sexta-feira, 4 de março de 2011

ACRE IMPORTA ATÉ FARINHA



A julgar pela propaganda, o governador Tião Viana (PT) já operou vários milagres em dois meses. A estatal Agência de Notícias do Acre anuncia mais um nesta sexta-feira.

Segundo o secretário de Segurança, Ildor Reni Graebner, o choque de gestão determinado pelo governador para os primeiros 120 dias de governo já trouxe resultados para a redução da criminalidade.

- Entre janeiro e fevereiro do ano passado foram registradas 36 mortes violentas contra 15 no mesmo período deste ano. Nos dois primeiros meses deste ano a segurança pública, agindo de maneira integrada, conseguiu a redução dos crimes contra a vida (homicídios) em 58,33% em relação ao mesmo período do ano - comemora o governo.

Embora o Acre seja importador de peixe do Amazonas e Rondônia, no final de janeiro o governador anunciou (leia) que "muito em breve" o pescado consumido no Brasil e na Europa sairá de açudes acreanos. Segundo Viana, "a indústria pesqueira, que começa a se desenvolver e já nasce forte no Estado", vai gerar receita de R$ 1 bilhão em quatro anos.

Outras importantes promessas do governo: industrializar o Acre e pavimentar de tijolos todas as ruas dos municípios acreanos.

Porém, até agora o governo não se manifestou sobre a escassez de farinha de mandioca em Rio Branco. Reportagem da TV Acre revelou que o Estado passou a importar farinha para o cardápio da merenda escolar na capital.

Farinha, arroz e feijão são os principais produtos da mesa do povo acreano. Os três agora são importados. A falta de farinha pode inviabilizar a  nossa farofa diária e afetar o rendimento escolar de alunos e operários de nossa indústria.

Leia mais sobre a escassez de farinha no Acre em A Gazeta.

10 comentários:

Matthew Meyer disse...

Altino, como é que desde o Guiomard (e mesmo antes) se procura a auto-suficiência alimentar no Acre, sem sucesso? Para onde vai o valor criado pelos homens, mulheres e até, infelizmente, as crianças acreanas, se não for o suficiente para providenciar sequer o que comer?

Paulo Henrique disse...

Auto-suficiência? É só pedir ajuda para o Evo...

Jardineiro disse...

Importar farinha, feijão e arroz é o
cumulo do absurdo. Mais isso é bom, porque, prova a falta de compromisso do governoda da floresta para com os produtores rurais. Agora, vem o tal governo da industrialização. Mas,sabe qual é a principal industrialização que ele se refere? A exploração madereira nas reservas extrativista, que só em Xapuri já tem 80 famílias dentro da Resex, mapeadas para explorar madeira.Explorar as recursos naturais é muito fácil.Mas, cadê a politicade desenvolvimento da agricultura familiar? Que depois de 12 anos de governo da Frente Popular siquer conseguiu produsir com sufiencia os produtos básicos de nossa região,(feijão, arroz e farinha)?

Antonio disse...

Machado, a reportagem da Agencia de Noticia do Acre sobre o pescado está dúbia. Hora diz que a receita será de 1 bilhão de reais em quatro anos e hora diz que será em apenas um ano. A diferença é muito grande. Nao produzimos nem comida para o nosso povo comer como vamos alimentar esses peixes que vão gerar essa receita toda? História para Inglês ver. Mais uma. Se governador tivesse continuado com seu programa de casas de farinha daria mais resultado.
Crisei

Estou Sabendo disse...

É um governo de ilusão, eles mostram peixes que não existem e dizem que somos referência em piscicultura. Os jornais param de destacar os crimes e eles dizem que a criminalidade diminuiu pela metade e tudo isso como se não fizesse parte de um mesmo governo, uma mesma coligação, caminhando no quarto mandato consecutivo. Não temos farinha para nossa merenda e nenhuma outra coisa produzida aqui, não se muda a politica agrícola, nem seu secretário que está a doze anos à frente da pasta, vendendo ilusões.

Diógenes disse...

Lembrei de uma música do Arãao Prado na qual não lembro a letra inteira onde ele diz vomitar o açaí.

Erick disse...

No Acre real sem ser aquele virtual da mídia petista, não se encontra mais nem banana da região, agora temos que comprar banana que vem de fora por um preço absurdo.

J. Jair C. de Figueirêdo disse...

É bom ver que esta redução da criminalidade que o governo fala não considera que o carnaval ano passado foi em fevereiro e, neste ano, é em março... querem apostar quanto que março deste terá números maiores que do ano passado...

Estatística maquiada [marca do governo].

João disse...

Cuidado, para produzir comida tem que desmatar. Aqui no xingu o MPF embargou a obra de Belo Monte porque o consórcio Norte energia estava dematando a área sem onstruir a infraestrura prevista pelas condicionantes do IBAMA. Mas para construir postos de saúde tem que desmatar. E agora?

I D A I L D O disse...

PLANEJAMENTO COMPLEXO, ESSA É A VERDADE. DEVERIA SER UM PLANEJAMENTO COMPLETO. ATUALMENTE EM NOSSO ESTADO, O TRI-LEMA DO PRODUTOR CONTINUA: ONDE PLANTAR, O QUE E COMO PLANTAR E ONDE VENDER.
ALGUNS PRODUTORES ESTÃO LOGRANDO ÊXITO (EM APENAS UM DOS PROBLEMAS), POIS QUANDO SÃO FELICITADOS COM UMA PROPRIEDADE, NÃO CONSEGUE CONDIÇÕES. E QUANDO CONSEGUE CONDIÇÕES DE PLANTAR, NÃO CONSEGUE ESCOAR. MAS SE ESSE PRODUTOR CONSEGUIR ESCOAR, TERÁ QUE COMPRAR UMA CASA NA CIDADE PARA PODER VENDER, SENDO QUE ESTA ULTIMA AFIRMATIVA NÃO É CERTA.

BOM, AGORA, TÁ TUDO MAIS HUMANO.