segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Greenpeace demonstra má vontade contra a presença de gás xisto no Acre

POR MARCIO BITTAR

O desempenho da Petrobras vem retrocedendo desde que o PT chegou ao poder, em 2003, numa clara demonstração dos malefícios causados pelo aparelhamento partidário e por uma administração ineficiente que transformou uma empresa competitiva e respeitada mundialmente em mesquinha arma política. O seu lucro caiu 39% em relação ao mesmo período de 2012. A empresa lucrou R$ 3,4 bilhões, enquanto a expectativa média dos analistas era que o valor alcançasse R$ 6 bilhões,

Graças aos desmandos petistas a Petrobras foi presenteada com o rebaixamento da sua nota de crédito pela Moody’s, uma das mais importantes agências de classificação do mundo. O rebaixamento reflete a impressão de que a empresa vai continuar a acumular prejuízo nos próximos anos. O Bank of America Merril Lynch também lançou relatório apontado a Petrobras como a empresa não financeira mais endividada do mundo.

Esses dados deixam claro que fica cada vez mais distante o sonho da autossuficiência na produção de petróleo, alardeada aos quatro ventos pelo ex-presidente Lula, no afã de eleger sua candidata. Os números falam por si: em 2009 o Brasil havia praticamente se livrado da necessidade de importar gasolina, gastando apenas US$ 71 mil com a compra do combustível no exterior. Em 2012, entretanto, o país gastou US$ 3 bilhões para importar gasolina, gastando, em 3 anos, 42,5 mil vezes mais.

Enquanto isso, Rússia, China e Estados Unidos assumem o protagonismo na exploração de combustíveis. Os Estados Unidos, por exemplo, aumentaram drasticamente a produção de hidrocarbonetos de 111 mil barris por dia em 2004 para 553 mil barris por dia em 2011. Como resultado, tiveram suas importações de hidrocarbonetos reduzidas para o nível mais baixo nos últimos 25 anos. E esse aumento da produção americana aconteceu graças à exploração do óleo de xisto, o que pode revolucionar o mercado global de energia, promovendo uma queda drástica no preço do petróleo.

Chamo a atenção para a mudança na estratégia da exploração de gás nos Estados Unidos, pois o Acre possui reservas inexploradas de gás xisto, que será incluído na próxima rodada de leilões da ANP.

O gás xisto é mais barato que a gasolina, a sua queima é menos poluente que o carvão, e a sua exploração pode significar uma nova era para o Estado do Acre, com mais investimentos em infraestrutura e com mais desenvolvimento e geração de empregos, entretanto, apesar dessa perspectiva positiva para o Acre e para a própria Petrobras, os ambientalistas do Greenpeace se apressam a chamar um seminário (veja), na cidade de São Paulo, sobre os “Impactos Socioambientais da exploração de xisto” demonstrando a má vontade com a possibilidade de exploração mineral no nosso Estado.

Curiosamente a discussão sobre os interesses do Acre ocorre fora do Acre, e é feita por pessoas que não acompanham nosso sofrimento, que não se interessam sobre as mortes por subnutrição dos nossos conterrâneos, que sequer sabem que o Acre faz fronteiras com dois países campeões na produção de cocaína, o que transforma nosso Estado em um corredor do tráfico, que, ajudado pela falta de empregos e perspectivas, alicia nossos jovens e lança famílias no desespero.

Ora, todos nós temos a clareza de que é fundamental garantir a preservação dos ativos ambientais do País, mas também é fundamental que seja garantida a promoção do desenvolvimento do Acre e da Região Norte. O Greenpeace é o mesmo que, durante a Conferência RIO 92, lançou as bases das Reservas Extrativistas como fórmula para preservar a floresta e resgatar o povo da Região Norte. As reservas foram criadas, a floresta foi preservada, mas as benesses prometidas à população nunca chegou, levando o Acre à estagnação econômica. Fica claro que não podemos manter a miséria e o subdesenvolvimento da região sob a desculpa da preservação ambiental.

Estarei, juntamente com outros parlamentares da Região Norte, acompanhando os desdobramentos dessa discussão, pois não podemos, mais uma vez, servir como laboratório para experiências que colocam em risco a sobrevivência do nosso povo. O subsolo do Acre é rico, as pesquisas demonstram isso e é o momento de usarmos essas riquezas para um salto de desenvolvimento qualitativo no nosso Estado. Esse salto, a partir da exploração organizada das riquezas minerais, será bom para o Acre e para o Brasil.

Marcio Bittar é deputado federal pelo PSDB, primeiro secretário da Câmara dos Deputados e presidente da Executiva Estadual do PSDB no Acre.

5 comentários:

vilmar boufleuer disse...

A exploração de gás de xisto, "a bolha do gás já produziu seus primeiros efeitos sobre algumas das maiores empresas petrolíferas do planeta"

é o psdb querendo voltar a destruir a petrobrás?

http://www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=1399

Amanda disse...

Cabe, em primeiro lugar, perguntar em quais aspectos e por que as reservas extrativistas "não deram certo". Que tal perguntar a um morador a sua opinião sobre o assunto? Quem sabe ele nos ajude a desvendar o mistério de quem é o responsável pelo abandono das reservas: o Greenpeace ou o poder público.

Será que o desenvolvimento de sua proposta, que alia a autonomia de seus moradores e preservação da floresta, foi realmente prioridade do Estado? Será que foi feito todo o possível para que as reservas vingassem?

Em segundo lugar, cabe perguntar para quem a exploração do gás de xisto será benéfica. Será mesmo que ela irá reverter este quadro catastrófico descrito pelo deputado? Ao olhar pelos exemplos da história, certamente que não. É mais provável que este quadro se agrave, gerando perda de terra e êxodo para as periferias das cidades.

Toda vez, em nossa história, que políticos e empresários afirmaram que algo era bom para o "Brasil", referiram-se a uma parcela pequena do país, que, ano após ano, enriqueceram às custas da pobreza da grande maioria e da degradação do meio ambiente, este sim um bem de toda a humanidade

O que se sabe, é que a exploração do Gás de xisto é altamente impactante, do ponto de vista ambiental e social. Por conta disto, tem sido alvo de inúmeros protestos em todo o mundo: contaminação dos lençóis freáticos e até abalos sísmicos são alguns dos impactos registrados, de uma tecnologia altamente eficiente em destruir nosso futuro, utilizando de jatos de água em alta pressão, aliados a inúmeros produtos químicos, que ocasionam fraturas nas rochas onde se instalam o tal do gás.

Não é difícil encontrar informações na internet sobre isso.

E, só para constar, caso alguém esteja esquecendo deste detalhe, não se pode passar por cima da constituição federal, no que tange às áreas de preservação e terras indígenas.

Estamos de olho!

Altemar disse...

Pensei em ir a cada um dos 9 parágrafos com o olho do leitor interessado, o texto está bem posto como estudo científico, pelo menos eu achei que era. Então manin... ficou difícil. O articulista descobriu o gás de xisto mas esqueceu do fracking (vava a inFernet!). E parece que a Petrobrás talvez aguenta só mais um ano que é quando a salvadora mão dos que a queriam PETROBRAX virão salvá-la das mãos cruéis dos ditadores.
Sinceramente chefe, dá uma pinçada nos textos antes, o senhor é candidato e pode mudar alguma coisa dizendo outra coisa.

Stephan Dedalus disse...

Bittar diz "O desempenho da Petrobras vem retrocedendo desde que o PT chegou ao poder"

Wikipédia diz:

Em 2007, a Petrobras obteve um lucro de 21,7 bilhões de reais, uma queda de 17% em relação ao seu recorde de 2006,37 que foi o maior lucro da história da empresa e, segundo análise da consultoria Economática, foi o maior lucro nos últimos 20 anos jamais obtido dentre todas as empresas de capital aberto na América Latina.38 O aumento da produção de petróleo, maior carga processada de óleo pesado nacional, maior utilização da capacidade de refino e aumento de preços são alguns dos responsáveis pelos resultados recordes. Seus sucessivos lucros são um dos grandes pilares na manutenção do superávit primário brasileiro, contribuindo a Petrobras assim, positiva e significativamente, com o equilíbrio das contas do Tesouro Nacional.

Em 2006, a Petrobras entrou para o seleto grupo de empresas cujo valor de mercado em bolsa supera cem bilhões de dólares.39 A empresa estatal Petrobras foi a empresa de capital aberto mais lucrativa da América Latina nos nove primeiros meses do ano de 2007, constatou a consultoria Economatica. De janeiro a setembro desde ano, a Petrobras lucrou US$ 8,951 bilhões. O segundo lugar é da mineradora Vale do Rio Doce, com US$ 8,481 bilhões.40 Em 21 de maio de 2007, a Petrobras foi eleita a oitava companhia mais respeitada do mundo segundo o Reputation Institute .

O valor das ações da Petrobras subiu 1200% entre maio de 1997 e junho de 2007 e a empresa obteve um lucro recorde em 2006 de 25,9 bilhões de reais, ano em que se tornou a oitava maior empresa de petróleo do mundo .

No dia 8 de novembro de 2007, após o anúncio da descobertas das reservas de Tupi 45 , o valor internacional de mercado da Petrobras subiu 48,3 bilhões (US$ 28,3 bilhões) num único dia, com a confirmação da megarreserva de petróleo leve na Bacia de Santos. Seu novo valor internacional de mercado, R$ 385,1 bilhões (US$ 221,9 bilhões),46 alçou a Petrobras à 6ª posição entre as maiores companhias nos Estados Unidos, à frente de gigantes como Procter & Gamble, Google, Berkshire Hathaway e Cisco Systems.46 As ações preferenciais da Petrobras na Bolsa de Valores de São Paulo (código: PETR4) fecharam em alta de +16,44%. O papel, considerado uma Blue Chip (denominação dada aos papéis de destaque), não costumava apresentar altas significativas em um único dia havia bastante tempo. O número de negócios realizados foi de 32 613, com volume movimentado de mais de 3,35 bilhões de reais. As ações ordinárias (código: PETR3) também tiveram forte alta, +16,73%, com 5680 negócios. O fato determinante para este fenômeno foi a confirmação da descoberta de uma jazida gigantesca de petróleo no campo petrolífero de Tupi, na Bacia de Santos.

Durante todo o pregão deste dia, foram as ações da Petrobras que mantiveram o índice Ibovespa em alta, enquanto os papéis de muitas outras empresas despencavam, seguindo a baixa do índice Dow Jones.

Em 2008 a Petrobras ultrapassou a Microsoft, tornando-se a terceira maior empresa do continente americano em valor de mercado, segundo a consultoria Economática.4 No mesmo ano a estatal tornou-se a terceira empresa mais lucrativa das Américas, exceto o Canadá, superando a Vale.48

Em setembro de 2010, de maneira a conseguir financiamento próprio para a exploração da camada de pré-sal,49 a Petrobras realizou uma capitalizaçao de 120 bilhões de reais, através da oferta de ações no mercado financeiro, a maior já realizada no mundo.50

Em agosto de 2011 a empresa quebrou mais dois recordes de lucro líquido: R$ 10,94 bilhões no segundo trimestre do ano, e também o recorde de R$ 21,9 bilhões no primeiro semestre do ano.

João de Souza disse...

Ei Márcio Bittar não pense que a gente se esqueceu daquela porcaria de Petrobrax do FHC... ("doação" da empresa para os estrangeiros). Minha memória é muito boa...