quinta-feira, 15 de setembro de 2011

FARMÁCIA PAGUE MENOS

"Caro Altino

sou carioca, 43 anos, e moro em Rio Branco há quase 3 anos, desde que passei no concurso para professor da Universidade Federal do Acre.

Todos sabem que existe em Rio Branco uma única farmácia cadastrada no Programa "Aqui Tem Farmácia Popular", do Ministério da Saúde, a farmácia da rede Pague Menos da Av. Brasil, no centro da cidade.

Estive lá nesta quarta-feira (14) com minha receita para pegar de graça os remédios para diabetes e hipertensão, de meu uso contínuo.

O "encarregado", Sr. Elaisson, disse-me que nenhum dos remédios estava disponível no programa, mas que teria todos para venda.

Recusei-me a comprar e disse ao referido senhor que iria denunciá-lo ao programa, visto que a farmácia contraria o Artigo 44, inciso IX (deixar de expor as peças publicitárias que identifiquem o credenciamento ao programa).

Chegando em casa, antes de denunciar, telefonei para a loja dizendo que estava confirmando uma denúncia da falta dos medicamentos, para publicação em um Blog. Para minha surpresa, os medicamentos que não existiam uma hora e meia antes já estavam todos disponíveis.

Verificando na internet, em sites de reclamações de consumidores, constatei que o expediente é comum em lojas da rede em todo o país. Aqui em Rio Branco o problema é mais sério, porque não temos outras opções.

O truque da rede, pelo jeito, é o seguinte: os beneficiários do programa são geralmente idosos, e mesmo com dificuldades de locomoção, têm que ir à farmácia, pois os medicamentos não são entregues a terceiros. Depois que estão na farmácia, é muito difícil que saiam de mãos vazias.

Um abraço

Flavio Lofego Encarnação"

20 comentários:

Senildo Melo disse...

Isso só acontece porque o Brasil, infelizmente, é paraíso da corrupção e da impunidade.

Janu Schwab disse...

Isso é o que chamamos (desculpa pela expressão) de uma bela filhadaputice.

Desse jeito, terei que concordar com meu colega sociólogo que, entre goles de cerveja, diz: a corrupção é inerente a todos nós, brasileirinhos.

Eduardo disse...

Sobre este e outros posts do blog, vem bem a calhar o trecho de um poema atribuído erroneamente ao poeta russo Vladimir Maiakóvski (1893-1930), mas que na verdade foi escrito poeta fluminense Eduardo Alves da Costa:
...
Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.
Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na Segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.
...

Isto serve para o país inteiro.
Calem-se! Shut up! اخرس! Cállate! Taisez-vous!
E tenho dito... amplexos delgados caro Altino.

eliomar m. disse...

Meu caro Altino. Isso que o senhor Flavio Lofego, está dizendo é pura verdade pois essa farmácia age dessa maneira com os beneficiários do progama farmácia popular. E essa prática já aconteceu comigo neste mesmo estabelecimento, e alguma coisa precisa ser feito para que haja punição com o dono dessa farmácia.

TMotta disse...

filhos da puta!

Roberto Feres disse...

taí uma coisa bem de brasileiro... quando quer ofender o filho, xinga a mãe...

Gabriel JMC disse...

Os senhores não entenderam, eu trabalho na Pague Menos, o sistema ficou o dia inteiro fora do ar, problemas com a internet e a conexão com os servidores que fazem a liberação dos medicamentos. Nós só vendemos o mendicamentos com o desconto especial em caso de liberação.

O Sr. Elaisson é apenas um atendente, e como você, também depende dos outros para realizar o trabalho dele.

Não existe "truque", ninguém passa a faca no seu pescoço e ordena a compra, o problema é que ocasionalidade acontecem e pelo visto, se deixamos de atender uma série de clientes, nos tornamos mercenários.


Me diga agora, quantas vezes o senhor, Sr Lofego, não foi lá e retirou o seu medicamento com o devido desconto?


Gabriel Camarão - Menor-Aprendiz na Loja PagueMenos Centro - 314

Gabriel JMC disse...

Aliás, senhor, à quantos dias mesmo o senhor constatou esse problema?

Hoje não é?

Essa semana, mês e ano, quantos outros dias deu problema? O Senhor tem acesso a esses dados?

Pois então. Amanhã o sistema possivelmente já está restaurado.



Gabriel Camarão

joao disse...

Que situação do professor universitário no Brasil, né Feres? Ter que depender (mendigar) de medicação "grátis" do poder público e ser humilhado... "E o salário Ó!"

Marcel Marques disse...

Que babaca este Gabriel. Por curiosidade este sobrenome teria algo haver com outro de mesma índole que é Sgt da PMAC?

Fora isso, são 'sistemas' assim como o destes mafiosos (pequenos da farmácia e grandes do governo), que destroem esta nação.

E tratando-se de saúde e remédios, por culpa em 'sistema' não é desculpa, é vergonha e embaraço, cala-te Camarão.

Marcos Paulo disse...

É por isso que eu gosto do blog do Altino, a notícia sempre chega do reclamante ao reclamado devido à sua audiência.

Gabriel JMC disse...

Senhor Marcel, gostaria de saber de onde o senhor conhece meu pai Jorge Camarão? Qual é a índole que ele possui? Por um acaso você conhece a família Camarão que mora no Acre e em Belém? Meu pai não é policial militar para início de conversa, procure se informar sobre as pessoas antes de postar algo dúbio sobre elas neste conceituado blog. Apenas relatei um fato que realmente aconteceu, somos uma rede que fornece descontos muito atrativos aos seus consumidores, especialmente aos medicamentos fora do programa "Farmácia Popular", não é à toa que somos líder de mercado (região Acre/Rondônia).
A propósito, a título de informação, meu "Camarão" é sobrenome, e não apelido.
Abraços, Gabriel Camarão (Filho do Jorge e da Márcia Camarão, neto do Theotônio e da Elza Camarão, sobrinho do Ricardo, do Roberto, do Ronaldo Camarão...)

Pietra Dolamita disse...

Esse menor aprendiz tem de defender o seu emprego! Alias, temos de defender nossos empregos para não ter que sofrer abusos e humilhações nestas farmácias populares se precisamos dos medicamentos.Se tivermos um emprego melhor, podemos comprar remédios, e comer um pouco também.
Esse blog é uma democracia.

Enzo Mercurio disse...

Camarão , gostaria de saber qual a origem do seu sobrenome ; o meu !! mercúrio !! é de origem italiana .
Por curiosidade !! Camarão !! vem de onde ?

Gabriel JMC disse...

Enzo, a origem de meu nome é indígena, mais precisamente do século XVII, no Estado do Rio Grande do Norte. Refere-se o sobrenome "Camarão" ao índio Poty, que recebeu dos jesuítas esse sobrenome e adotou o prenome de Filipe. Com o decorrer dos anos descendentes chegaram ao Pará, e a informação mais recente (e lá se vão muuuuuuitos anos), de parentes com esse sobrenome, é do município do Rio de janeiro, refere-se então, ao Tenente-Brigadeiro João Camarão, que muito provavelmente foi parente distante de meu bisavô Raimundo Camarão.
Agora nas minhas férias de dezembro, vou conversar com meu vô Tota sobre a origem de nosso sobrenome. Até mais...Gabriel Camarão.

Marcel Marques disse...

O guri é afetado, aprende a ler rpz, onde eu disse conhecer teu pai? Perguntei outra coisa.

Gabriel JMC disse...

"Por curiosidade este sobrenome teria algo haver com outro de mesma índole que é Sgt da PMAC?"

Quem está se desdizendo aqui é o Senhor.

Gabriel Camarão

vilmar disse...

Afinal Prof., fez a denúncia?

Se não, apenas está favorecendo o "sistema/esquema"...

Casa das Artes disse...

Fiz a denúncia, sim. Já recebi retorno do MS.

Casa das Artes disse...

Já fiz a denúncia, sim. Abçs Flavio Lofego