quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Luiz Cravo Dorea


O delegado Luiz Cravo Dorea, ex-superintendente da Polícia Federal no Acre, atualmente coordenador-geral de Cooperação Internacional da PF, participou da operação que resultou na prisão do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, único dos 25 condenados considerado foragido no processo do mensalão. A operação da PF foi em conjunto com a polícia italiana. Pizzolato foi condenado a 12 anos e 7 meses de prisão por formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro. A pena deve ser cumprida em regime fechado, em presídio de segurança média ou máxima. Dorea foi quem começou a mudar a imagem da PF no Acre.

Um comentário:

Carlos Floresta disse...

Na imagem o delegado federal recebe do xamã o poder de adivinhar a localização de petistas corruptos que fogem para a Itália usando documento falso do irmão já falecido...