sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Novo superintendente da PF quer “basta” contra crime organizado e corrupção

Foto: Odair Leal/APN

O delegado Araquém Alencar Tavares de Lima, 36 anos, assumiu nesta sexta-feira o cargo de superintendente regional da Polícia Federal no Acre com a promessa de combater o crime organizado e a corrupção.

Durante  solenidade que contou com a presença do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, do diretor-geral da PF, Leandro Daiello Coimbra, além do governador Tião Viana (PT), Araquém Lima defendeu a necessidade de se relevar problemas pessoais em busca de uma sociedade melhor.

- O crime organizado e a corrupção são, a meu ver,  os maiores e mais maléficos atores de violação dos direitos humanos no mundo ocidental. É nesse contexto que a gente, da Polícia Federal, tem que bater o pé e dizer: basta. Sei que é difícil. Às vezes não nos entendemos dentro nem fora de casa, mas ao pensarmos em cidadãos vivendo em extrema injustiça, em extrema pobreza, a gente deve relevar os nossos problemas pessoais e buscar a união interna e externa por uma sociedade melhor - afirmou.

Araquém Lima substitui o delegado Marcelo Sávio Rezende, cuja atuação foi bastante elogiada pelo diretor-geral da PF e pelo novo superintendente. Rezende assumirá a superintendência da PF no Amazonas.

O novo superintendente da PF no Acre é formado em direito pela Universidade Católica de Pernambuco. Ele iniciou a carreira profissional trabalhando no Tribunal de Justiça de Pernambuco. Ingressou na Polícia Federal, em 2002, no cargo de delegado, na superintendência em Rondônia. Em 2012, tomou posse como superintendente da PF no Amapá, cargo que exerceu até a presente data.

2 comentários:

SAUL BENJAMIM disse...

Delegado egresso do Estado de Rondônia, local onde reina a corrupção, a propina e a desorganização administrativa. Sei não, viu!

Carlos Floresta disse...

Pelo 5 grandes operações da Polícia Federal no Estado de Rondônia, só em 2013, mandando pra cadeia (ainda que temporariamente) de peixes graúdos a miúdos...
Sei não, viu!
Pessoal no Acre chegado no "mau costume" que se cuide!