terça-feira, 28 de agosto de 2018

Médico do Acre é destaque internacional por relacionar declínio da função pulmonar e o risco de doenças cardiovasculares

Artigo "Declining lung function and cardiovascular risk" foi publicado no Journal of the American College of Cardiology 

Odilson Silvestre passou a infância e a adolescência na zona rural, no trecho da BR-317 entre os municípios de Brasileia e Assis Brasil, no Estado do Acre
O artigo de um médico do Acre ganhou espaço no Journal of the American College of Cardiology, o mais importante da cardiologia na atualidade, por conter uma informação nova para a literatura mundial: a queda rápida da função dos pulmões está associada ao aumento do risco das doenças cardiovasculares, em especial insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral.

Assinado pelo cardiologista Odilson Silvestre, o artigo "Declining lung function and cardiovascular risk" (O declínio da função pulmonar e o risco das doenças cardiovasculares), publicado nesta segunda-feira (27), assinala que começamos a perder a função de alguns órgãos a partir dos 25 anos de idade.

O processo é natural, lento e acontece com os pulmões, mas quando esse processo de "envelhecimento" dos pulmões é acelerado, há risco elevado de doença pulmonar obstrutiva crônica já na vida adulta.

Pulmões e coração estão anatômica e funcionalmente conectados. O papel de um interfere na função do outro. A novidade do estudo é constatar que o processo de perda da função (envelhecimento) dos pulmões impacta na saúde do coração, sendo que isso vale tanto para quem fuma quanto para quem nunca fumou.

― Provavelmente coração e pulmões compartilham o processo de envelhecimento. Logo, quando se detecta envelhecimento acelerado nos pulmões, há o mesmo processo no coração também. Ambos órgãos perderão função precocemente e manifestarão doença, como a insuficiência cardíaca. Quando um órgão está doente, a inflamação que ali é gerada repercute no outro e causa adoecimento também. Os pulmões serviriam como órgãos-sentinela: a alteração nos pulmões seria já manifestação de insuficiência cardíaca que ainda não tinha sido detectada ― explica Odilson Silvestre.

Doutor em Cardiologia pela USP, mestre em Saúde Pública e pós-doutor em Doenças Cardiovasculares pela Harvard School of Public Health e professor da Universidade Federal do Acre, Silvestre disse que a contribuição prática de seu estudo se destina especialmente aos médicos internistas, clínicos, cardiologistas e pneumologistas.

― Muitos sujeitos são acompanhadas com exames de função pulmonar (espirometria) de forma periódica. Quando se percebe a deterioração da função pulmonar, deve-se atentar para a presença ou risco alto de desenvolver doenças cardiovasculares –– acrescenta o cardiologista.

O artigo é parte da formação científica que fez na Universidade Harvard. O estudo foi o lado prático do mestrado em saúde pública pela Escola de Saúde Pública da Harvard.

― Trabalhei com meu orientador, Amil Shah, cerca de três anos nesse estudo. Quando vim para o Acre, em agosto de 2016, já tinha um ano de trabalho e, depois que vim para o Acre, continuamos à distância. E foram muitas noites e fins de semana. Foram várias ligações e 200 e-mails trocados.

Odilson Silvestre contou com a colaboração de Wilson Nadruz Jr., Gabriela Querejeta Roca, Brian Claggett, Scott D. Solomon, Maria C. Mirabelli, Stephanie J. London, Laura R. Loehr e a orientação de Amil M. Shah.

O Journal of the American College of Cardiology tem fator de impacto = 17 –– reflete o número médio de citações dos artigos publicados, ou seja, cada artigo  publicado no jornal foi citado em média  em 17 outras publicações.

O jornal aceita apenas 10% das pesquisas que são submetidas. Segundo a política do jornal, o artigo aceito tem três características: novidade, verdade e relevância para a prática clínica.

Clique aqui para ler o artigo "Declining lung function and cardiovascular risk" (O declínio da função pulmonar e o risco das doenças cardiovasculares).

Nenhum comentário: