sábado, 2 de junho de 2012

PNEU FURADO

Ainda bem que não ando armado



Por volta de 9h40 da manhã deste sábado, estacionei no acostamento, após o cone de sinalização, na altura da lixeira de uma loja, na Av. Nações Unidas, para ir ao Mercado do Bosque.

Três funcionários (duas mulheres e um homem) tentaram me convencer a retirar o carro do local com a alegação de que é estacionamento do estabelecimento comercial.

Recusei retirar o carro com o argumento de que se trata de espaço da via pública, onde não existe proibição para estacionar.


Como os funcionários ficaram exaltados, recomendei que chamassem a guarda de trânsito.
 

Ao retornar, tentei manobrar, mas o carro parecia um cavalo indomável.

Parei para conferir e localizei um pedaço de madeira com prego fincado no pneu traseiro direito.


Constatei também que algo (roda ou pneu de moto?) foi usado para causar arranhões na roda do mesmo pneu do carro.


Recorrer a quem numa cidade onde sequer o Código de Postura é respeitado?

13 comentários:

eliomar m. disse...

À por falar de estacionamento aqui na cidade estava na hora dos orgãos responsáveis por regulamentar os estacionamentos público, procura resolver à questão dos cones que se colocam nos espaços para que ninguém estacione enfrente de suas lojas. Até porque estas lojas não posuem estacionamento próprio, e terceriazam as ruas enfrente como se foce suas própriedades particulares.

@MarcelFla disse...

Que palhaçada! E que empresa escrota que contrata trombadinhas, ou tem um dono assim.

Altemar disse...

Entao o shopping do Adem é a alternativa?

Gustavo Cardial disse...

Infelizmente boa parte das empresas aqui do Bosque realmente contrata trombadinhas desse naipe

Enzo Mercurio disse...

Não sei se entendi direito , mais acho que este senhor que estacionou está totalmente errado.
Primeiro disse que ainda bem que não anda armado.(um perigo se andasse)
Segundo ele disse que estacionou em uma lugar publico.
Para mim ele estacionou na calçada onde é publico.
A calçada não é lugar de estacionamento.
Esta errado o que o comerciante fez isso admito.
Agora esta na hora do poder publico fazer o zoneamento de estacionamento na cidade de Rio Branco.

ALTINO MACHADO disse...

Enzo, o carro que estacionei é meu. Não tenho culpa se você não consegue ler o que está descrito. Realmente está escrito que "ainda bem que não anda armado". Andar armado é um perigo mesmo para qualquer pessoa, incluindo você. Eu não estacionei em local público. Estacionei (está escrito) no acostamento, após o cone de sinalização. Não entendo a sua intenção em tentar distorcer.

Enzo Mercurio disse...

Esta escrito " ainda bem que não ANDO armado" .
Sobre acostamento nao vi o mesmo na foto o que vejo é uma calçada com guia rebaixada.
Não estou aqui para defender ninguem apenas expressar minha opnião .Caso não aceite não posso fazer nada.

Carlos disse...

Tá tudo uma "bomba", o trânsito não tem fluxo, não tem lugar para estacionar, não existem calçadas para pedestres as poucas existentes estão cheias de carros....e os radares estão voltando, e as multas estão aumentando. Cadê os direitos dos cidadãos? cadê os nossos impostos devolvidos em investimentos públicos???

Roberto Feres disse...

Cada cidade tem suas próprias regras para o uso das vias e espaços públicos.
Aqui em Rio Branco, quando a prefeitura aprova uma nova construção, só é permitido que se use 1/3 da frente com a guia rebaixada (ou 3m se a frente for menor que 9m). O resto é para o estacionamento público.
Isso vale uma matéria com a RBTrans que é a responsável pela aprovação dos projetos de trânsito e pela gestão dos sistemas de circulação e transporte da cidade.

Diego Gurgel disse...

Aqui tem muito disso! Quase todo dia, discuto com um senhor (que deve não ter culpa de nada, e apenas segue ordens), que cuida do estacionamento ao lado a ótica Santana, ao lado da Rosas Farma, que o cone de sinalização colocado para identificar a entrada do referido estabelecimento, toma a vaga de dois carros, por não estar colocado corretamente! Uma hora alguém faz bobeira!

Igor Diore disse...

Não entendo nada de trânsito.
Por isso, quando li só me chamou atenção os atos não civilizados contra o veículo.
Enzo tem razão. Não está defendendo ninguém, apenas expressando uma opinião. [Talvez, por isso tenha omitido completamente o ato de vandalismo]
Nesse sentido, emitindo apenas opinião, ajuda-nos, expressa-se sobre os atos de "não civilizados" no pneu e calota.
grato,
por JOSÉ PORFIRO
jporfiro@yahoo.com.br

I D A I L D O disse...

Prezado Altino, tudo indica que és um homem de sorte, afinal, não foi abordado por guardadores de carro que atuam naquela região. Sem querer generalizar, mas, generalizando, acredito que se assim fosse, nao teria apenas o pneu furado. Lembrei-me do embrolho criado pelo carioca em Cruzeiro do Sul ao comentar que tal cidade parecia não ter Lei. Tudo indica que em relação a estacionamentos, aqui vale tudo. Minhas saudações.

ELSOUZA disse...

Caro Altino! Pelo exposto, podemos concluir que o autor ou autores dos danos causados ao seu veículo não incidiram em qualquer crime, tendo em vista que os danos foram consumados sem que houvesse violência à pessoa. Todavia, esse tipo de dano material é passivo de ressarcimento através de ação própria junto ao Juizado Especial Cível (foro competente para as chamadas ações de VIA RÁPIDA ou SUMARÍSSIMAS), eis que o valor dos danos não excede a quarenta (40) salários mínimos. Se fosse vc não perderia tempo, pois o seu advogado será o próprio representante do Órgão Ministerial, bastando apenas vc se dirigir ao 1º Juizado Especial Cível que fica no Bairro do Bosque. Pelo óbvio, o autor ou autores agiram a mando do proprietário da loja comercial denominada “Minas Cartões”. Vou torcer para que em outras circunstâncias iguais vc esteja sempre desarmado. DEUS TE ABENÇOE.