terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

AS CARTAS DE HILDEBRANDO PASCOAL

O blog Radar Político, do jornal O Estado de S. Paulo, revela nesta terça-feira (28) a íntegra das cartas em que o ex-deputado Hildebrando Pascoal ameaça desembargadora

Preso há 12 anos e condenado a mais de 110 anos de prisão, o ex-deputado federal e ex-coronel da Polícia Militar Hildebrando Pascoal – o “homem da motosserra” – enviou duas cartas de ameaça e extorsão a autoridades do Judiciário do Acre. O material integra um inquérito sigiloso em tramitação no Ministério Público do Estado. Leia a íntegra a seguir:

“Procuradora de Justiça Vanda Denir Milani Nogueira

Desde os primeiros dias de minha prisão, você, com medo dos opressores, foi a pessoa que mais me abandonou. O que mais senti foi, para agradar os tiranos, o seu julgamento, coisa que você não tem moral de fazê-lo, pois a maioria dos problemas criados teve você como pano de fundo, ou seja, você como protagonista, principalmente aquele da Secretaria de Segurança Pública, quando você era delegada de polícia, que você hoje finge até para si própria que não tem nada a ver, esquecendo-se que pessoas que se encontram na minha situação, o que mais tem é MEMÓRIA.

Nas poucas vezes que precisei de você e de sua família, para não dizer a única, tive minhas mãos vazias.

Hoje encontro-me em uma situação, que sei, que cheguei a ela levada pelo descaso, pela falta de força de vontade, pelo descaso dos meus irmãos e da minha família e, que muitas vezes, ainda chegam aos meus ouvidos que eu teria sido o responsável por ter destruído a família.

Vanda, você sabe como ninguém que nossos problemas eram únicos e de todos, inclusive, indo à minha casa fazendo cobranças.

Durante meus julgamentos não delatei ninguém, dei meu próprio sangue e dos meus filhos e netas, e o que eu recebi foi o desprezo e o descaso.

O Des. Gercino pediu ao governador Orleir Cameli para que me persuadisse a participar de uma reunião com ele, para acabarmos com as desavenças. Orleir fez o pedido e eu o aceitei.

A reunião fora marcada para quarta-feira entre Gercino e eu, sendo mediada pelo governador. Ingenuinamente comentei com você, Vanda, da reunião que seria realizada entre Gercino e eu com a mediação de Orleir. Estranhamente a reunião não fora realizada.

Você, Vanda, sabendo da reunião porque eu havia lhe falado, movida pelo ódio e pela vingança por não ter sido escolhida por mim como candidata a deputada estadual, falou para o então governador que eu iria matá-lo, razão pela qual a reunião não se realizara.

Após minha cassação e prisão, o dr. Ery Varela, advogado do então governador Orleir Cameli, me falara desses absurdos, dessa mentira cometida por você.

O Des. Gercino entrou em desespero e passou a utilizar-se de todos os meios repugnáveis ao Estado Democrático de Direito para me destruir, como destruiu-me com o apoio de Jorge Viana.

Vanda, não tenho mais nada a perder. O que vai me segurar, no momento, é o objetivo de manter-me e manter minha família.

Você conseguiu com sua turma tirar a minha patente e o meu salário, posição que conquistei, com honra.

O Ministério Público e o Poder Judiciário acreano nunca teve e não tem autoridade moral para me denunciar e condenar-me.

Sinto muito, mas vou tomar atitudes que até hoje evitei, mesmo sendo muito massacrado, portanto, vou tornar público todas as mazelas do Ministério Público e do Poder Judiciário, fornecendo detalhes.

Não tenho mais nada a perder. O que vai me segurar, no momento, é o objetivo de manter minha família.

Diante do exposto, solicito que me encaminhe, mensalmente, a importância de R$ 6.000,00 (seis mil reais) para me manter e manter minha família (filhos e netas).

Caso não me atenda, tenha a gentileza de encaminhar esta carta para os órgãos competentes, pois caso contrário eu a encaminharei e apresentarei esclarecimentos provando os fatos.
Unidade Penitenciária 2/AC, 27 de setembro de 2011.

Hildebrando Pascoal

P.S. Vanda, Ainda tem as aposentadorias dos soldados da borracha para serem esclarecidas, ou seja, tornar público as podridões. Quando eu for ouvido pelos Conselhos Nacional de Justiça e do Min. Público as pensões dos soldados da borracha serão esclarecidas também.”

“Senhora Desembargadora Eva Evangelista,

Trinta dias, aproximadamente, antes da realização do concurso público para provimento de cargos de Promotor de Justiça do Estado do Acre, a senhora e o seu marido Menandro passaram a frequentar todas as noites a casa da procuradora de Justiça Vanda Denir Milani Nogueira, minha cunhada.

E como todas as noites nós nos encontrávamos lá para longas conversas, informações e recebimento de documentos sigilosos do Poder Judiciário, em momentos agradáveis regados a jantares, não é justo que só eu faça parte de uma colheita tão amarga: ver meus filhos e netos passarem necessidades por uma atitude de comum acordo que tomei com a senhora e outros amigos de seu quilate que não vem ao caso citá-los, a não ser em hora oportuna.

Diante de tanta amizade, de tantos envolvimentos, não cabia a senhora se aliar aos meus algozes Jorge Viana e Tião Viana condenando-me à desonra e à execração pública.

A senhora bem sabe que não é detentora de princípios éticos e morais para julgar-me como ser humano, nem tão pouco como Oficial honrado que fui.

Você Eva, sabe muito bem que eu presenciei a Procuradora de Justiça Vanda Milani Nogueira, minha cunhada, entregando-lhe, em mãos, o gabarito das provas do concurso público do Ministério Público Estadual para ser repassado para sua filha, Gilcely Evangelista, hoje Procuradora de Justiça.

Em outra oportunidade presenciei também, a minha cunhada Vanda entregando em mãos para o seu esposo Menandro que se encontrava em sua companhia o gabarito das provas do concurso público do Ministério Público do Estado do Acre.

Desta vez, o concurso fora anulado em face da evidência da incapacidade de seu marido e outro. O escândalo veio à tona.

Atendendo pedido verbal da minha cunhada Vanda e da senhora, fui ao jornal A Tribuna e pedi ao proprietário do jornal, empresário Ely Assem de Carvalho, que abafasse o escândalo referente ao concurso público do Ministério Público do Estado do Acre. Pedido semelhante fiz ao jornalista Silvio Martinelo, proprietário do jornal A Gazeta. Paguei muito caro por esse pedido feito ao Silvio.

Valter Montila era o Procurador-Geral de Justiça, de direito, mas de fato era a Vanda. Depois a Vanda fora nomeada Procuradora-Geral de Justiça.

A única arma que eu tenho e que não gostaria de usá-la é a caneta, associada aos conhecimentos que tenho sobre sua conduta nada recomendável para uma pessoa da sua importância social, portanto irei usá-la com a consciência tranquila.

Encaminharei a cópia desta carta para os Conselhos Nacional de Justiça e do Ministério Público para conhecimento e providências, bem como após encaminhamento a postarei na internet.

Tenho plena certeza que serei ouvido pelos Conselhos e prestarei todos os esclarecimentos. Infelizmente em certos momentos de nossas vidas, nos encontramos em posições em que nos deparamos com pessoas erradas, nos lugares errados e em situações mais erradas ainda, onde traímos os nossos ideais e nossas convicções.

Este é o desabafo de um homem que sempre, indiscutivelmente, colocou em primeiro lugar a ética e a honra.

Unidade de Regime Fechado 2/AC, 3/11/11″

Leia mais:

Hildebrando dribla cerco e, da cadeia, ameaça Judiciário

11 comentários:

@MarcelFla disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João disse...

eitaporra!!! sem mais,,

Je vois tout disse...

Não nos enganemos, nossa justiça é falha, nossas autoridades são corruptas e nosso povo totalmente incompetente e irresponsável com ele mesmo. Povo com vida de gado.

Je vois tout disse...

Não nos enganemos, nossa justiça é falha, nossas autoridades são corruptas e nosso povo totalmente incompetente e irresponsável com ele mesmo. Povo com vida de gado.

ALTINO MACHADO disse...

Eliomar, publico seu comentário com destaque se se identificar, fornecendo fone, endereço etc para responder judicialmente pelo mesmo. topa?

DoAcre disse...

Altino!! Vc manda bem mesmo!!kkkk, coitado do Eliomar, perdeu até o caminho de casa!!hihihihihih
Cara, Bizzaras as palavras do Ilde!

eliomar m. disse...

Meu caro Altino, Vou juntar tudo e te mandar bem direitinho e tem até uma gravaçäo com esse assessor do deputado. Me dê só umtempinho.

eliomar m. disse...

E mais eu näo tenho que reponder nada judicialmente para quem quer que seja, e muito menos para esses coorruptos travestidos de autoridades certinhas. E mais quem tem que calar à boca säo os assessores do deputado Walter Prado,que sabem muito e näo ficam calados. E mais vou juntar os documentos com esse assessor dele que inclusive já teve no MPF/ac, para entregar os documentos e o caso näo foi enfrente por enquanto.

ALTINO MACHADO disse...

Vou aguardar, Eliomar. Já comecei a contagem regressiva.

Samara Zegarra disse...

Sinto cheiro de podridão no ar...

alisson disse...
Este comentário foi removido pelo autor.