quarta-feira, 15 de maio de 2013

Réus presos durante Operação G-7 jantam carne de tatu na Papudinha


Réus presos pela Polícia Federal durante a Operação G-7 tiveram o privilégio de jantar carne de tatu na noite de terça-feira (14), na Papudinha, onde estão desde a semana passada no gozo de regalias que o diretor do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), Dirceu Augusto, insiste em negar.

A Operação G-7 prendeu 15 pessoas (secretários de estado, empreiteiros e servidores públicos) envolvidas com um grupo de sete empresas de construção civil que atuava de modo articulado para fraudar licitações de obras públicas no Estado. Entre os presos o secretário de Obras, Wolvenar Camargo Filho, e o diretor deAnálise Clínica da Secretaria de Saúde, Tiago Viana Paiva, sobrinho do governador Tião Viana (PT).



A Lei de Crimes Ambientais proíbe o consumo de carne de animais silvestres, mas os presos deixaram evidências de que o exótico prato de tatu estava delicioso. Praticamente nada sobrou nas marmitas, que foram recolhidas quase completamente vazias.

Apesar da fome, do cheiro e do sabor da carne, os presos não ingeriram pedaços de casco de tatu. Em algumas marmitas, guardanapos de papel usado e pequenas quantidades de arroz, feijão e macarrão.

Além do diretor do Iapen, o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Acre, Adriano Marques, tem afirmado que os réus no processo da Operação G-7 estão recebendo o mesmo alimento servido aos demais presos da “Papudinha”.


Duas mulheres estiveram na presídio, após as 20 horas, quando não é mais permitida a entrada. Uma se apresentou como advogada e a outra usou uma entrada lateral aberta por um agente penitenciário. Ambas passaram uma hora e foram embora no carro da que se apresentou como advogada.

O governo estadual tem sido muito criticado por causa das regalias aos presos acusados de integrar esquema de fraudes em licitações e desvios de verbas. Desde que foram presos,  a rotina da prisão foi alterada pela presença de muitos familiares e autoridades do governo estadual e familiares.  Até os senadores senadors Jorge Viana (PT-AC) e Anibal Diniz (PT-AC) já visitaram os presos.

Nota do Iapen - O diretor do Iapen esqueceu de mencionar o site Ecos da Notícia, que deu o furo ao registrar em fotos e vídeo as marmitas com tatu. Ele também esqueceu de mencionar o flagra da equipe do site A Gezeta.Net. O diretor não consegue enxergar o que deveria enxergar. É lamentável tanto cinismo.

Leia a nota

"O Diretor do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), Dirceu Augusto Silva, afirma que são mentirosas as informações divulgadas referentes à alimentação diferenciada recebida pelos presos da operação denominada  G-7.

A direção do Iapen esclarece que, após apuração dos fatos, foi constatado que a fotografia divulgada não condiz com a alimentação que foi levada ao presídio na segunda-feira pela empresa que atende à Unidade Penitenciária.

Naquela Unidade, 12 detentos em regime semiaberto, estão recebendo refeição em dieta por recomendação médica. Há, também, outros nove, em regime fechado, que têm direito à alimentação diferenciada. Nenhum deles é preso da Operação supracitada.

É lamentável que jornalistas, como o senhor Altino Machado e os responsáveis pelo site de notícias ac24horas, trabalhem com a inverdade, servindo a interesses escusos para macular o trabalho do Iapen, do Sistema de Segurança do Estado e, por extensão, do Governo do Estado.

Os autores da notícia mentirosa serão alvos de representações na Justiça para que iniciativas sofram as sanções legais.

Mas, para que não paire qualquer dúvida sobre os fatos, esclarecemos que a direção do Iapen irá aprofundar os procedimentos para apurar a origem da informação inverídica, garantindo, assim, que a sociedade acreana seja plenamente informada.

Dirceu Augusto Silva"

7 comentários:

Eduardo disse...

O saudoso Zá Leite dizia: "Ninguém vem ao Acre impunemente". E eu complemento: ninguém fica no Acre impunemente. Esses Dirceu e Reni, forasteiros que são, chegaram aqui como membros da Polícia Federal, aqui se aposentaram e não foram mais embora. À toa não foi...

Lindomar Padilha disse...

Capítulo V
Dos Crimes contra o Meio Ambiente


Seção I
Dos Crimes contra a Fauna

Art. 29. Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida:

Pena - detenção de seis meses a um ano, e multa.

Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
geoconde gomes disse...

quer vergonha ser duvidar tem ate ar tv e celular ta de brincadeira a PT

Eduardo disse...

Quer dizer que carne de tatu é recomendação médica para dietas?

Beneditino disse...


Carne de tatu para os integrantes do governo da floresta? Quanta incoerência!
Outra que gosto muito é a tal "Cidade do Povo". Existe alguma cidade que não seja do povo?

Emanuel Baldissera disse...

Comer tatu é bom!
Que pena que dá dor nas costas!