quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Monstruosidade

Trechinho da liminar do Tribunal Superior Eleitoral que manteve Vagner Sales (PMDB) no cargo de prefeito de Cruzeiro do Sul, a segunda maior cidade do Acre:

“No caso dos autos, admito o mandado de segurança por vislumbrar teratologia no acórdão proferido pelo TRE/AC.”

Tive que consultar o Aurélio para saber que teratologia, em patologia, é estudo das monstruosidades.

Ou seja, ao decidirem pelo afastamento do prefeito, os juízes do Tribunal Regional Eleitoral do Acre tomaram uma decisão esdrúxula, monstruosa, notoriamente equivocada, enfim, cometeram uma aberração.

Tapurus

Faz 35 dias que Ray Melo, Lenilda Cavalcante e eu revelamos a presença de tapurus em marmitas servidas aos pacientes do setor de nefrologia do Hospital das Clínicas do Acre e fomos acusados pelo governo estadual como sabotadores.

Tão logo foi instaurado inquérito na Delegacia de Combate ao Crime Organizado, diziam que as investigações estavam avançadas e que a sociedade ia tomar conhecimento dos nomes dos sabotadores, insinuando até que os três repórteres seriam criminalizados.

Excetuando-se o terrorismo habitual, alguém conhece o resultado da investigação?

4 comentários:

Denis disse...

Caro Altino,
Também fiquei curioso com o termo e, em pesquisa a um site jurídico, encontrei esta definição mais detalhada.
"Teratológico no aspecto jurídico do termo diz respeito a uma decisão absurda, ou seja, em princípio, podemos dizer que seria a decisão que contraria a lógica, o bom senso e a até mesmo - em certos casos - a moralidade, na medida em que é impossível conviver com o imoral e que inviabiliza as relações sociais. Assim sendo, decisão teratológica seria toda aquela que contraria a lógica, o bom senso e as relações interpessoais, ao ponto de comprometer a convivência, a urbanidade, a tolerância, a vida em sociedade, o interesse público. Simples, mas acredito que poderá ajudar àqueles que estão lendo esta publicação".
Fonte - http://juris-web.blogspot.com.br/2013/04/teratologico-no-sentido-juridico.html

Carlos Floresta disse...

Terathós, em grego, livremente traduzido por "monstro".
Tapurus, políticos corruptos, empresários corruptos, secretários e servidores corruptos, enfim, todos monstros.
Os tribunais também tem.
E em nenhum dos casos anteriores são "Monstros Sagrados".
Apenas monstros.

Altemar disse...

ainda bem que não trocaram por escatológico. (deve estar em moda)

O arroto disse...

É lamentável que a Justiça, quando age, seja tão despreparada e permita que a injustiça prospere!