sexta-feira, 23 de agosto de 2013

No Acre, Lula não cumpre promessa de entrevista para avaliar revés eleitoral do PT


Reencontrei o ex-presidente Lula na manhã desta sexta-feira, na recepção do hotel Pinheiro, em Rio Branco, dois anos e nove meses após a entrevista que concedeu a blogueiros no Palácio do Planalto, quando disse que Jorge Viana e Tião Viana "erraram feio".

- Tem erro, tem erro. Eu não ouso dizer aqui o erro antes de fazer... Mas daqui a uns seis meses, quando eu for ao Acre, sem ser presidente, eu me comprometo a te dar uma entrevista dizendo o que eu acho que aconteceu no Acre - disse o então presidente.

A reencontrá-lo, tendo ao lado o senador Jorge Viana (PT), lembrei da entrevista exclusiva que ele havia prometido. Lula sorriu sem graça, apertou minha mão, deu um tapinha no meu ombro e respondeu:

- A gente pode conversar em entrevista coletiva.

Alguém interrompeu a conversa para cumprimentá-lo postado na minha frente e Lula indagou:

- Cadê o jornalista?

Posicionei-me no seu campo campo de visão e o ex-presidente pegou no bolso de minha camisa e perguntou;

- Que jornalista é esse que não usa o cajuzinho?

Jorge Viana acrescentou:

- Ah! O Altino não usa mais.

Lula se referia ao boton de uma castanheira estilizada que marcou o "governo da floresta". E ficamos todos com cara de amélia arrependida.

Indagado, José Crispiniano, assessor de comunicação do Instituto da Cidadania, disse que Lula não concederia entrevista coletiva.

Voltei para casa com uma dúvida: Lula mantém ou se arrependeu das críticas ao irmãos Viana e ao PT no Acre.

Entrevista

Vídeo e transcrição textual de minha participação na entrevista do então presidente Lula com blogueiros, em 24 de novembro de 2010, no Palácio do Planalto.




Altino Machado - Presidente, bom dia. Eu sou do Acre, que é um colégio eleitoral pequeno, o senhor conhece muito bem. E embora tenha pouco mais de 470 mil eleitores, o Acre, grosso modo, é um ícone para o PT, como é São Paulo para o PSDB. O José Serra venceu nos 21 dos 22 municípios do Acre. Jorge Viana não se tornou o senador mais votado, proporcionalmente, do país, perdeu na capital. Tião Viana foi eleito muito apertado, é...

Lula - Marina teve (incompreensível) e teve só 3% dos votos.

Altino Machado - É. Então, esse... Por que o senhor não é “o cara” no Acre? Embora, embora tenha sido dito assim, o Tião Viana disse: “O povo do Acre foi injusto com o Lula”. O Aníbal Diniz, que vai assumir a cadeira dele no Senado, disse: “Nós temos que entender a hostilidade do eleitor acreano contra Lula e contra Dilma”, não é? Como é que o senhor interpreta tudo isso? Como é que... esse caso do Acre?

Lula - Espera aí, eu quero te agradecer por essa pergunta, porque é uma coisa que eu trago desde a minha primeira eleição para Presidente, é uma coisa... Eu perdi para o Alckmin lá.

Altino Machado - Sim, no primeiro turno.

Lula - No primeiro turno, eu ganhei no segundo. E eu tenho... eu visito o Acre desde 1979, ou seja, por causa do Acre eu fui condenado a três anos e nove meses de cadeia. Não cumpri a pena porque... por causa da morte do assassino no comício.

Altino Machado - Eu estava lá naquele comício que o senhor fez e foi, em seguida, para Brasiléia.

Lula -  Essa semana eu encontrei com o Jorge em um jantar da Câmara Brasil-França, eu falei: “Jorge, eu preciso sentar com você, porque eu preciso entender o que está acontecendo no Acre”. Veja, eu tenho a convicção de que se pegar... O Fernando Henrique Cardoso foi até um bom presidente, na relação com o Acre.

Altino Machado - Sim.

Lula - Mas eu tenho a convicção de que se pegar tudo o que foi feito no governo Fernando Henrique Cardoso, governo Itamar, governo Collor, governo Sarney, se somar tudo não dá a metade do dinheiro que eu pus no estado do Acre para fazer as coisas. Inclusive, vocês vão ter o prazer de ver, no Acre, os cinco rios do Acre todos com ponte estaiada, que foi uma briga para a gente poder convencer o financiamento daquelas pontes, por causa que um paulista ou um cara de Brasília não tem noção da dificuldade do que é fazer uma obra no estado do Acre, que não tem pedra, é preciso trazer pedra de outros estados, pedra importada de outros estados, às vezes demora 40 dias para chegar, se não chover demora quatro meses, ou seja, é um dilema para fazer as coisas no Acre. E durante a campanha eu estava preocupado. Eu dizia para o Tião Viana e para o Jorge: “Olhem, eu gostaria de estudar profundamente o Acre, como é que funciona a cabeça do companheiro do Acre”. Sobretudo porque já havia um sinal muito forte de que mesmo o companheiro Jorge Viana sendo a liderança que é, o Binho sendo o quadro que é, tendo a prefeitura da capital e tendo o Tião Viana. Eu nunca vi ninguém trabalhar tanto como o Tião Viana. O Tião Viana saía daqui na quinta-feira, chegava lá, ia para todas as cidades. O PT governa 12 dos 22 municípios, tem mais cinco aliados e perdeu em quase todos, ou seja, é inexplicável. Eu acho que precisa um estudo sociológico sobre o Acre, ou o que os companheiros erraram na política do Acre. Tem erro, tem erro. Eu não ouso dizer aqui o erro antes de fazer... Mas daqui a uns seis meses, quando eu for ao Acre, sem ser presidente, eu me comprometo a te dar uma entrevista dizendo o que eu acho que aconteceu no Acre.

Altino Machado - Obrigado.

Lula - Eu não quero ser grosseiro e fazer um julgamento precipitado. Mas certamente, certamente nós erramos no Acre por presunção. Não sei se você sabe, na minha opinião uma das razões pelas quais a Marina foi candidata a presidente é porque ela tinha convicção de que não se elegeria senadora pelo Acre, como aconteceu, de fato, uma votação pequena. Então, eu quero, eu quero aprender o que aconteceu no Acre, não apenas com a campanha majoritária, mas com os companheiros lá. Ou seja, o Jorge Viana quase que não se elege, o Tião Viana foi 50,04%, quando a gente imaginava que ele ia ter 80%, 90%. Então, certamente não é erro do povo. Posso te garantir o seguinte, eu quero começar dizendo o seguinte: se tem uma coisa certa lá é o povo. É preciso que, ao invés de a gente ficar culpando o povo, a gente sente, faça uma reflexão [sobre] onde é que nós pisamos na bola no Acre, porque certamente o erro é nosso. Ninguém apanha tanto se acertou. Então, nós temos erros. É só a gente ter humildade, ter humildade e descobrir o que está acontecendo no Acre, porque eu tenho convicção, Altino, e você também, de que os Viana fizeram um bem para o Acre muito grande. Eu conheço o Acre desde 1979.

Altino Machado - Inegável.

Lula - Eles transformaram aquilo em um estado. Rio Branco virou uma cidade bonita. Mas você percebe que não basta obra, não basta obra. Eu tenho na minha cabeça há muitos anos, o povo não vota numa pessoa porque ele fez uma ponte, porque ele fez uma rua, não. O povo vota se o resultado daquilo teve uma explicação política convincente para as pessoas. E eu acho que a política está mal trabalhada no Acre. Você está lembrado? Chico Mendes virou herói mundial, mas foi candidato a prefeito em Xapuri, teve 300 votos. Osmarino saiu na capa do New York Times muitas vezes; foi candidato a prefeito em Brasileia, acho que não teve nem 100 votos. Você percebe? Há uma rejeição a um determinado tipo de discurso, que nós precisamos discutir como enfrentar isso. Me comprometo daqui a seis meses, Altino, a ter uma conversa contigo...

Altino Machado - Uma entrevista exclusiva. Muito bem!

9 comentários:

Maíra Silva disse...

Tenho uma enorme simpatia pela pessoa do Lula, Jorge e Tião, mas não pelo PT (Se é que pode ser possível separar essas três figuras do partido). Há de convir, Altino, que era de se esperar que essa entrevista não iria acontecer. Falar das boas/maus atuações dos Viana’s na cara deles e em solo Acreano?! Seria um despautério. Ou muita coragem. Enfim... Nunca vamos saber!

Clênio Plauto S. Farias disse...

Tenho uma enorme simpatia pela Marina. Sei que ela se separou do PT, mas não consigo separar ela destas figuras.

Carlos Martel disse...

Caro Altino,
Lula, como se diz por aí, é "passado na casca do alho", ou seja, com o atual espectro que assombra o Governo do Acre e as lideranças do PT para 2014, não ia dar uma fora justamente na "Casa dos Viana". Ingenuidade a sua, amigo Altino, querer ouvir algo de quem não tem nada a dizer. Essa entrevista vai continuar na promessa!

Carlos Floresta disse...

"Leio" a presença de Lula num evento simplório como esse daí, num cantinho da Amazônia inexpressivo politicamente para o cenário nacional, como um sonoro "Socorro, Lula! Tente nos salvar!", bradado a plenos pulmões pelos vianistas.
Ocorre que Lula, os vianistas e, principalmente o Acre, já não são os mesmos...

Juarez Nogueira disse...

Você escapou de (mais) uma, hein, Altino?... Que bom, assim seu blog poupa seus leitores de mais mentiras e trololó.
Abraço!

Juarez Nogueira disse...

Você escapou de (mais) uma, hein, Altino?... Que bom, assim o blog poupa seus leitores de mais mentiras e trololó.

Joao Oliveira disse...

hj na reuniao c padilha vcs poderiam falar sobre a questao dos 5000 brasileiros formados na bolivia q estao parados, nao se caracteriza como recrutamento internacional ja que os mesmos n atuam na bolivia, vivem aq no brasil, portanto n haveria deficit de medicos naquele país! nós estamos esquecidos, esse exame REVALIDA foi feito p reprovar; mais uma manobra do corporativisto das entidades medicas do brasil. N vejo necessidade de trazer 4000 cubanos, temos medicos brasileiros natos formados na bolivia desempregados!

Joao Oliveira disse...

hj na reuniao com padilha vc deveriam questionar a participacao de medicos BRASILEIROS formados na bolivia, somos mais de 5000 e estamos parados, n se trata de recrutamento internacional haja vista que n atuamos naqule país, esse exame REVALIDA foi elaborado para nos reprovar, mais uma manobra do corporativismo das entidades medicas do Brasil. eh uma discriminacao, estamos nos sentindo lesados c a vinda desses medicos cubanos pois n ha necessidade de traze-los; estamos aq no brasil desempregados...

Alex Mamed disse...

Você escapou de (mais) uma, hein, Altino?... Que bom, assim o blog poupa seus leitores de mais mentiras e trololó. [2]