segunda-feira, 26 de março de 2012

IRAILTON LIMA DE SOUSA

Cursando faculdade há 21 anos, petista do Acre vai assumir diretoria no MEC


O “professor” Irailton Lima de Sousa, diretor-presidente do Instituto de Desenvolvimento da Educação Profissional Dom Moacyr, do Acre, anunciou que vai assumir a Diretoria de Integração das Redes de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação.

Militante do PT e ex-candidato a vereador em Rio Branco, Irailton Sousa foi indicado para o cargo com aval do ex-governador do Acre, Binho Marques (PT), que atualmente ocupa o cargo de titular da Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino do MEC, além do aval do atual governador Tião Viana (PT).

Porém, Irailton Sousa, enfrenta dificuldade para apresentar o diploma de graduação em Ciências Sociais pela Ufac (Universidade Federal do Acre), exigido pelo MEC. Segundo a coordenação do curso de bacharelado em Ciências Sociais, Sousa iniciou o curso, pela primeira vez, em 1991.

- Os cargos no Ministério da Educação são de livre provimento. São cargos políticos. Não existe uma exigência legal para que tenha a formação - argumenta Sousa.

Consultada pelo Blog da Amazônia, a coordenadora do curso de bacharelado em Ciências Sociais, professora doutora Eurenice Oliveira de Lima, enviou a seguinte nota de esclarecimento:

"1 - O referido aluno iniciou o curso, pela primeira vez, em 1991. Temendo um processo de jubilamento, prestou novamente vestibular e reiniciou o curso em 1998. Considerando todo o período, ele está há 21 anos no curso Ciências Sociais. Em 2004, este aluno não estava sequer cadastrado no Sistema de Informação do Ensino (SIE).

2 - Conforme o Histórico Escolar do aluno, disponível no sistema da UFAC, a carga horária cumprida por ele ao longo desses 21 anos foi de 2.070 horas, sendo que a carga horária exigida para concessão de diploma como Bacharel em Ciências Sociais é de 2.295 horas.

3 - Este aluno deveria ter sido jubilado em 2005. No entanto, em 2007, a Coordenação do Curso autorizou ao Núcleo de Registro e Controle Acadêmico da UFAC (NURCA) o recadastramento para que ele tivesse a oportunidade de defender sua monografia, o que foi feito em 2008, sob a orientação do Prof. Dr. Ermício Sena.

4 - De acordo com o Projeto Curricular Pedagógico do Curso de Ciências Sociais, o prazo de integralização é de sete anos. No entanto, o aluno em questão defendeu sua monografia sem integralização de créditos, dez anos depois de sua matrícula em 1998.

5 - Além disso, à época da defesa de sua monografia, o aluno devia outros créditos e também o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE), que integra o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES). Estabelece o Ministério da Educação e Cultura (MEC) que o ENADE faz parte do componente curricular, de maneira que o seu descumprimento não permite colar grau ou obter diplomação. Isto posto, a declaração de conclusão do curso, que o aluno pleiteia junto a esta Coordenação, não tem validade legal.

6 - Outrossim, uma vez defendida a monografia, o mencionado aluno ingressou com uma solicitação de colação de grau especial, por meio da Vice-Reitoria, na pessoa do Prof. Dr. Pascoal Muniz, procedimento este totalmente inadequado. Pois o caminho correto é que esta solicitação seja feita diretamente na Coordenação do Curso, instância responsável por dar sequência aos procedimentos cabíveis, que se pauta pela normas vigentes na Instituição e sempre orientou os alunos sobre seus direitos e deveres.

7 - Como se vê, esta é a síntese da trajetória acadêmica apresentada pelo discente. Cabe a pergunta: este aluno tem autoridade para tecer críticas à UFAC e a seu corpo docente, que estão apenas cumprindo a legislação educacional em vigor? Entendo que este não é o melhor caminho para quem pretende cuidar do futuro de milhões de jovens brasileiros que aguardam ansiosamente as oportunidades do PRONATEC, programa em que o aluno parece pleitear um cargo de direção.

8 - Por fim, ressalto que a Coordenação do Curso de Bacharelado em Ciências Sociais está aberta e disponível a prestar quaisquer esclarecimentos sobre o caso, assim como as demais instâncias da UFAC, primando sempre pela transparência e rigor na administração pública."

Veja a íntegra da entrevista com Irailton Sousa no Blog da Amazônia.

13 comentários:

Ilustre Desconhecido disse...

Ainda bem que ele não faz medicina. Se com Ciências Sociais, curso de três anos, ele arrasta há duas décadas, em Medicina ele poderia pedir transferência para o INSS e se aposentar como estudante.

Ser ou Não Ser... disse...

Vejam só a quantidade de oportunidades que esse individuo teve da instituição. Tá faltando integralizar os créditos amigo.
Pergunto: Essa complascência da UFAC é comum a todos os graduandos que não integralizam suas grades em tempo hábil?

Ser ou Não Ser... disse...

Vejam só a quantidade de oportunidades que esse individuo teve da instituição. Tá faltando integralizar os créditos amigo.
Pergunto: Essa complascência da UFAC é comum a todos os graduandos que não integralizam suas grades em tempo hábil?

Eduardo Carneiro & Egina Carli disse...

Acredito que o PT teve a oportunidade de ACABAR com a putaria das INDICAÇÕES. Tal prática é vergonhosa e tanto criticada pela esquerda. É uma corrupção legalizada. A pessoa assume cargo público sem concurso só por que é conhecido de fulado de tal que é político profissional. O PT se diz tanto moralista, mas as práticas "coronelistas" falam mais altas. Olha ex-governador Binho, primeiro devolve ao povo do Acre sua aposentadoria vitalícia... renuncia essa imoralidade... Depois, ao invés de indicar apadrinhados, tenha ética e defenda CONCURSO PÚBLICO, a fim de que o mais preparado assuma os cargos. Essa prática é antiga do Brasil... assumir cargo público por "tráfico de influência" legalizado. Aquele que assume, também é corrupto. No Brasil, a corrupção é uma prática tão banalizada, que aqueles que a praticam ainda se dizem éticos. O passado Brasileiro quer se presentificar... entra governo e sai governo e a ladainha é a mesma... basta ter uma amigo e é empregado. VAI FAZER CONCURSO VAI!!!!

Albuquerque disse...

Danou-se tudo mesmo. Um secundarista tomando conta do ensino profissionalizante no país, já, já o Acre aparece na mídia nacional.

Catherrine Milli disse...

É essa pessoa que vai assumir um cargo no MEC? Que país é esse? Binho, você, experiente em educação vai indicar uma pessoa sem qualificação para um cargo no Ministério da Educação? O governador do Acre também indica? Ser qualificado não diz mais nada? Esse é o parâmetro dos que estão no "poder" no Acre. Ah! Sem sombra de dúvidas, no MEC, deve ter um servidor de carreira, concursado, com competência para esse cargo. Estão querendo extender para Brasília o mau hábito de indicação usado no Acre.

Catherrine Milli disse...

É essa pessoa que vai assumir um cargo no MEC? Binho, você, experiente em educação indica uma pessoa sem qualificação para diretor no Ministério da Educação? O governador do Acre também indica? Qualificação não diz mais nada. Esse é o parâmetro dos que estão no "poder" no Acre? Ah! Sem sombra de dúvidas existe no MEC um servidor de carreira, concursado, com competência para assumir esse posto. Estão querendo extender para Brasília o mau hábito dos que hoje estão no poder no Estado do Acre, de colocar pessoas sem qualificação comprovada em cargos estratégicos.

Beneditino disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Patinha disse...

Ilustre Desconhecido, agricultor em Berna, Suíça, no Blogger desde novembro de 2007, é Mestre em Agroeconomia Quântica pela Universidade de Viena, na Áustria.
Ser ou Não Ser, perfil indisponível, é Doutor em Filosofia Clínica pela Sorbonne, Paris.
Albuquerque, no Blogger desde julho de 2011, é PhD em Tecnologia Espacial pelo MIT, Estados Unidos.
Catherrine Milli, no Blogger desde março de 2012, é pós-Doutora em Relações Psicodinâmicas em Oxford.
Beneditino, no Blogger desde novembro de 2011, é pós-tudo Senior em Princeton, EUA.
E eu tenho 6 MBAs da Fundação Getúlio Vargas em Economia Economicamente Aplicada.
Adotamos esses pseudônimos porque somos muito modestos e não queremos humilhar ninguém.

Eduardo Carneiro - é Professor da Universidade Federal do Acre, doutorando (USP). disse...

6 - Outrossim, uma vez defendida a monografia, o mencionado aluno ingressou com uma solicitação de colação de grau especial, por meio da Vice-Reitoria, na pessoa do Prof. Dr. Pascoal Muniz, procedimento este totalmente inadequado. Pois o caminho correto é que esta solicitação seja feita diretamente na Coordenação do Curso, instância responsável por dar sequência aos procedimentos cabíveis, que se pauta pela normas vigentes na Instituição e sempre orientou os alunos sobre seus direitos e deveres.

OBS: No Acre tudo se consegue com TRÁFICO DE INFLUÊNCIA...

VAI PRESTAR CONCURSO PÚBLICO!!!!

ALTINO MACHADO disse...

Nota do professor Pascoal Muniz

"Prezado Altino

Segue os esclarecimentos abaixo:

Devido a motivos profissionais Irailton solicitou que a Vice-Reitoria ajudasse para acelerar a colação de grau, informou que já defendeu o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) na modalidade de monografia e tinha realizado os créditos. Orientei o interessado a procurar a Coordenadora do Curso, ele procurou a professora doutora Eurenice que gentilmente buscou informações no NURCA, Diretoria responsável pelos registros da vida acadêmica dos alunos, sobre o histórico escolar do aluno e passou informações que existiam problemas em quatro disciplinas e que o mesmo não realizou o teste do ENADE.

Após novas buscas, pelo interessado, no outro dia, dado que o aluno teve duas matriculas, o NURCA informou que realmente existiam duas pendências para que o aluno colasse grau e recebesse o diploma que são: 1) A disciplina de educação física II, que apesar do aluno ter direito legal a dispensa, ele deve matricular-se e depois requerer a dispensa e 2) realizar a prova do ENADE independente da nota da prova, pois é obrigatória, mas não reprova. Com dois procedimentos administrativos o aluno tem o direito de ser diplomado. Sugeri que esta situação fosse encaminhada para o colegiado para avaliação, que é a instancia competente para decidir, a coordenadora concordou com este encaminhamento (rito processual ordinário na UFAC).

Não sei qual o desfecho que o colegiado vai decidir, mas confio que será, dentro dos limites, o melhor para a UFAC e para o aluno.

Esclareço que diariamente alunos e pessoas da comunidade procuram Vice-Reitoria solicitando esclarecimentos e pedindo ajuda, adotamos os mesmos procedimentos para todos indistintamente: prestamos as informações e esclarecimentos, telefonamos para os respectivos setores pedindo para atender a pessoa e as vezes, quando possível, acompanho diretamente junto com o interessado. Obviamente a recomendação é que dentro dos limites legais atenderem as demandas. Não teria motivo algum para discriminar qualquer pessoa. Por exemplo, há um mês a pedido de um aluno da Engenharia Florestal encaminhei para a coordenação do curso o pedido do aluno de agilizar a defesa de monografia, dado que estávamos em período de férias e professores estavam viajando. Outro caso foi de um aluno do Curso Hi stória que estava com dificuldades, pois estava sendo convocado para assumir um cargo de professor, da mesma forma encaminhei para a coordenação.

Certamente Irailton falhou quando não providenciou a matricula na Educação Física e não realizou prova do ENADE, duas medidas absolutamente burocráticas.

TODOS QUE ME PROCURAM DENTRO E FORA DA UFAC, POR QUALQUER MOTIVO, TERÃO O RESPEITO E ATENÇÃO DEVIDA AOS MEUS SEMELHANTES. SOU UM SERVIDOR PÚBLICO. BUSCO SEGUIR A ORIENTAÇÃO DE FAZER AO PRÓXIMO QUE GOSTARIA QUE FIZESSE COMIGO.

Finalmente fico feliz que Irailton tenha sido convidado para assumir uma diretoria do MEC, certamente o país ganhará com sua contribuição, pois o trabalho de implantação e realizações do Instituto Dom Moacir revela a competência deste Acreano. Se o professor Binho Marques e Irailton foram convidados certamente foi devido ao avanço da educação básica e profissional do Acre. Desejo que outras pessoas da Aldeia tenham sucesso profissional dentro e fora do Acre. Fico alegre e satisfeito como fiquei com Marina Silva, com o sucesso de artista da terra... Como professor e estando na gestão trabalho para que as pessoas tenham sucesso profissional e sou feliz e tenho prazer com o meu oficio.



27.03.2012

Pascoal Torres Muniz

Vice-Reitor da UFAC"

Fátima Almeida disse...

Bacharelado não é licenciatura, portanto, ele não pode ser chamado de professor. Na condição de aluno não fez o ENADE, contrariando as normas do MEC onde pretende assumir um cargo de direção. Isso significa que regras só existem para nosotros. Para eles, não há necessidade de seguir as regras. A necessidade do diploma existe apenas para atender a um critério para a nomeação e não tê-lo nunca foi impedimento para assumir cargo de direção em setor educacional. Está na cara que ele sempre considerou o curso de ciências sociais da UFAC no mínimo desprezível. O que está parecendo é que Binho Marques precisa dele em Brasília para ir se "empoderando" por lá. Os milhões gastos, em seu governo, com consultoria, quando trouxe tanta gente de fora, sem a menor necessidade, pois nada mudou com a consultoria deles, em especial na escola do servidor público, teve essa finalidade, agradar petistas de outro Estados, como o da Bahia, já que trouxe uma baianada para o Acre, em sua gestão, afora aquela senhora do IAPEN, acho que de São Paulo, para ir alargando a sua "base política" no PT nacional. Jorge não precisou disso devido a sua amizade com o Lula, tanto é que assumiu cargo de direção em Fábrica mineira de Helicópteros com salário e 80 mil. Enfim, o projeto deles é de poder e já sabíamos disso desde o primeiro dia. Prá mim, tanto faz Irailton não formado em nada quanto qualquer outro, não vai mudar nada mesmo. Quem lecionou em faculdade particular como eu sabe muito bem o que é o MEC e a quem ele serve.

Ser ou Não Ser... disse...

A título de informação Patinha, sou humildemente, bacharel em Administração, em Fisioterapia, concursada pela SESACRE, via concurso da cespe/unb, com MBA em Gestão Hospitalar, por enquanto...