segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

ACRE APÓIA REFUGIADOS DO HAITI


O governo do Acre anunciou que o Estado está se tornando rota para a entrada de haitianos no Brasil. As autoridades estaduais estimam a presença de pelo menos 180 refugiados no município de Brasiléia, que é separado pelo rio Acre de Cobija, a capital do departamento de Pando, na Bolívia.

O primeiro grupo de haitianos chegou a Brasiléia no dia 2 de dezembro do ano passado. A situação preocupa o governador Tião Viana (PT), que pediu ao secretário de Justiça e Direitos Humanos, Henrique Corinto, para averiguar as condições dos refugiados no fim de semana.

Os imigrantes partem em navios de Porto Príncipe, capital do Haiti, atravessam o Mar do Caribe e desembarcam no Panamá, de onde seguem para o Equador e depois para o Peru. De ônibus, táxis e até mesmo a pé, partem dos portos de Lima e seguem pela Rodovia Interoceânica rumo ao Brasil.

Leia mais no Blog da Amazônia.

30 comentários:

Acreucho disse...

O Brasil já tem seus próprios problemas, não precisamos "mais" problemas por aqui. Esses "refugiados" ou irão tirar dos acreanos os poucos empregos que nos restam, serão "mais" alguns vivendo de alguma "marretagem" ou irão incrementar o tráfico de drogas. O governo deveria fechar imediatamente as fronteiras para esse tipo de coisa. Já temos bastante problemas por aqui com peruanos, bolivianos e outros.

Slackware disse...

A histeria no nosso amigo ae do post anterior é meramente mais um ataque de xenofobia.

A linha isso, o neonazismo e assemelhados é bem tênue.

Os argumentos falhos são sempre os mesmos. O primeiro, de praxe, "...irão tirar os empregos..."

O cara se declara incompetente e ainda assina o atestado.

Jalul disse...

Iniciativa louvável. A terra não deveria ter fronteiras. Nesses casos, não!

Janu Schwab disse...

Putz!

Não sou um entusiasta do politicamente correto, acho que pensamentos divergentes são positivos para a construção de ideias consistentes, mas esse comentário aí já é demais.

Então a regra é essa, uma mistura redundante de bairrismo com xenofobismo?

A máxima do bairrismo acreano em questionar a competência ou até mesmo o caráter dos "forasteiros" é símbolo de um auto-desmerecimento latente.

Já ouvi coisas do tipo: "Se fulano é tão bom profissional, o que está fazendo no Acre?" ou "Isso, em se tratando de Acre, tá bom demais!" como se as terras acreanas fossem dignas apenas de párias e incompetentes e/ou serviços tão ruins quanto.

Portanto sei que esse xenofobismo não é tão novidade quanto o fato de termos imigrantes ilegais, vindos de situação de extrema calamidade - como é o caso dos haitianos.

E ele é fruto de um recalque profundo, vindo de não sei do quê e indo para não sei onde. Afinal, o acreano legítimo, pra mim, só os índios. O resto é fruto justo de migrantes e imigrantes que para cá vieram em busca de oportunidades.

O governo deveria fechar imediatamente as fronteiras para tipos de coisas como tráfico de drogas e de pessoas sim, mas também fechar para brasileiros que costumam ir até a zofra de Cobija, comprar coisas sem pagar o imposto devido.

Mas jamais fechar as portas para questões humanitárias e afins. Ou, no caso em questão, os haitianos e o Haiti só servem para o governo brasileiro exercitar a sua "humanidade" para ganhar uma cadeira no Conselho de Segurança da ONU?

Luiz disse...

Estranho o Ministério das Relações Exteriores ficar de fora do caso?
Os Haitianos devem ser bem recebidos, mas o governo brasileiro deve, ao menos, saber quem eles são.
Luiz Calixto

Acreucho disse...

Bem, parece que sou o único com opinião diferente. Meus interlocutores são pessoas que não precisam pensar na sua estabilidade pessoal ou de suas famílias. O engraçado disso tudo é que para os brasileiros "trabalho" é difícil, mas, para os estrangeiros que vêm pra cá, vítimas de catástrofes, refugiados ou simplesmente pra se esconder dos governos de seus países, as coisas são facilitadas. Logo lhes arrumam uma colocação. Aos "empregados" comentaristas acima esclareço que não sou xenófobo, não tenho preconceito quanto a raça, credo ou opção sexual de ninguém, tenho apenas consciência dos problemas que temos em nosso país. Ser humanitário com meu próximo não é deixar de pagar as minhas contas pra dar meu dinheiro a outro para que pague as suas. Mas, pra quem tem de onde tirar, não precisa se preocupar com nada, alguns estrangeiros à mais não farão diferença. Devemos pelo menos averiguar se estas pessoas não são outros "Battisti" da vida.

Fátima Almeida disse...

A transoceanica foi construida também para esse tipo de coisa.Ou pensavam que era só para exportação de soja para Coréia do Sul? Pelo menos parecem gente boa que chegam de cara limpa. Pior são aqueles que ninguem sabe quem são nem a que vieram.

Marcel Marques disse...

Lembro-me do filme Diários de Motocicleta, principalmente da despedida de Che e Granado do leprosário peruano, quando Che discursa o seguinte:

"...a divisão da América em nacionalidades incertas e ilusórias, é totalmente fictícia.

Constituímos uma única raça mestiça, do México até o Estreito de Magalhães. E assim despindo-me de qualquer provincianismo, brindo por Perú e pela América unida."

Fora isso, basta assinar embaixo do comentário do Janu, e repudiar os comentários xenófobos e de embasamento duvidoso do Acreúcho.

Vingador disse...

Bem,
Acreucho deixe de preconceito besta e ajude.
ô "homi" preconceituoso.

Jalul disse...

Para ser seguidora do Acreucho é preciso primeiro perguntar o que ele está fazendo no Acre. Tomando o emprego dos acreanos?
Nas cabeças dos gaúchos, paranaenses e catarinenses já pintaram ideias separatistas, quando, no meu entender, sem eles, o Brasil ficaria sem pernas.
Já se pensou num Acre independente. Felizmente os idealistas dessa fantasia de jerico fracassaram. Sem o Acre o Brasil ficaria aleijadão: perderia os seios tão bem visualizados no mapa.
É preciso saber viver, caro amigo. Afinal você é metade gaucho, metade acreano. Uma boa fusão, diga-se.

Defendo um mundo sem fronteiras, ainda correndo o risco de termos um Batistti no nosso meio. O governo saberá lidar quando da triagem para efeitos de legalização de permanência. Acalme-se. O Haiti é aqui. O Acre tem quilômetros quadrados demais para abrigar peruanos, bolivianos,canadenses, sergipanos, cearenses e gauchos. Se avexe não! Deixe que o governo e o governador saberão agir, com bom senso e baseados nas leis, convenções e acordos internacionais.

RodB disse...

Não vejo problema nos refugiados virem ao Acre, somos um estado rico, com muitas oportunidades para todos. Espero que venham mais 10, 20 ou 30 mil. Ademais, eles podem se hospedar nas casas dos comentaristas não-xenófobos, que com certeza os receberão de braços abertos.

Janu Schwab disse...

Sendo boa gente de caráter, lá em casa têm guarida garantida. Já fui forasteiro em terras alheias e sei o que é se sentir o desprezo desse tipo de pensamento, embora tenha sido bem tratado em grande parte dos lugares.

Aliás, não é preciso ir além-mar, nem sair de terras tupiniquins para vivenciar situações parecidas. O brasileiro em si é muito bem servido desse tipo de coisa. Ou os acreanos aqui nunca tentaram a vida no "sul maravilha" e ouviram piadas e maus tratos desmerecedores? Recomendo. Fortalece o caráter.

Janu Schwab disse...

Os norte-americanos também se incomodam com os "chicanos". E voluntários mil fazem patrulha nas fronteiras com o México para expulsar.

Mas esquecem que os trabalhadores estrangeiros movimentam bilhões na economia americana. E isso contabilizado apenas a mão de obra barata legalizada.

O acreano parece ter medo de perder o seu quinhão. Porque será?

RodB disse...

Janu Schwab o senhor pode me fornecer um telefone para contato?? Tenho um conhecido envolvido na ajuda aos haitianos e contei a ele da sua disposição em ajudar! ele ficou feliz com a solidariedade e disse que muitos estão procurando um lugar para ficar na capital enquanto buscam um emprego. Quem sabe o senhor não possa dar este exemplo pra fazer jus as suas palavras e até participar da campanha para abrigar essas pessoas?! No aguardo do seu retorno!

Acreucho disse...

Valeu RodB, voce matou a pau, vamos hospedar esse pessoal na casa dessas pessoas "tão bem intencionadas". Jalul, eu não tomei emprego de ninguém, tenho meu próprio negócio e não vivo dependente de nenhum político, cabide de emprego ou coisa que o valha. Olha que o maior herói acreano é um gaúcho! Os "não-xenófobos" coloquem aí seus telefones pra contato dos estrangeiros que entram no Brasil!

Mariah disse...

Pois quem está incomodado, que mude o voto nas próximas eleições!
Se eles tomarem o emprego de alguém, azar de quem perdeu que não é qualificado ou não trabalhou o suficiente para demonstrar o seu valor no emprego que está!
O Brasil tem problemas, MAS GRAÇAS A DEUS, somos um povo solidário! Que ignoramos palavras de pessoinhas que não se ligam que as tragédias podem ocorrer na vida de qualquer um! Inclusive na dele!
Exemplo disso é a região rica e serrana do Rio...

O povo tem que aprender a cuidar da própria vida, e se não quer ajudar, paciência, só não venha pedir ajuda depois...

RodB disse...

OBS: Apenas quero salientar que meu segundo comentário foi sério e verdadeiramente vislumbro uma oportunidade de fazer o bem à alguns destes haitianos aproveitando a boa vontade de pessoas como o Janu Schwab, que se prontificou neste espaço a ajudá-los oferecendo hospedagem em sua residência e aparenta ser um homem de caráter e de palavra. Espero sua resposta com um número para contato prezado Janu Schwab!! Outros interessados manifestem-se por favor!!

Fátima Almeida disse...

certos comentários trazem o cheiro inconfundível da klus klus kan. felizmente seus autores não decidem nada, não mandam em nada, podem até morrer rangendo os dentes que não farão falta.

Marcel Marques disse...

A babaquice humana realmente não tem limites.

Janu Schwab disse...

Pode deixar, RodB, que, em relação ao tema, minha parte, sem a necessidade de sua proposta irônica, já foi feita. Não faço parte da intelligentsia - seja de esquerda ou de direita - que vomita verbo e pouco faz. Forte abraço.

bebetu disse...

Janu Schwab suas opiniões encontramos nas privadas de banheiros de rodoviárias etc....

Rosangela Barros disse...

A Cáritas brasileira, em campnha de Solidariedade pela Vida no "SOS Haiti", recebeu 8 milhões em arrecadaçãoes de solidariedade...

Penso que o momento seja oportuno para saber se a Cáritas no Acre está atenta aos problemas desses refugiados, pois a Cáritas (enquanto organismo da Igreja Católica) trabalha em parceria com o ACNU (Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados) e as Nações Unidas atribui ao ACNUR "o mandato de conduzir e coordenar ações internacionais para proteção dos refugiados e a busca por soluções duradouras para seus problemas.... Onde a principal missão do ACNUR é assegurar os direitos e o bem-estar dos refugiados, com esforços para cumprir seu objetivo, o ACNUR empenha-se em garantir que qualquer pessoa possa exercer o direito de buscar e gozar de refúgio seguro em outro país"... Pronto, é isto!...

Agora, só nos resta saber se esses organismos estão exercendo suas funções, como também podemos cobrar as devidas responsabilidades que eles devem assumir com estes refugiados haitianos, pois não?... Digo isto porque acompanhei - através da Cárita de Rio Branco - o início dos trâmites de acolhimento dum grupo de 20 refugiados colombianos: é um processo muito complexo - tanto para quem chega, como para quem acolhe!...

SOS Haiti no Acre!...

RodB disse...

É!! Parece que alguém deu pra trás e desmentiu o convite que o próprio fez!!
Agora veja que falar aqui é fácil e dizer que faz sem fazer igualmente. Apenas insisto que adoraria ver um haitiano na casa do senhor Janu Schwab e dos outros não-xenófobos de plantão que são tão solidários comentando e na hora de convocados a arregaçar as mangas fogem da raia! E Uma beleza abraçar a causa sem nem morar no Acre assim é mole!!

Janu Schwab disse...

É parece que o colega conseguiu mudar o foco da conversa - inclusive com o reforço de mais um típico anônimo para incrementar o início ao nosso conhecido achaque.

No nosso Acre divergir é proibido. A rápida e constante queda de qualidade dos argumentos parece ser inerente a liberdade de opinar me parece censura moral. E tudo descamba para o pessoal.

Recalque? Ranço? Vai entender. Não é a toa que as coisas estão como estão. Se isso virou uma disputa e oportunidade para mascarados anônimos de plantão, passo.

Penélope disse...

Que sejam muito bem-vindos

nataliemessias disse...

Não entendi tanta polêmica, o Acre é uma terra maravilhosa, de pessoas maravilhosas, que fazem o bem, esses e tantos outros que precisarem encontrarão apoio nesse Estado!!
Sei disso pq sou acreana do pé rachado! rsrsrs

Rosangela Barros disse...

Mas o problema, acreana do pé rachado, é outro: mais grave do que possa parecer!… Um pequeno detalhe: até compreendo as preocupações do Acreucho, sem querer defendê-lo (ele exagerou)!... O governo acreano não estão dando conta nem dos problemas internos… Como vão então prestar ajuda humanitária aos além-mar?... Ouvi nos noticiários que a Casa do Índio está em Guerra: os lideranças revoltados pelos excessos de negligências: cobram seus direitos que nunca foram atendidos… Outro exemplo são as famílias jaminawa que vivem mendigando roupas e alimento na cidade: toda semana divido meu almoço e recolho roupas para umas mães que cá vêm em busca de Socorro com seus filhos... Sugiro aos humanistas deste fórum que prestem solidariedade também a estas famílias!....

SOS Famílias Indígena do Acre

beth5050 disse...

parabens pelo Acre,Brasil,seja coreanao, seja japa, seja haitiano, boliviano, não importa. O q importa e q não seja assassino com dolor...

Nandinha disse...

Acreucho, só poderia ser de uma gaucho esses comentários rasistas e preconceituosos, vcs se colocam acima do bem e do mal. meu querido preconceituoso gaucho, eu espero que o brasil possa fazer tudo que estiver ao seu alcance para ajudar esses seres humanos em total situação de desemparo, e não queira comparar a situação dos refugiados haitianos com os nossos probles que reconhço ser grande, mas bem longe da situaçào deles (hatianos) a palavra refugiados já diz tudo.vê se se toca o manézão

ISAAC RONALTTI disse...

Já dizia o Zé Leite: "O mundo é uma Monarquia da besteira e no Acre tem o seu reinado"....rsrsrsrs