quarta-feira, 10 de abril de 2013

ISAIAS BRITO

PM é preso por causa de comentários no Facebook contra Tião Viana
 



O sargento da Polícia Militar do Acre, Isaias Brito, foi preso na manhã desta quarta-feira como punição por comentários considerados ofensivos na página que o governador Tião Viana (PT) mantém no Facebook. A punição de cinco dias de prisão, que será cumprida no Batalhão de Policiamento Ambiental, em Rio Branco, envolve também um comentário contra o senador Aníbal Diniz (PT-AC).

Homens da Divisão de Inteligência do gabinete Militar do governador acompanham diariamente os comentários que são feitos na rede social na fanpage de Tião Viana. Ao receber o "relatório de inteligência" com os comentários do sargento, no começo de março, o corregedor geral da PM, coronel Júlio César dos Santos, determinou a abertura de sindicância para apurar  a conduta do policial.

O sargento fez três comentários. O primeiro quando o governador agradeceu a Deus por ter visitado o município de Tarauacá para fazer a entrega de equipamentos de trabalho no valor de R$ 5 milhões a indígenas. Isaias Brito então aparece como o oitavo comentarista do post: "bando de idiotas e pu-saco esse cidadão não merece o respeito do povo do acre. se Deus quiser vai ser cassado muito em breve pelo TSE".

Posteriormente, quando o governador elogiou pronunciamento do irmão, o senador Jorge Vina (PT-AC), e se referia ao senador Sérgio Petecão (PSD-AC) como "aquele Senador, perdido, em busca de qualificação parlamentar mínima", o sargento reagiu: "Quem é o Aníbal Diniz? um poste colocado em Brasília para defender os interesses da quadrilha".

O terceiro comentário do sargento foi feito quando o governador, em Brasília, anunciou que foram aprovados R$ 251 milhões para mobilidade e saneamento e agradeceu à presidente Dilma, ao prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre (PT),  e ao senador Jorge Viana. O sargento aproveitou para criticar o programa de calçamento denominado pelo governador de Ruas do Povo.

- Mais dinheiro para as ruas do povo? vai precisar mesmo afinal as ruas foram feitas no ano passado este ano já precisam ser refeitas. Eu quero ver o senhor cumprir a promessa de pavimentar todas as ruas do estado até 2014 – desafiou.

Durante a sindicância,  o sargento Isaias Brito negou a autoria dos comentários e apresentou um sobrinho como responsável.  O policial alegou que o perfil dele no Facebook ficava aberto no computador de sua casa e que isso teria facilitado o uso indevido da rede social. O sargento, que é filiado e militante do PSDB, esperava o benefício da dúvida para não ser punido.

Após a sindicância, os comentários do sargento foram considerada como "transgressões disciplinares de natureza grave", mas foi decidido que sua ficha permanece no comportamento "bom". A prisão ocorre sem prejuízo da escala de serviço.

- Enquanto durar a punição será concedido o período de duas horas para cada refeição do punido. Seja posto em liberdade na parada matinal do dia 15 de abril do corrente ano – escreveu o major Roberto Marques da Silva, comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar, onde trabalha o sargento.

9 comentários:

Kleison Albuquerque disse...

Sei que não tem nenhuma relação, mas lembrei do DOI-CODI, DOPS, AI-5, do Certificado da Sensura Federal, que aparecia antes da abertura do Sitio do Pica Pau Amarelo. Alguém lembra? Lembro também de quando eu tinha 13 anos, e paguei para pintarem uma camisa, que era minha, com um numero treze. Também lembrei da "Revolução dos Bichos",e de "1984", que estou relendo. Me pergunto se todos que fizeram comentários, também estão respondendo na justiça, e se também ficarão, pelo menos um dia, presos. Se não se pode fazer comentários contrários, por que ter um espaço no facebook. E se o comentário é ofensivo, e a fonte está identificada, por que não se representa na justiça comum, onde qualquer cidadão pode responder ao devido processo legal?

cplauto disse...

Pior que ser punido é não ter assumindo a autoria, seja lá quem o fez, se o fez, em nome do policial.

Renaldo disse...

Ah, quer dizer que agora não se pode mas fazer críticas as suas excelencias, pois isso se constitui em infração grave, onde chegamos, o Estado policial já chegou até a WEB. Daqui uns dias eles vão querer até saber o que fazemos entre 4 Paredes. Prá não esquecer, esse policial na hora em que escreveu estava em serviço, ou tinha se despido da farda e era um cidadão comum? Sendo cidadão ou não, não se pode fazer críticas ao vianismo, eles são SAGRADOS. Os deuses não podem ser questionados. QUEM ERA DA ARENA, SERÁ SEMPRE DA ARENA!

Estado Menor - PM do Acre disse...

O que mais preocupa é o fato de isso ser aceitável, aos olhos da maioria, pelo fato de ser um PM, por ele ser regido por leis próprias. (regulamentos, estatutos etc).

E a Constituição Federal de 1988 que assegura Diretos Fundamentais a todos? Isso soa um tanto genérico mas é muito importante, pois as normas que hoje prendem esse militar são anacrônicas, produzidas há décadas da promulgação da Carta Maior e num regime Ditatorial que prejudicou não só os Civis, mas milhares de Militares que não concordavam e assim como "os heróis dissidentes" apregoados por partidos tidos como esquerda, eram execrados.

A prisão desse Sargento é de Opinião e Política, pois ele é a favor da oposição estadual. Para tanto foi usada às leis castrences como embasamento ao cárcere. Tratamento diferente e justo foi dado àquela aluna que comentou, na mesma famigerada página de facebook, sobre o atraso do início do ano letivo de 2013. O Chefe do Executivo que não foi tão cordial inicialmente, redimiu-se com desculpas e uma resposta educada.

Meus caros, cobramos uma polícia humanitária que preze pela dignidade da pessoa e pelos Direitos Humanos no mesmo instante em que colocamos (pois temos o poder de mudar isso) seus integrantes num regime ultrapassado que fere todos os princípios aos quais buscam defender. E mais, deixamos que sejam explorados nas suas horas de trabalho e que sejam largados em quartéis decrépitos incapazes de abrigar animais sequer.

Não devemos esquecer que esses homens oprimidos são os mesmos que nos guardam enquanto dormimos, que, enquanto assistimos pela tv em segurança, enfrentam os tiros, facas e agressões dos marginais. São os mesmos que protegem nossos filhos quando, longe dos nossos olhos à rua, vão à escola ou à casa do colega.

O nome POLÍCIA MILITAR trás ínsita uma carga muito pesada aos seus integrantes. Esse peso é de nós todos.

"Vivam como numa Ditadura do século XX, mas trabalhem como exigem às leis e os contemporâneos do século XXI."

Gleiciane disse...

O povo que elege pessoas dessa estirpe não é vítima, é cúmplice.

Jose Souza disse...

gente, chamar autoridades civis de quadrilheifos sem provas, é mais grave, é crime. esse sargengo pegou um boi, por responder apenas por transgressão.

eliomar m. disse...

Meu caro Jose Souza, o problema não é chamar quadrilheiro de quadrilheiro. E o que revolta mais em um povo até certo ponto esclarecido é que temos um MP/ac, que não faz nada e fecha os olhos para o que acontece nesse poder executivo. Ai sim gera revolta em todos e não só na oposição que também não é essa cocada toda, mais como temos esses poderes que teriam a obrigação de fiscalizar e não o fazem por um simples motivo: são todos indicados pelo chefe do executivo.

Francisco Dias disse...

Alguém pode me dá o link da MAJESTADE, VOU ARREPIAR E QUERO QUE ELE MANDE ME PRENDER AQUI EM MANAUS!

Francisco Dias disse...

Quando fico puo da vida, tenho um defeito: escrevo em caixa alta, desculpas aos leitores e ao dono da página!