quarta-feira, 8 de maio de 2013

Adeus, Orleir

A imprensa do Acre já era dependente de verbas públicas durante o mandato de Orleir Cameli, que governou o Estado de 1995 a 1999, período em que os jornalistas, se não atuaram com mais liberdade, foi por covardia, incompetência ou má fé.

O fato é que, diferente do que aconteceu a partir dos três governadores do PT que o sucederam, Orleir Cameli jamais perdeu tempo controlando a imprensa ou perseguindo jornalistas por críticas infundadas ou não.

Ele parte e me deixa frustrado porque ainda esperava poder entrevistá-lo. Para saber, por exemplo, como foi lidar com aqueles que o vilipendiaram e depois se ajoelharam aos pés dele para pedir dinheiro e apoio político.

Não seria agora que esqueceria erros, falhas ou crimes que levaram Orleir Cameli a responder processos ou sofrer condenações: corrupção, furto (peculato), falsidade ideológica, contrabando, enriquecimento ilícito, trabalhos forçados, formação de quadrilha e uso de documento falso.

Enquanto a família e amigos de verdade pranteiam, a morte do ex-governador já está servindo para expor o quanto alguns políticos são hipócritas e se enganam imaginando que ninguém percebe.

Justo e sábio, Deus haverá de recompensá-lo pelo o amor. Ninguém leva daqui nada além do amor.

Que descanse em paz.

5 comentários:

Kleison Albuquerque disse...

Não tenho nada contra Orleir Cameli. Muitos exaltam o fato de ter pavimentado rodovias, mas ele era dono de construtora, e era de se esperar que beneficiasse seu setor. Outros episódios entraram para a história, como o caso do avião. Lembro da manchete de um jornal: "Orleir visita o Acre", uma critica sobre as muitas viagens para fora do estado. Até ai tudo bem, isso tem em todos os estados,e em outros países. O que me deixa indignado é ver as mesmas pessoas que lavaram as escadarias do tribunal de justiça, que fizeram protestos e manifestações, que o chamavam de canalha, corrupto, ladrão, estarem agora emitindo notas de pesar, exaltando o "grande homem" que foi. Fico imaginando como os familiares se sentem, nesta hora de pesar, ao receber no velório, esse tipo de hipócrita, dando tapinha nas costas, e prestando solidariedade. Dou meus pêsames também a família, por ter que aguentar esse tipo de canalha, no velório do ente querido.

Márcia Camarão disse...

Só não esqueço o episódio de três meses de salários atrasados que ficaram pendentes no final de seu mandado. Para quem viveu o sufoco de ter três barrigudinhos aqui em casa que dependiam desses recursos, foi sacrificante. Que ele descanse em paz!

Márcia Camarão disse...

Perdão pelo ato falho...mandato é claro.

Maria de Jesus disse...

Grande Homem!!!!!Só sei de uma coisa: o Lar dos Vicentinos em Cruzeiro do Sul é muito grato pelos imensos benefícios doados por ele e a sua família.As Religiosas, Irmãs Franciscanas que o digam. Ele terá sua Glória para sempre. Deus o tenha em seus braços!!!!Descanse na PAZ!!!

Renaldo disse...

Como bem diria os franceses lá no século XVIII, "O rei morreu, viva o rei. Vendo dessa maneira é fácil assimilar o falecimento do Ex-governador, veio a calhar para muitos vianistas virarem carpideiras de momento. Quem mas verdadeiramente está sentindo sua prematura partida são seus familiares e só, os outros, são os outros. Quanto a informação de que quando foi governador deixou 3 meses de salários atrasados não é verdade, foi DEZEMBRO E O 13º.