quinta-feira, 25 de setembro de 2008

INDEPENDENTE DE PÚBLICO


Conforme observei há dois anos, a cena roqueira acreana se julga tão independente, mas tão independente, que nem demonstra preocupação com a ausência de público em suas festinhas.

Passei apressado no Festival Chico Pop, mas fiquei assombrado com o excesso de decibéis e, claro, de ausência de público.

A foto de Val Fernandes não me deixa mentir: "milhares" de pessoas na praça da Revolução, durante a apresentação do vocalista André Lima, da banda Cappuccino Jack
.

Três horas depois havia mais ou menos 150 pessoas no evento. Nos anos 60 e 70, o saudoso jornalista Chico Pop chegou a organizar eventos mais animados e prestigiados pelo público.

A Petrobras começa a aparecer como patrocinadora de eventos culturais no Acre, como o Festival Varadouro. É uma clara ofensiva para calar a resistência contra a prospecção de petróleo em áreas de preservação e terras indígenas.

Patética é a participação de uma banda indígena da etnia ashaninka em evento patrocinado pela Petrobras. É a primeira vez que isso ocorre no Varadouro, mas o inusitado tem outro alcance.

Recentemente,
lideranças ashaninka da Terra Indígena Kampa do Rio Amônia, no Brasil, denunciaram (leia no Blog da Amazônia) que a Petrobras está preparada para iniciar atividades de prospecção e exploração de petróleo e gás, no alto rio Juruá, no Peru, em lote sobreposto a territórios de comunidades nativas e de índios isolados.

Bem, trabalhei com Chico Pop no diário O Rio Branco, onde ele assinava a coluna a "Cidade se diverte". Certa vez cometi dois versinhos para ele:

"Enquanto a cidade se diverte
Chico Pop chora"

Saiba mais sobre a cena roqueira do Acre no blog Grito Acreano e no site do Festival Varadouro.

7 comentários:

Desblogado disse...

Apesar do excesso de decibéis (estava muito alto) eu gostei do festival chico pop, todos que freqüentam esses eventos sabem que nunca dá muita gente, infelizmente esse tipo de evento cultural ainda não incorpora o cotidiano das grandes massas da nossa cidade...

Mas devemos ressaltar que as pessoas que foram gostaram muito, as últimas quatro apresentações arrancaram muitos aplausos dos presentes...

Destaque para as bandas Camundogs e Mapinguari Blues com suas guitarras super afinadas em uma noite de inspiração impar... E também para os dinossauros Pia Villa e a Banda Capú (o retorno deles após muitos anos foi o real motivo do festival) com suas "castanhas psicodélicas"...

Os Los Porongas também estavam lá, só que apenas prestigiando, tão guardando o som para o festival Varadouro que começa logo mais...

Wesley Diogenes disse...

A questão de público já se tornou uma coisa rotineira...

Na biblioteca da floresta 19 horas de ontem estava passando um excelente filme espanhol super premiado, quem foi? eu e mais duas pessoas!

E sempre é assim, nunca ninguém vai pra esses filmes documentários e shows, ninguém mesmo, tem gente que fala que reclama de público e falta de vontade do povo acreano de prestigiar a cultura, mas eu particularmente nunca vi por lá!

Miriane disse...

réplica:

www.gritoacreano.blogspot.com

Anônimo disse...

Como artista, colaborador e público, me sinto mais do que no dever de expressar minha opinião sobre o infeliz post na minha opinião pobre e sensacionalista. O Festival Chico Pop veio com a iniciativa de explorar o espaços públicos através da cultura, focada principalmente na música acreana. Foram 150 pessoas, ótimo! O que mais me deixa chateado é que este post não é uma crítica e sim um comentário maldoso e sem fundamentos. Você esqueceu de falar que a Praça da Revolução foi tomada por famílias, trabalhadores e estudantes que dividiram aquele espaço harmoniosamente. Não houve assaltos e muito menos agressões físicas. O Festival serviu para os trabalhadores que possuem pontos de lanches e comidas típicas no local aumentarem seu faturamento, além dos vendedores de balões e algodão-doce, já que a criançada também estava presente no evento. O principal intuito é o de formar público e fornecer a música pras pessoas num local agradável e mais do que isso, sem precisar pagar nada por isso, se os próximos poderão ser gratuitos eu não sei, mas este foi e justamente porque o povo precisa disso, precisa de estímulo, precisa de alegria e assim é que se forma público. Quanto as bandas, todas ficaram honradas por ter participado do Chico Pop porque obtiveram espaço para mostrar sua arte e ainda receberam como cachê a possibilidade de gravar uma faixa musical no melhor estúdio e com o melhor profissional de Rio Branco. Quanto ao patrocínio da Petrobrás é importante frisar que a empresa é perceira do Varadouro não de hoje e antes da problemática que você citou no seu post. A Petrobrás apóia diretamente o Festival Varadouro e não o Conjunto Ashaninka que iria se apresentar ontem. Iria? Sim... é importante antes de escrever estar bem informado, o Conjunto Ashaninka não se apresentou no Varadouro pelo motivo de um problema que aconteceu na aldeia Ashaninka com a morte de um dos índios.
Abraço!
o/

Carina disse...

Quer ver público? Então vai pra Domingueira Chalé Bar!

ALTINO MACHADO disse...

Legal. Boa idéia! Até porque a domingueira do Chalé não é movimentada com verba pública.

Nilton disse...

Altino, rsrsrsrsrs! realmente o pessoal desses eventos não tem leituras suficiente para compreender seu posicionamento!!!
Gosto de Rock, confesso, não fui a nenhum desses festivais porque eles sim não tem nenhum fundamento, não tem mais uma luta, um motivo como eram atigamentes os festivais. Se é para lutar por uma causa justa não pode ser patrocinado por uma estatal com cara de multinacional que enquanto colocava o nome ashaninka no festival estava pesquisando solo em Thaumaturgo como eu mesmo pude ver, eu estava lá a serviço da UFAC e presenciei, o mais engraçado é que aconteceu de maneira simultânea. Cadê as lutas de classes? cadê o ideal Marxistas? hoje só tem alienados a favor da burguesia, "agradam o povo" para esse povo ir feliz ao trabalho no dia seguinte e produzir. Alienados que tomam coca-cola, usam guitarras importadas. O mais engraçado é que eles se preocupam com a economia local, mas usam o dinheiro público que poderia ser ultilizado para investir em educação. Patrocinam os "rebeldes" para esses calarem a boca. Esses "rebeldes" não passam de bonecos de manipulagem do poder.