quarta-feira, 3 de setembro de 2008

NOVO HINO DE RONDÔNIA

Versão da banda Odisséia, de Porto Velho (RO), que deixou (veja aqui) alguns políticos enfurecidos. Chegaram até a sugerir a prisão de Carlos Moreira, professor de literatura, autor da paródia



Quando começamos a tortura

Para esculhambar a natureza

Nós, os invasores de Rondônia,

Nos afogamos em tanta pobreza.

Somos causadores de queimadas,

Nosso combustível é o dinheiro.

Fim de uma história deprimente:

Nada aos nativos, tudo aos posseiros.

Nessa fronteira abandonada

O povo trabalha até doente.

Muita chacina e pouca esmola,

Corrupção galopa febrilmente.

Atos dementes roubam o futuro

Da juventude dessa nação,

E com coragem nós gritaremos

Enquanto nos arrancam o coração.

Azul, poderia ser azul,

Em vez, tudo cinza tudo igual,

Nosso rio só tem mercúrio,

Amazônia é capim.

Assim, nossa vida é desumana.

Guaporé fundamental,

Reinventa a tua história

Ou será o nosso fim!

6 comentários:

Renata disse...

Essa paródia lavou minha alma. Sempre tive arrepios nos eventos cívicos rondonienses quando chegava a hora do hino.

Leandrius disse...

Esse nao é professor universitário e sim professor universiOTARIO

cleber disse...

Essa é mais uma forma de expressar a nossa revolta com o desrespeito diario que sofremos aqui em rondonia por nossa autoridades e empresarios. parabens professor , tu és uma pessoa corajosa

SouPinheiro disse...

Onde tem a versão cantada...?

SouPinheiro disse...

Onde tem a versão cantada?

George disse...

' Corcordo plenamente com o professor Carlos Moreira com a sua composição atualizada do Nino do estado de Rondônia,não se trata mais do que a pura realidade do Estado,não precisa ser mestre,doutor,advogado ou ter um diploma para ver que essa é a situação do nosso estado de Rondônia!! tantos problemas no nosso estado para serem resolvido e os nossos politicos se preocupando com uma versao realista do nosso hino,essa prisão que gostariam que acontecesse é nada menos que CENSURA,acredito que vivemos em país "democratico" e que a época da censura ja tenha passado!