quinta-feira, 7 de março de 2013

E AGORA, JOSÉ?


José Célio de Souza Lucas, 38, desempregado, pai de família. Mais uma vítima da irresponsabilidade da polícia e dos urubus da imprensa.

Suspeito de ter estuprado uma criança de sete anos na periferia de Rio Branco, foi quase linchado e teve o nome e o rosto estampados nos últimos dois dias nos veículos de comunicação do Acre.

Depois do massacre moral, não foi reconhecido pela criança como o estuprador alardeado por moradores, polícia e imprensa.

Desabafo de José Célio de Souza Lucas aos urubus da imprensa, após ter sido declarado inocente pela polícia nesta manhã:

- Agora eu quero justiça. Quero fazer todos os procedimentos de meu direito. Sou uma pessoa do bem, não tenho nenhuma passagem pela polícia. A minha vida é só trabalho e quem me conhece sabe. Minha imagem vai ficar suja e eu não quero. Tenho filhas e não faria uma coisa dessas.


Até o prestigiado G1 (veja) embarcou na canoa furada.

12 comentários:

Felipe Storch disse...

Mostrei uma destas fotos um amigo meu e não contei para ele onde era. Ele ficou chocado. Depois de uns dia contei para ele que era minha cidade e o queixo dele caiu. Ele é de Gana, onde só guerra entre as diversas tribos resulta em fotos como ela. Jamais pensára que "O Brasil" tivesse isso. Triste. Vergonhoso. Verdade pura. -Felipe

joaomaci disse...

Lamentável!!
Altino,acho que "urubus da imprensa" cai bem pra classificar o nível de irresponsabilidade com que agem algumas pessoas que estão sob o título de repórter, jornalista, ou algo do gênero.
Pior do que a conduta deste tipo de gente, somente a das "autoridades" que se deixam influenciar pelas interpretações da imprensa. E pior ainda é quando o próprio "urubu" se transforma em "autoridade".

DoAcre disse...

Um dos maiores erros do STF, foi ter reconhecido que para fazer parte e emitir juízo de valor, não se faz necessário a necessidade de curso superior.
Profissional bem preparado, é profissional estudado, ciente de suas responsabilidades e sua conduta moral e social, que pode manchar de forma inenarrável a imagem das pessoas até a sua morte.
Salvo raríssimas exceções, jornalistas autoditadatas fazem jus a tão necessária, junta e confiável profissão.
Ao resto, os urubus que se encarreguem deles.

DoAcre disse...

Culpa, em parte, do STF, que decidiu pela não formação acadêmica dos profissionais do jornalismo.
Deixando a sociedade à mercê dos pés de chinelo que se auto aclamam "jornalistas", formadores de opinião, levando sempre a sociedade ao erro invencível, haja vista que se apoderam de forma suja e vergonhosa da visibilidade que a mídia lhes proporciona.
O Brasil é assim, movido pelo combustível da hipocrisia e da República de ratos.
Se a sociedade desse as costas a esses "jornalistas" mal feitores e deixassem de ler suas farsas e mentiras, que só prejuízo trazem a todos os homens de bem, teríamos a chance de viver em um Mundo melhor.
Contudo, enquanto isso, nos lambusemos com os pútridos, hipócritas, mercenários, despreparados e desprezíveis "repórteres" pés de chinelo.
Fica a minha indignação e minha solidariedade àquele homem inocente e injustiçado, bem como, de igual forma aos seus queridos familiares.

Unknown disse...

altino a inprensa pode ser penalizada por essas coisas de afirmar casos sem provas contudentes sim ou nao ? O que fazer para limpar o nome de uma pessoa que é inocete e foi absovida da culpa?

Gilson Renney disse...

Veja só altino!! eu vi toda gravação ele se quer foi algemado, pelo que ví quem o espancou foi a população e a policia chegou a tempo para o livrar!! agora não venha falar asneira e dizer que é irresponsabilidade da policia! se você tem alguma pendenga com a policia civil, problema seu! mas nao venha ferir a imagem da PM.

ALTINO MACHADO disse...

Caro asno Gilson Renney, mencionei apenas polícia. PM fica por sua conta.

Priscila Ribeiro disse...

A culpa é da imprensa?

Caro Altino, permita - me fazer uma correção, o Sr José não foi "quase linchado"... foi quase morto. E não foi a imprensa que o espancou.
A imprensa noticiou os fatos: "Homem é linchado por moradores, acusado de estuprar uma criança".
Não foi isso que aconteceu?
Não acompanhei os outros noticiários, mas o G1 Acre e a Tv Acre trataram com bastante responsabilidade esse assunto, inclusive ouvindo as duas partes envolvidas.
É revoltante sabe? Ler comentários, esses sim, irresponsáveis!

ALTINO MACHADO disse...

É muito fácil expor o nome e a cara de um José qualquer, não? Você viu, por exemplo, a TV Acre ou o G1 mencionar nomes de funcionários denunciados como clientes da Operação Delivery?

Priscila Ribeiro disse...

Diferente da operação Delivery, a polícia apresentou o acusado. Só acredito que dessa vez, a imprensa não é culpada. Estavam apenas fazendo seu trabalho!

ALTINO MACHADO disse...

A imprensa não pode se deixar guiar cegamente pelo que a polícia apresenta. Repórter é para apurar. Na dúvida, deveria ter preservado a imagem e o nome do suspeito. É o mínimo. O caso é tão vergonhoso quanto o da escola Base, em Sampa. No caso da Delivery é diferente. Um grupo de duas dezenas de pessoas foi formalmente acusada à Justiça pelo Ministério Público. Não havia impedimento para que os nomes dos clientes fossem citados. O sigilo judicial foi para proteger a imagem das mulheres supostamente vítimas.

Raiele disse...

Na busca pelo furo jornalístico pseudos jornalistas se precipitaram. Querendo ser parecidos com aqueles que veem nos jornais de sangue do sul do país, deixaram-se levar pelo calor do momento. Alguns tentaram reverter o irreversível colocando o ex suspeito, agora vítima, em frente às câmeras para inutilmente se defender do julgo (nada justo) popular. Em uma dessas declarações ouvi José agradecer a Polícia Militar pela preservação de sua vida. A polícia chegou antes que fosse morto pelo linchamento. Sou policial e nunca apresentei um preso à imprensa no local da prisão, mas confesso q por várias vezes não conseguimos preservar a imagem dos suspeitos por diversos motivos prioritários como segurança do local, do conduzido e da propia guarnição, tudo isso enquanto a imprensa apenas molda a notícia como convém...