terça-feira, 21 de junho de 2005

ABSURDO

Ser direito dá cadeia
ELIO GASPARI

Aconteceu entre Brasília e Cuiabá um episódio que deve levar os procuradores do Ministério Público e a imprensa a refletirem sobre seus papéis na defesa da lei e dos direitos dos cidadãos.

Deu-se o seguinte:

No dia 2 de junho os esforços do procurador Mário Lúcio Avelar e da Polícia Federal resultaram no desencadeamento da Operação Curupira, destinada a capturar larápios que se haviam associado a quadrilhas de desmatadores de terras indígenas. Em poucos dias encarceraram-se 93 pessoas. O maior peixe da rede, preso a pedido do procurador, chamou-se Antônio Carlos Hummel, diretor de Florestas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente, o Ibama. Depois de ser tratado como foragido, Hummel se apresentou à Policia Federal, em Brasília. Viajou algemado para Cuiabá. Aos 50 anos, esse engenheiro florestal com 23 de anos de serviço público, dois filhos, um apartamento de três quartos e dois carros Gol, foi transformado no seguinte:

Segundo o procurador, “ele autorizou operações ilegais que levaram à comercialização de dez milhões de metros cúbicos de madeira”. (Feitas as contas, noticiou-se que a quadrilha desmatou área equivalente a 52 mil campos de futebol, tirando madeira suficiente para encher 66 mil caminhões, ao valor de quase R$ 900 milhões.) Faz bem à saúde pública que o Ministério Público corra atrás da ladroeira florestal, mas havia uma questão pendente na cadeia de Cuiabá: e o que é que Hummel teve a ver com isto? A essa altura, guardado numa cela, o engenheiro chorava.

O presidente do Ibama defendeu-o e a ministra Marina Silva lembrou que não recebera o inquérito que o incriminava. “Se ela quiser eu envio para ela. Já mandei uma cópia para a PF, é só ela pedir que vai entender tudo”, respondeu o doutor Avelar.

No dia 7, depois de passar quatro noites na cadeia, o engenheiro soube, pelo procurador, que seria solto. Só então iriam ouvi-lo. Com a palavra o delegado federal Tardelli Boaventura, responsável pelas investigações da Curupira: “O procurador acompanhou o interrogatório. A Polícia Federal não tinha nada contra ele. No final, o procurador concluiu que não deveria sequer ter indiciado ele.”

Vai-se à internet e cadê a notícia de que Hummel foi desonerado e solto? Foi publicada aqui e ali, magra como um faquir. Jogou-se fora o trigo e mascou-se o joio. Um diretor de órgão público avançando no patrimônio da Viúva não chega a ser novidade. Sensacional é o servidor honesto ir para a cadeia e vir a saber, antes de ser ouvido, que será solto sem mais nem menos. Isso é que é notícia, como diz Hummel: “Ser direito dá cadeia.”

O sujeito trabalha a vida toda naquilo que gosta, servindo ao Estado na defesa do meio ambiente. Constrói uma reputação internacional e, de uma hora para outra, está em cana, com a vida triturada. Desde a prisão de Edmond Dantés sabe-se que coisas desse tipo podem acontecer, até por acidente. Hummel não pretende ser um Conde de Monte Cristo, mas vai à Justiça para entender o que lhe aconteceu.

O engenheiro estava na cadeia enquanto a ECT do ministro Eunício Oliveira contratava como consultores diretores que demitira. Henrique Meirelles e Romero Jucá continuavam no Banco Central e no Ministério da Previdência. Ambos respondem a inquéritos no Supremo Tribunal Federal. Lula, que não sabia do men$alão, prefere mantê-los nos cargos. Já o pobre (pobre mesmo) Hummel foi preventivamente afastado da diretoria de Florestas do Ibama.

Fonte: O Globo

2 comentários:

Alceu Ranzi disse...

Caro Altino: Daria para conferir se o pessoal está acessando o Blog?
Seria a friagem que teria afastado os leitores ou apenas deixaram de opinar aqui na planície... assustados com o que ocorre no planalto?
Daria para elocubrar a respeito do tema?

ana catia messeri costa disse...

eu acho uma covardia da ação da policia federal. agir dessa forma por na cadeia sem ser condenado so por indicios.
pois brasilia esta cheio de ladrões e nenhum foi para cadeia, principalmente o presidente que dioz não saber de nada.
estou passando por problemas desse tipo meu marido esta preso simplesmente por indicios que não quer dizer nada, ele é uma pessoa muito popular se da com muitas gentes, e vivemos num pais que fiscal não pode almoçar com empresarios e nem falar isso é um absurdo.
nada tenho a não ser uma casa em inventario, carro que pago prestaçoes, conta no banco no vermelho e tenho que passar eu e meus filhos por esse contrangimento, as crianças pergunta todos os dias pelo pai. isso tudo só tem função politica.
não votei no lula e jamais votaria numa pessoa que briga contra a corupção e é um corupto, igual a todos que estava em volta dele.
fica com DEUS!