terça-feira, 1 de outubro de 2013

Juiz devolve auxílio-alimentação ao Tribunal de Justiça do Acre


Um juiz de Rio Branco devolveu ao Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC) R$ 1.488,32 que foram "equivocadamente creditados" na conta dele, em setembro, a título de auxílio-alimentação.  Em agosto, o TJ instituiu o auxílio-alimentação para juízes e desembargadores, como verba de natureza indenizatória, e não remuneratória.

O valor corresponde a 3% do subsídio dos magistrados até 31 de maio de 2014 e  de 5% do  partir de 1º de junho de 2014. O salário dos desembargadores é de R$ 25, 3 mil e o dos juízes de direito de entrância final de R$ 24 mil.

Em ofício enviado nesta terça-feira (1) ao presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Roberto Barros, o juiz Ednaldo Muniz, do 2º Juizado Especial Criminal da Comarca de Rio Branco, argumenta que, diferentemente do verificado no âmbito dos outros Estados da Federação e da União Federal em relação ao auxílio alimentação, não existe, no Estado do Acre, lei estadual assegurando o recebimento do benefício por magistrados, membros do Ministério Público e funcionários.

Leia mais:

Magistrados do Acre passam a receber auxílio-alimentação

O juiz ressalta que as outras parcelas já creditadas (ou que eventualmente ainda vierem a ser creditadas) serão oportunamente devolvidas e informadas, depois de disponibilizados os contracheques respectivos no “Portal dos Magistrados”.  Ele pediu que a verba não seja mais creditada em seu favor.

- Lembro, por fim, que o acolhimento desta solicitação não provocará nenhum efeito financeiro na pensão alimentícia da minha filha (eis que fixada em 5,25 salários mínimos, e não em um percentual da remuneração) e nem nos descontos de imposto de renda e fundo previdenciário (uma vez que, como se sabe, o ato administrativo que instituiu o benefício não previu a incidência desses descontos, tanto que não estão sendo feitos) – acrescentou o magistrado.

Enquete

Antes de tomar a decisão de devolver o dinheiro, o juiz Ednaldo Muniz usou a rede de computadores do Tribunal para debater a questão, onde publicou uma carta intitulada "Resultado" da enquete do auxílio alimentação":

"Em primeiro lugar, mais uma vez obrigado a todos que participaram da "enquete". Especialmente pela confiança.

Muitas sugestões apareceram. A quase totalidade delas procurou simbolizar irreverentes e pacíficos protestos contra o, vamos assim chamar, peculiar "modelo alimentar" implantado pelo Poder Judiciário do Acre: que alimenta magistrados e mata de fome funcionários.

Houve até um pobre apaixonado que implorou a doação da verba para o pagamento de uma nova lua de mel com sua amada. Aliás, rico apaixonado, porque, na real, se o sujeito está apaixonado, já é rico.

Decidi, contudo, devolver a indevida benesse para o Poder Judiciário do Acre (conforme malote digital anexo). É que penso legalmente indevido o pagamento/recebimento. Portanto, não há que se cogitar de doação.

É importante assinalar que esta é para mim uma decisão pessoalmente caríssima, pois não me agrada nadinha de nada ficar parecendo (só parecendo) moralista com este ato (especialmente perante meus queridos colegas magistrados). Abomino moralismos e também não tenho nenhuma pretensão de, vamos lá, ensinar padre a rezar missa.

Gostaria apenas ficar de bem com minha coerência e consciência. Ainda que isso custe algumas amizades. Ainda que isso não seja antídoto contra a inevitável acusação de demagogia.

Para mim o auxílio alimentação é assunto encerrado. Ainda aparecerei por aqui apenas para comprovar que devolvi todos os valores indevidamente creditados na minha conta-corrente.

Grande abraço a todos e mais uma vez obrigado.

Edinaldo"

4 comentários:

F. Kennedy Souza disse...

Conheço o Edinaldo desde nossos tempos de movimento estudantil na UFAC onde juntos faziamos parte da corrente "o Trabalho" no PT. Naqueles tempos, nós, juntos com Márcio Batista, Felismar Mesquita, Irailton, Gabriel Maia e muitos outros, lutávamos para construir uma nova forma de sociedade. Alí éramos seguidores de utopias e sonhos de um estado não dominado pelo Capital. O tempo passou e fico feliz de ver que Edinaldo, agora juiz, ainda mantém a sobriedade e princípios morais de outrora.

Grande abraço ao grande amigo juiz.

Kennedy Souza

Carlos Floresta disse...

Isso!
É disso que precisamos!
Enfim, um Juiz que ama o que é justo!
Excelente exemplo a ser seguido!

paulo cesar abreu melo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
paulo cesar abreu melo disse...

É de grande coragem e honradez um magistrado devolver o valor do auxílio alimentação e citar "... o peculiar "modelo alimentar" implantado pelo Poder Judiciário do Acre: que alimenta magistrados e mata de fome funcionários."

Parabéns, Doutor Ednaldo Muniz!