terça-feira, 17 de abril de 2012

OPERAÇÃO MILÃO


Embora esteja sendo usada muita verba pública, ninguém consegue entender o que levou o governador do Acre, Tião Viana (PT), a proibir a divulgação da lista com os nomes das 58 pessoas da delegação que o acompanha em "missão oficial" à Milão.

Leia mais:

Governador do AC leva comitiva de 60 pessoas para Milão

Mas, aos poucos, as imagens da estatal Agência de Notícias do Acre revelam alguns convidados.

A primeira-dama Marlúcia Cândida, que é arquiteta e curadora da exposição "Origins: The Sustainable Income of Acre", por exemplo, fez uma palestra sobre "arquitetura típica do seringueiro e sua aplicabilidade em construções urbanas".

Marlúcia Cândida, como bem mostra a foto acima, levou para Milão a jovem Carol Sgorla, estagiária (não é mais?) no escritório particular de arquitetura que a primeira-dama mantém em Rio Branco.

O trabalho da jovem arquiteta em Milão, como sugere a foto, foi passar os slides durante a apresentação da primeira-dama.

As fotos da Agência de Notícias do Acre (de péssima qualidade, registre-se) também revelam que o marqueteiro Gilberto Braga, da agência de propaganda Companhia de Selva, que detém a conta do governo estadual, está em "missão oficial" em Milão.

Coincidência ou não, na quarta-feira (10), dois dias antes da viagem da numerosa delegação, a Secretaria de Comunicação do Acre pagou R$ 150 mil para a Companhia de Selva.

O governo do Acre não pode se envergonhar da seleta lista de convidados e deveria tratar o caso com a devida transparência.


Clique aqui para ver mais fotos da delegação do governo do Acre em Milão. O pessoal está visivelmente afetado pelo fuso horário europeu.

49 comentários:

zamerico disse...

O Acre dos Vianas é um vexame e essa primeira dama...

Eduardo Carneiro - é Professor da Universidade Federal do Acre, doutorando (USP). disse...

Altino... a demora na divulgação está sendo por causa da JUSTIFICATIVA bem montada que eles estão fazendo para a FARRA NA ITÁLIA... como sempre vão alegar mil e um benefícios para o ESTADO DO ACRE e para o microempresário local... o certo é que o governador perdeu o bom censo e deveria se envergonhar não de publicar os nomes... mas de ter levado tanta gente.

Todos sabem que o Estado do Acre é miserável... não tem como bancar regalias como essa.

Mais dinheiro público é assim... é como se fosse celular do senado federal... serve para a famíliocracia.

Beneditino disse...

Li hoje no Página 20 defesa do deputado Moisés Diniz (PCdoB)sobre a viagem do governador Tião Viana ao Salão Internacional do Móvel de Milão. Afirma que ela "poderá render milhões de reais em contratos com o setor moveleiro acreano, além de propiciar a instalação de empresas na ZPE do Acre". Qualquer pessoa com o mínimo de instrução sabe que a movelaria local jamais poderá competir com a européia. Se eles tiverem interesse em importar alguma coisa seria unica e exclusivamente a madeira. Mesmo que houvesse a mais remota possibilidade de exportação de móveis, precisa de um "avião da alegria" com dinheiro público para tal? Por fim, o Acre "exporta" móveis para os outros estados brasileiros? Decididamente, não se fazem mais comunistas como antigamente.

Leonildo Rosas disse...

Altino,meu caro,você sabe em quase sempre há pessoas tentando desvirtuar viagens que tent!am encontrar alternativas para o nosso querido Acre. Em 2009 eu você, o ex-deputado Luiz Calixto e diversos companheiros participamos de uma expedição pelo Rio Juruá até Manaus. Mal interpretado pela imprensa, esse evento prejudicou demais a imagem do nosso amigo Edvsldo Magalhães, ex-presidente da Aleac e hoje meu colega de governo que também veio trabalhar em Milão.
Companheiro e conterrâneo, não esqueça que avaliações precipitadas levam a erros iguais aos que foram cometidos no passado no qual você e outros foram protagonistas.
Não julgue jovens como a Carol, que é origem humilde como a gente e foi peça fundamental para a montagem do espaço destinado ao Acre num evento tão importante.
Ela não merece ser alvo, como você, que dividiu apart!ento comigo no navio Igarati-Açu, não mereceu.
Sejamos adversários, mas joguemos limpo e sem querer atingir inocentes.
Antes de fazer pré-julgamentos, tente entrevistar os pequenos marceneiros que tiveram pela primeir vez, a oportunidade de conhecer uma região-referência no aproveitamento de madeira.
Ousa a Fieac, a federação que investiu muito recurso noz empresários.
Não. apequene à critica fácil.
Dm vez de levantar questionamentos vazios, o melhor caminho seria o de se orgulho de ter uma acreana de coração como a primeira-dama, Marlúcia Cândida, ministrando aula numa instituição do porte da Escola de Design de Milão, que é a melhor do mundo.
Um abraço e, por favor, publique. Não censure opinião porque não fica em assim para quem defende a democracia agir dessa maneira

joaomaci disse...

Não faltarão justificativas vazias. Mas acredito que grande parte dos marceneiros acreanos que foram sufocados pela política florestal engendrada no auge da florestania, sob a defesa de uma suposta organização do setor, não aspirava exportar peças de "moderníssimo design", e sim continuar fazendo os armários, cômodas, mesas, cadeiras, prateleiras, estantes, bancos, balcões, portas, janelas... e uma infinidade de objetos que eles vendiam para os próprios consumidores acreanos que hoje compram portas e janelas de alumínio e móveis de farelo de madeira.

Leonildo Rosas disse...

Só para completarão comentário anterior: os erros acima não são por desconhecimento. São de mera distração e erro de digitação

Beneditino disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Beneditino disse...

Sei que comentaristas de blogs devem respeitar o grau de instrução dos "colegas", mas no caso em tela o soneto saiu pior que a emenda. Eventos por distração e de digitação não explicam erros grosseiros de concordância e conjugação verbal. A língua de Camões merece um mínimo de respeito.

Beneditino disse...

Altino, removi o comentário anterior por ter cometido uma "distração de digitação". Já corrigi a palavra e enviei novo comentário. Espero, ansioso, sua resposta ao sr Leonildo, afinal você não agrediu estagiária alguma.

ALTINO MACHADO disse...

Beneditino, não tenho necessidade de ficar explicando ou desmentindo o que escrevo. Como vale o que está escrito, e em respeito ao leitor, não vou comentar. Cada um é livre para interpretar os fatos como bem entender.

Eduardo Carneiro & Egina Carli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João disse...

O temor da maioria das lideranças da FPA (moribunda, diga-se de passagem), era que o nosso Senador Tião Viana se eleito fosse fecharia o ciclo do grupo no poder pela sua maneira peculiar de agir. ( Ex. Caso Caseiro x Antonio Palocci, Celular do Senado com a fatura de 14 mil reais e quando ele tentou peitar o Senador Sarney). O deputado Siba Machado deve lembrar até hoje as palavras pouco gentis do nosso Gov. recém eleito, quando foi pedir a pasta da Seaprof. Pelo visto o temor está se confirmando. A mais ou menos uns 18 anos eu ouvi a seguinte frase: “ JV e TV são um mal necessário.” Eu concordo com a pessoa que disse essa frase, por que sem eles jamais o PT tinha obtido sucesso para algum cargo majoritário, e os mesmo que conduziram o PT a gloria, são exatamente os que vão conduzir a desgraça. E eu estarei assistindo tudo de camarote.

João Francisco disse...

Léo,

O Altino publicou seu comentário, porque você democraticamente não publica os comentários alheios na sua coluna politica, você vem falar em democracia, você não sabe o que é isso, agora que você virou companheiro dessa grande acreana e arquiteta que você tanto criticava seus trabalhos arquitetonicos, lembra do prédio do Barão Cunha; não vou pedir pra você parar de puxa-saco já que você cortou um pra agradar ao seu atual chefe, amanhão para agradar alguém deve fazer alguma coisa diferente. Viaje tá sendo proveitosa?

Carlos disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

esses comentários estão hilários "cortou o saco para agradar o chefe" kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Pois minha opinião é essa: essa viagem é uma palhaçada! Tantas coisas para se fazer por aqui, tantos funcionários para se capacitar em várias áreas, tanta estrutura faltando e esse povo vai verificar as possibilidades em Milão, faça-me o favor! E outra, se essa fosse a real intenção, 3 pessoas bastariam. Ridículo.

Eduardo Carneiro - é Professor da Universidade Federal do Acre, doutorando (USP). disse...

A pergunta é: por que levar estagiárias e pessoas que ocupam cargos comissionados?

Não há inocentes nessa história fúnebre para o orçamento do Estado.

Por que não levou funcionário público de carreira?

Fátima Almeida disse...

A Marlúcia Candido não está ministrando aula na escola italiana de design, ela está expondo sua dissertação de mestrado sobre as habitações de paxiúba dos extrativistas, isso dá para se ver, claramente. A iniciativa de levar os marceneiros pode redundar em fracasso porque eles não têm formação para aproveitar a viagem. Precisariam ter cultura geral, saber o que é um colonial, um Luis XV, noções de história e estética, precisariam já estar fazendo algo mais notável do que os caixotes que fabricam sempre iguais, ano após ano, a guisa de móveis, para poder assimilar o valor artístico do que foram ver na mostra de Milão. De todo modo, foram todos apenas para dizer: temos madeira.

Assis disse...

Uma Acho que está mal escrito porque foram 58 ou 60 pessoas????

Luis Eduardo disse...

Queria ter ido.

Luis Eduardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ALTINO MACHADO disse...

Assis, fui o primeiro a noticiar que a delegação é formada por 60 pessoas. Posteriormente, o governo estadual informou a um site local que a comitiva tem 58 e não 60 pessoas. Qual a diferença? O que eu queria mesmo era ver a lista de convidados.

ALTINO MACHADO disse...

Assis, fui o primeiro a noticiar que a delegação é formada por 60 pessoas. Posteriormente, o governo estadual informou a um site local que a comitiva tem 58 e não 60 pessoas. Qual a diferença? O que eu queria mesmo era ver a lista de convidados.

Andarilho disse...

A professora Fátima foi perfeita na seu comentário!
'Primera-dama ministra aula na Escola de Design de Milão'
'Jovens marceneiros do Acre farão curso oferecido pela Escola de Design de Milão'
Adoro essas manchetes de efeitos da equipe de comunicação do governo.
Sabe qual é o engodo? É que vc´s não conseguem nem convencer seus próprios. E isso que deixa a galera recebendo pela teta, mas na hora do voto, vota contra!
A proposito, gostaria de conhecer esses futuros alunos da escola. Pq eles teriam que ter uma bagagem de conhecimento, cito os comentários da Fatima Almeida, e, mesmo que os tenham, iria lhes perguntar 'Velho tu vai trabalhar de marceneiro para que? Com essa bagagem de conhecimentos é para vc trabalhar em coisa rentavel!'
Também queria saber o projeto de planejamento mostrando o investimento desse grupo de alunos e sua rentabilidade para o Acre!

eliomar m. disse...

Meu caro Altino Machado, continue divulgando as noticias do mesmo jeito que vc sabe pois quem tem que prova o contrário é o governo, e seu assessor Léo que fala de democrâcia sem afinidade alguma com à tal. E como diz o senhor Joäo Francisco, o senhor Léo e o jornaleco P20, colocam as matérias mais näo colocam no site os comentários contrario ao governo, mais se for para fazer babaçäo ai sua coluna e o jornaleco é rapido no gatilho.

eliomar m. disse...

O que é mais terrivel é que o governo da frente popular e do governador Bastiäo Viana, dá muitas oportunidades para os estágiarios, e os funcionarios públicos efetivos se quer tem oportunidades. A näo ser os funcionarios que fazem parte das panelinhas dos secretarios. E meu caro Léo o que é que aquele vergonhoso turismo pelos rios num lindo barco que foi patrocinado com o dinheiro do contribuinte, trouxe de fato para à econômia do Estado do Acre. Nada pois aquilo foi somente uma farra e näo tinha nada de estudos das rotas pelos rios da amazonia, e mais senhor Léo, os italianos näo estäo nenhum pouco preocupados com à paxiuba. Mais nós acreanos estamos sim preocupados com esses desvios de condutas de vcs do governo, e como täo tratando os recursos públicos que saem aos montes pelos ralos da corrupçäo.

Klederson disse...

Olha, o fato do salão do móvel é sim uma coisa bacana e o Acre pode sim vir a competir com a industria moveleira de qualquer lugar. Com o investimento correto e acompanhamento correto, temos materia prima e mão de obra para tal.

Ser ou Não Ser... disse...

Erros crassos de português são imperdoáveis. Leia o texto produzido zilhões de vezes, caso seja necessário dê um F7 (ortografia e gramática) no word, mas não o publique de qualquer jeito, pois além de parecer que o indivíduo precisa voltar ao fundamental II, fica parecendo desleixo.

Luis Eduardo disse...

Klederson,
já posso rir?

Catherrine Milli disse...

Meu caro Altino, admiro sua coluna e sua escrita. Seus questionamentos são coerentes e o que dizer da não liberação dos nomes da missão oficial ao Salão Internacional do Móvel de Milão? E esse defensor da viagem que se quer preocupou-se como escrever seus comentários alegando erros de digitação e distração? Patético achar que essa viagem irá beneficiar os marceneiros acreanos ou mesmo trazer contratos moveleiros. Esse povo perdeu a noção do ridículo. É uma falta de coerência sem limites. E essa exposição de dissertação de mestrado sobre as habitações de paxiúba dos extrativistas? Qual o objetivo? Como diz o comentário da Fatima Almeida...foram apenas dizer....ei! ainda tem um pouco de madeira, podem ir pegar. Cada coisa!!!!

Kaline Rossi disse...

Todo mundo quer/gosta/compra/admira móveis de madeira mas é contra ou olha torto pro manejo florestal sustentável das florestas, de onde sai a madeira pros móveis. Mais um ponto pra incoerência.

Cleiverson disse...

Acessor de comunicação que não tem dompinio da lingua portuguesa, estagiários especiais, marceneiros em Milão, defesa de doutorado e muito mais... Me lembra a missão para a Ásia que iria abrir novas portas e investimentos para o Acre e no final... Foi um bom passeio para todos.

Beneditino disse...

Partes de matéria de hoje do P20:

- “Nossa vocação econômica está assentada em madeira, frutas tropicais, alimentos à base de peixe, castanha e borracha." - Comentário: Mas só produz carne de vaca e mandioca.

- "Somos o Estado que menos desmatou e que mais está crescendo na Amazônia. Criamos a primeira Zona de Exportação do Brasil” e "O Acre tem 87% por cento de cobertura florestal e que a floresta é utilizada com absoluta regra ambiental e, para isso, é necessário empresas também corretas" - Comentário: Se tem 13% de desmatamento, então é maior que AM, RR e AP. Mais cresce na Amazônia? Isto só pode ser brincadeira. E, por último, no Brasil não tem empresas corretas, só na Itália.
Lendo essas frases, só uma coisa me vem à lembrança: A DITADURA MIILITAR. "ESSE É UM PAÍS QUE VAI PRÁ FRENTE, Ô,Ô,Ô,Ô,Ô." É idêntico, só mudaram os atores.

Lucas Silva disse...

Faltou ficar claro aqui que a Carol não é estagiária, e nem pode ser, pois já é formada em arquitetura e urbanismo.
Portanto, diferente do que foi postado e como vi em muitos comentários, Carol Sgorla não é estagiária, já foi um dia, hoje não mais.
Salvo me engano, sua empreitada nessa viagem se deve à organização do espaço, destinado ao Acre.
A viagem, por si só, já tem muito pano pra vender. Comentar o papel da Carol através da interpretação de uma foto, onde ela se encontra passando um slide é muito comodismo.
Mas, como todo mundo é livre, interpretamos aquilo como bem nos convém.

Um abraço.

Regina Cavalcanti disse...

Todas as vezes que leio uma notícia como essa, não consigo deixar de pensar no livro "A Revolução dos Bichos" de George Orwell.

Janu Schwab disse...

Eu adoraria ver que a viagem a Itália rendeu bons frutos pr'aquilo que se chama de produção moveleira acreana, que é (assim como tudo no setor criativo) anêmica e, como dizia um Professor de Linguagem Visual, "naïf demais para se amar".

O Acre, ao contrário de alguns outros estados brasileiros, ainda não enxergou o Design e demais disciplinas da Indústria Criativa como estratégia de desenvolvimento da sua economia.

Quando visitei o pólo moveleiro e conheci os produtos feitos ali, a única coisa que consegui sentir foi o desgosto ao ver oportunidades despediçadas.

Cansei de ir em exposições e lojas de móveis em São Paulo, cheios de produtos de design assinado, absurdamente lindos (e caros) usando madeiras certificadas da Amazônia. Todos vendem bem!

Devo ser uma péssima pessoa por não ver graça em tamboretes, mesas pesadas e tentativas de marchetaria, mas os produtos são feios, sem apelo comercial e valor agregado. E caros.

Outro dia li uma notícia a respeito da produção local de mobiliário escolar. Mostrei para minha avó, acreana do pé rachado e "exilada" como eu. Ela pasmou: "Vixi, ainda usam essas carteiras feias, pesadas e duras de sentar?" Ela disse tudo. Feias, pesadas e duras de sentar.

O mesmo desgosto sinto quando estou em Rio Branco e levo amigos "forasteiros" para visitar a Usina de Arte, um lugar maravilhoso, cheio de boas intenções, mas estéril e incapaz de se tornar o núcleo da economia criativa do estado. Só vi aquele lugar cheio em época de espetáculos e shows.

Antes que algum azedo patrulheiro virtual governista venha dizer que eu jogo contra o Acre por desconhecer as maravilhas do pólo moveleiro ou da usina de arte, me adianto: não sou oposição, tampouco situação. Fico é uma arara quando vejo o atraso de um segmento de mercado onde há terreno fértil para tal.

E mais: não conheço quem troque as "maravilhas" dos móveis planejados da Todeschini e similares por algo feito no pólo moveleiro - seja de manejo florestal sustentável ou não. Sigo adiante: Quantos jovens e adultos da periferia foram formados nos poucos cursos da Usina de Arte e onde e em quê estão trabalhando agora?

Carol Sgorla eu conheço. É um amor de pessoa. Mas não só isso. É um talento local. Não é culpa dela se os muros que dividem a iniciativa privada e Poder Público são baixos. No Acre a coisa funciona assim: ou você entra no ritmo da dança do grupo que manda ou é pisoteado - ou pelo grupo ou pelas contas a pagar que vão chegando.

Eu não moro no Acre porque não gosto da terrinha. Estou onde estou porque em terras acreanas a meritocracia, na maioria das vezes, não vale lhufas. Seu talento não vale se não for alinhado, no cabresto da ideologia vigente e a serviço de arrivistas com síndrome do pequeno poder. Como se desenvolve uma economia assim?

Em São Paulo, selva de pedra, mesmo atendendo contas do Governo Dilma, convivemos com tucanos, petistas, marxistas, kirchneristas, corinthianos e flamenguistas. Os embates conceituais são imensos, mas juntos fazemos campanhas eficientes que atendem as demandas dos clientes. O que importa é o mérito baseado no talento de cada um - e opiniões fazem parte do desenvolvimento desses talentos.

Acredito que as intenções do governo acreano sejam boas. E vou adorar saber que a viagem a Itália rendeu bons frutos. Ver que deixamos de ser uma economia meramente extrativista e passamos a agregar valor aos produtos além do manejo sustentável, tornando-os atrativos e atraentes para mercados consumidores maduros, sejam eles no norte, no sul ou na gringolândia.

Mas por enquanto tudo é tão ingênuo, malogrado pelo imediatismo e sem apuro, que os resultados são como são: anêmicos. E, como dizia meu Professor de Linguagem Visual, "naïf demais para se amar".

Luis Eduardo disse...

Senhores designers, alguma promoção para água potável em caminhões pipas?
Porque tá foda!

Alexandre da Rocha Gomes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alexandre da Rocha Gomes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alexandre da Rocha Gomes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eduardo Carneiro & Egina Carli disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alexandre da Rocha Gomes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
@MarcelFla disse...

Só não entendo o porque da não liberação dessa lista, isto de um partido que quer uma "comissão da verdade", para apurar fatos ocorridos em um governo que por sua natureza, escondia seus feitos.

Essa não transparência acabou já, quanto mais tempo demora pior fica.

Eduardo Carneiro - é Professor da Universidade Federal do Acre, doutorando (USP). disse...

a questão não é se a profissional é estagiária ou não... ou se formada ou secundarista... a pergunta é: ela é concursada? Por que ela e não outra?

Gastar mais de dez mil reais do dinheiro público para uma pessoa "organizar o espaço" da apresentação da dissertação da primeira dama é justificável? Salve me engano, a organização do estaço é tarefa dos promotores do evento. E para piorar, dizem que várias pessoas estão alegando ter viajado também com essa mesma missão.

Se o governo fosse honesto, divulgaria o nome de cada componente da viagem, justificando, inclusive, os motivos de tais pessoas terem sido "agraciadas" com a viagem "a trabalho".

EX: não sei o motivo pelo qual o ex-petista e agora membro do Tribunal de Contas do Estado foi convidado para esse time. Qual a função dele em Milão.

Será que ele tem moral para testemunhar uma possível "lambança" do dinheiro público?

Se ele e a naluh tivessem vergonha na cara teriam recusado adentrarem ao TCE via indicação política. Pois essa prática era comum aos governos "antidemocráticos" que tanto criticavam.

Ao invés de terem aceitado, o que tirariam dele a missão humilhante de ter que ficar pedindo voto em todo pleito eleitoral...

eles deveriam é ter recusado o convite e ter elaborado um projeto de lei, como deputados que eram, que para ABRIR CONCURSO PÚBLICO PARA O CARGO DE CONSELHEIRO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO.

O moralismo dos "herdeiros" de Chico Mendes não passa de um egoísmo disfarçado.

Epa, me lembrei que não posso citar o nome do Chico Mendes se não alguém vem e me processa pedindo indenização pelo uso do nome...kkkk

Eduardo Carneiro & Egina Carli disse...

o négócio agora é esperar o governador se manifestar publicamente sobre o assunto.

Ser ou Não Ser... disse...

Sabe qual é a proporção da meritocracia aqui no Acre Janu? 1:1.000.000. É por isso que os bons se exilam...

Luis Eduardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luis Eduardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Enzo Mercurio disse...

O bom era quando a viagem mais longa era para o seringal

Jairon disse...

Com informações do P20 de 20/04/2012, coluna "Na Tribo".
Menu Internacional I
O grupo AFA, que assina coquetéis, jantares e eventos da sociedade acreana, teve seu ápice durante Feira Internacional, que ocorre anualmente na principal cidade da Lombardia, província de Milão. Durante o Dia do Acre, o Acre Day, no Espaço Brasil S.A, a proprietária do famoso Buffet Genny Abrahão e sua chef Suely Cardoso serviram comidinhas típicas da terrinha, e os comensais ficaram encantados com os temperos e os sabores da culinária acreana.

Menu Internacional II
O menu servido: Pirarucu na Casaca, Tapioca Recheada, Bijo, Risoto de Pato, dentre outros. A feira, que reúne gente do mundo inteiro, é uma das mais famosos do gênero, e quem conferiu o sucesso dos pratos servidos ficou impressionada com receptividade e o lamber dos lábios, pasmem! até dos japonese presentes. Agradou gregos e troianos, literalmente.

Catherrine Milli disse...

Janu...perfeito seu comentário.

Jairon....quem tem acesso a escrita em jornais escreve o que quer, mas como será que ficou a digestação dessas pessoas? Não conheço a culinária acreana, mas pelo que li no seu comentário parece ser bem forte. Para alguns desses pratos levaram os ingredientes do Acre?