terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Tião Viana anuncia que deixará a política; governo vai adotar expediente corrido de servidores contra crise econômica


O governador do Acre Tião Viana (PT), 55, anunciou em entrevista exclusiva ao primeiro programa “Café com Altino”, gravado na noite de sábado (20), que já decidiu abandonar a política após o término do segundo mandato. Assinalou que desiste da política não por decepção, mas por se considerar feliz pela contribuição que já deu e por entender que “é hora de fazer outras coisas bacanas por meus filhos e por minha esposa".

- Passei 24 anos transferindo os meus ideais às causas coletivas. Tenho um ponto de partida, um ponto de caminhada e um ponto de chegada. Acho que está na hora de eu parar na próxima estação, que é 2018, e descer desse trem - afirmou.

Casado, pai de três filhos e avô há um ano, Tião Viana, é médico infectologista e ex-senador. Ele contou o drama de ter sobrevivido à paralisia infantil e meningite.

Viana pretende se dedicar à carreira acadêmica como professor da Universidade Federal do Acre, onde ingressou via concurso realizado quando exercia o segundo mandato de senador, o que lhe assegurou o direito de ser contratado e ficar sem lecionar até agora por causa da carreira política.

O governador avalia que alguém que entra na política com valores e coerência pode de repente “se tornar um bandido”. Segundo Viana, na política, atualmente, “um bandido, num segundo, pode se tornar um herói porque os valores estão perdidos”.



Encurralado pela crise econômica, o governador do Acre também antecipou com exclusividade que permitirá que os servidores públicos possam negociar com os seus superiores expediente corrido de 7 horas nas repartições públicas, excetuando as pastas de Saúde, Segurança e Educação.

Ao discorrer em defesa do expediente corrido como medida de redução de gastos, Tião Viana fez uma revelação na contramão da opinião da maioria da população que reclama da qualidade da água distribuída pelo Departamento Estadual de Água e Saneamento (Depasa).

- Tem que mudar alguns hábitos. Por exemplo: por que tanta água mineral em tudo que é órgão? Na minha casa eu bebo água que não é mineral. Eu bebo água do Depasa. Tem o meu filtro lá, que passa por uma questão de segurança, que é alcalinizar. Por que um copo descartável? Na minha casa eu tenho o meu copo. No trabalho eu tenho o meu copo. Por que não pode cada um ter o seu e a gente estar economizando? Copo descartável vai ficar 500 anos no meio ambiente.

O governador tomou a iniciativa de abordar o caso de um bebê de quatro meses que morreu na semana passada na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do 2º Distrito, em Rio Branco, após uma nebulização. A família acusa que houve negligência e erro durante a administração de medicamento.

O caso foi revelado em reportagem da TV Acre, afiliada da Rede Globo, e repercutiu ainda mais nas redes sociais por causa do choro do apresentador no encerramento do telejornal. O governador criticou duramente a editoria da emissora, que teria ouvido mas deixou de publicar versão da Secretaria de Saúde se solidarizando com a família.

O governador disse que recebeu os pais do bebê em seu gabinete e que está sendo apurado se o médico estava ou não no trabalho. Segundo ele, não faltou nada do Estado para o atendimento.

- Eu não posso estar a favor do erro. A minha impressão hoje, daquele caso, que vai ter que ser apurado, é que, se aquele bebê tivesse ficado na casa dele, aquele bebê possivelmente estaria bem hoje.

Tião Viana foi questionado sobre discordâncias com os ex-governadores Jorge Viana e Binho Marques. Ele considera salutar divergências com o irmão, mas evitou pronunciar o nome de Binho Marques e comentar a respeito dele.

- O Jorge pensa a política ao olhar dele. Eu penso a política ao meu olhar. Tenho minha visão de mundo e ele tem a dele. Ele escolhe o cotidiano dele e eu escolho o meu. Nós temos caminhos diferentes e isso é muito bom. (…) Quanto a esse assunto aí, de um ex-governador [Binho Marques], nada a comentar, nada a declarar - acrescentou sorridente.

No final da entrevista, Tião Viana respondeu a uma “pergunta sem aguçar”: se é verdade que não gosta de ser tratado como Sebastião.


 


DEU ZICA: A guerreira produção do "Café com Altino" enfrenta problema de ordem técnica. O vídeo da entrevista foi editado, renderizado, exportado (operação que demanda horas) e na hora de fazer upload para o Youtube deu problema por causa da velocidade da conexão com a internet. O vídeo será disponibilizado em full HD. Ciro Facundo Netto e Lelande Holanda cuidam disso. Na hora que concluírem, farei a inserção da entrevista nesta postagem, dividida em dois blocos. Desculpem os leitores, mas tudo está sendo feito pela vontade que a equipe tem de contribuir para a democracia na mídia acreana.

 

4 comentários:

Hernandes Cunha disse...

Tião ou Sebastião não importa, o que vai ficar mesmo é a truculência de seus atos e o tipo de política que praticou. Para fechar com chave de ouro o seu legado, o futuro exgovernador está nomeando com vontade seus apoiadores antes da partida para o exílio. Ele e o irmão terão a aposentadoria que o cargo lhes concede e uma boa vida de classe média alta. Marx está orgulhoso e a Marilena Chauí tb. Bye bye Tião!

. disse...

Não deixará Saudades, apenas lembranças ruins que o tempo se encarregará de apaga-las.

João Paulo.

Rael_Orochi disse...

Eu não tenho nada contra o governo do Tião, ele fez o que estava ao seu alcance...

Carlos Floresta disse...

MAV detected...