domingo, 4 de novembro de 2012

HAITIANOS EM PAUTA

Tema da redação Enem 2012: "Movimento imigratório para o Brasil no século XXI".

- Imperdoável se um aluno do Acre não discutir a causa haitiana - comentou a professora Letícia Mamed no Twitter.

Muitos nem vão saber em que século estamos. Sei que é um tema complexo para ser tratado em, no máximo, 30 linhas.


Só os alunos das melhores escolas, com muito estudo e leitura, têm realmente chance.

Imagino que poderemos ter, por exemplo, mais uma turma de medicina na federal do Acre composta por maioria de imigrantes.

Como jornalista, sinto-me realizado. Mais uma vez fui capaz de capturar o espírito da coisa, de tematizar o que de fato é o movimento histórico. O trânsito de haitianos na fronteira acreana desde sempre me angustiou e mobilizou como jornalista.

No Acre, o Prêmio Chalub Leite anda premiando trabalho sobre doação de sangue, mas é incapaz de olhar para aquilo que talvez seja o maior evento da história recente do Estado.

6 comentários:

Roberto Feres disse...

Coincidentemente, ontem à tarde, conversando com o sogro da minha irmã caçula, um senhor japonês na casa dos 70, ele me indagou sobre os haitianos do Acre.
Paulistano aposentado, ele estava melhor informado sobre o caso que muito acreano ilustre...

Administrador disse...

Boa tarde Altino.Três coisas Altino. Uma. sinta-se realizado, já que realmente você tem capturado as dinâmicas históricas em curso na sociedade atual, em especial, a nossa, a acriana. Dois. Sou aluno da precária Escola Rural de Ensino Fundamental e Medio Dr. Santiago Dantas, na Transacreana, zona rural, que não figura entre as melhores escolas do Acre, mas já passei em 4 vestibulares e ano passado tirei nota 980 no enem,aprovado para Direito na UFAC. Agora uma coisa é fundamental, leitura e percepção política e social. Três. Você deveria ser premiado em algumas categorias do citado prêmio.

Beneditino disse...


Haitianos: bingo!!!! Crescimento econômico brasileiro x pessoal qualificado: bingo!!!! A redação para mim teria estas duas vertentes. Uma de vítimas da miséria e outra de oportunidades para estrangeiros altamente qualificado no Brasil. Em números, o segundo grupo é bem maior que o primeiro.

Roberto Feres disse...

Afinal, o Acre é o melhor lugar pra se viver...

VÍTOR FARIAS disse...

‎- Imperdoável se um aluno do Acre não discutir a causa haitiana - comentou a professora Letícia Mamed no Twitter. Meu comentário: O pior que não discutirão. Se o fizerem, será por meio de cópias dos textos de apoio, visto que poucos se interessam por um assunto como esse, ou melhor, um assunto essa envergadura analítica. Se se interessam, não vão além, salvo raras exceções, do olho torto e do tom preconceituoso que a maioria dos comentários sobre os "degredados" carrega.

Edcharles Magalhães disse...

Infelizmente a grande maioria dos alunos do Acre não terão desempenho satisfatório nesse tema e em outros também.
É duro dizer isso mas nossos estudantes não sabem ler. Ler no sentido de compreender o que estão lendo, a compreensão de mundo da maioria só vai até o uso do facebook!
E nesse caso em específicos dos Haitianos ainda há o agravante de não haver material suficiente e de qualidade para eles pudessem entender, já que a cobertura jornalistica do caso é muito amadora.Poucos são os jornalistas do Acre que sacie integralmente leitor ou telespectador sobre um assunto.