sexta-feira, 8 de junho de 2012

SERPENTES PEÇONHENTAS

“É mais fácil sermos mortos por outro humano do que por uma cobra”, diz pesquisador de serpentes e acidentes ofídicos


O professor Paulo Sérgio Bernarde, do campus da Universidade Federal do Acre (Ufac) em Cruzeiro do Sul, lança neste mês o livro “Serpentes Peçonhentas e Acidentes Ofídicos no Acre”, que retrata as espécies de cobras venenosas do Estado e também os casos de ofidismo (picadas de cobra).

Paulo Bernarde, que nasceu em Guararapes (SP) há 40 anos e mora no Acre há quase sete anos, orienta alunos dos cursos de Ciências Biológicas e do Mestrado em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais da Ufac em Rio Branco.

Dividido em 15 capítulos, com 112 fotografias coloridas, o livro apresenta informações sobre a classificação e biologia das serpentes, dentro de outros aspectos sobre a história natural desses animais.

Em relação aos acidentes ofídicos (picadas de cobras), é apresentado os diferentes tipos de venenos e os sintomas nas vítimas, que é o principal critério para que profissionais de saúde possam reconhecer qual é o gênero causador e tipo de soro a ser ministrado no paciente.

Outro aspecto abordado são os cuidados em campo para prevenção de acidentes ofídicos e os primeiros socorros, denotando a importância da obra para os profissionais que trabalham em florestas e na área rural (biólogos, agrônomos, engenheiros florestais, analistas ambientais, militares etc) e também para as pessoas que vivem na Amazônia.

No livro também são apresentadas lendas e crendices sobre as cobras, o que desmistifica algumas condutas inadequadas de primeiros socorros que podem até agravar o quadro da vítima.

Na Amazônia muitas vezes as vítimas estão distantes do atendimento médico nos hospitais além de existir por parte dos profissionais de saúde certa dificuldade no reconhecimento da espécie de serpente causadora, fatores estes que, associados a crendices populares, podem agravar o quadro da vítima e contribuírem para o surgimento de complicações e sequelas.

Doutor em zoologia pela Universidade Estadual Paulista, o biólogo Paulo Sérgio Bernarde conversou com o Blog da Amazônia. Clique aqui para ler os melhores trechos da entrevista.

8 comentários:

Enzo Mercurio disse...

Meu Pai seringueiro antigo , sempre dizia que quando se mata uma cobra , aparece muitas outras.
Quando eu era criança ali perto da Tentamem aparecia muita cobras , eu com certeza me livrei de varias.
Naquele tempo as cobras eram mais verdadeiras, hoje elas moram em Brasilia.
Por fim belo livro parabens ao autor.

elson disse...

Recentemente estive fazendo uma busca sobre serpentes do nosso Estado esse livro veio numa boa hora.

Elson

Paulinha Cameli Rodrigues da Silva disse...

Grande professor Paulão! Parabéns!

joao bosco guerreiro da silva disse...

Parabéns ao autor! Trabalho necessário. Quando trabalhei no Acre nos anos 80 nem no Butatan podia se encontrar esse tipo de informação.

sérgio de carvalho disse...

Opa Professor Paulo,
Gostei da informação que o senhor é de Guararapes, sou de Valparaíso.
Vizinhos.
Um abraço

Thiago Silva disse...

Altino, sabe informar quando e onde o livro estará a venda?
Desde já, agradeço.


paz e bem

ALTINO MACHADO disse...

Thiago, no final do post tem e-mail do autor para que você possa adquirir o livro e outras informações.

ALTINO MACHADO disse...

Thiago, no final do post tem e-mail do autor para que você possa adquirir o livro e outras informações.