segunda-feira, 21 de julho de 2008

MATO GROSSO JÁ LIDERA QUEIMADAS


A estiagem na Amazônia Legal começou e o Mato Grosso já lidera, com 316 focos, o ranking das queimadas, segundo as imagens dos satélites que abastecem o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

Entre sábado e domingo, foram registrados 642 focos de queimadas na Amazônia Legal. Na listagem somente dos estados com ocorrência de focos, além do Mato Grosso, aparecem Pará (150), Tocantins (59), Rondônia (45), Maranhão (30), Amazonas (23) e Acre (5).

Numa tabela de 105 municípios com risco considerado crítico estavam listadas 52 cidades matogrossenses, sendo que quatro delas (Tangará da Serra, Bom Jesus do Araguaia, Brasnorte e Nova Bandeirantes) lideravam a mesma tabela, baseada no mapa de risco e nos focos detectados entre sábado e domingo.

Em 22 municípios da Amazônia Legal não chove há dois meses, sendo 18 deles do Mato Grosso, como Tangará da Serra, onde foram registrados um total de 32 focos de queimadas. Da tabela de municípios considerados críticos, nos últimos 15 dias choveu apenas em Canutama (AM). No passado, Nova Mamoré (RO) chegou a permanecer 33,3 dias sem chuva.

Rio Branco, a capital do Acre, é uma das cidades consideradas de risco crítico. Está há 40 dias sem chuva. Outra é Porto Velho, a capital de Rondônia, onde não chove há 35 dias. Em Colniza e Aripuanã, ambas no Mato Grosso, a temperatura máxima foi de 34,1 e 33,9 graus.

Os focos de queimadas cairam para 273 na Amazônia Legal, de ontem para hoje, mas o Mato Grosso permanece na liderança com 110 ocorrências. Existem, ainda, queimadas detectadas na Floresta Nacional de Altamira (13), no Pará, no Parque Nacional Pacaás Novos (3) e Floresta Nacional Bom Futuro (1), em Rondônia, e até em Anavilhanas (AM) e no Parque Nacional do Araguaia (TO).

Leia mais no Blog da Amazônia.

2 comentários:

Juruá disse...

Rio Branco - 40 dias sem chuva??

E o que foi aquilo semana passada?

ALTINO MACHADO disse...

Bem, é o que consta no site do Cptec. Vai ver que a estação que faz a medição esteja onde não chove. Sabe-se lá...