antes, e que piorava mais ainda no horário de verão quando ficávamos com três horas de diferença para praticamente o resto do Brasil. Foi uma decisão tomada sem perguntar para a população, foi. Mas foi uma decisão boa, e o referendo foi uma forma que "alguns" políticos utilizaram para colocar na cabeça das pessoas que elas foram ludibriadas, mas na verdade fomos todos beneficiados com o novo horário. As pessoas reclamam que tem que levantar no escuro para ir trabalhar e levar seus filhos para a escola, mas não vêm que na hora que vão para suas casas no final de seu expediente o sol ainda esta lá, e que podem aproveitar o resto da tarde com seus filhos ainda na luz do dia.

Fátima Almeida disse...

A história narrativa de feitos heroicos vem de longe sim, mas sossobrou no século passado. No Acre os governantes a adotaram porque lhes convém.Aliás, usam e abusam.O resultado do referendum não foi respeitado nem pela Presidência da República, o fato não foi sequer noticiado e isso está acima de mim, de você, de nossas crenças e devoções, isso é um fato pavoroso porque é imobilizador em termos de exercício da cidadania,veja que nem a própria OAB fez nada, nem a ABI, nem as ONG's, nem a Marina Silva. O problema não tem nada a ver com saída de casa no escuro e retorno com Sol, aliás, esse foi o motivo que determinou tantos votos pela permanência do atual fuso horário.Não acredito que as pessoas tenham votado assim pela negação dos princípios republicanos.Elas confundiram uma questão de conforto pessoal com uma questão de estado de direito, isso é muito preocupante.