terça-feira, 13 de dezembro de 2011

THE GUARDIAN

Tom Phillips in Rio de Janeiro

Human rights activists and politicians in the Brazilian Amazon have warned of an imminent humanitarian crisis, as hundreds of Haitian migrants continue to pour into the region in the wake of the 2010 earthquake.

Nearly two years after their homeland was devastated by a 7.0 magnitude earthquake, several thousand Haitians are already thought to have made the pilgrimage through Bolivia, Peru or Colombia into Brazil in search of work. New groups are reportedly arriving each weekend.

But while some are able to secure legal documents and find employment, many end up stranded in tiny border towns such as Brasiléia, now home to at least 724 Haitians out of a total population of around 20,000.

"We are calling this a crisis," Leonel Joseph, one of the first Haitian migrants to arrive in the Amazon state of Acre, said after visiting the Haitian community in Brasiléia, near Brazil's border with Bolivia and Peru.

"There are people on the streets, sleeping on the streets and many more people are arriving," added Joseph, a teacher who has become a community leader for the Haitian arrivals. "Acre state is heading for a humanitarian crisis. Something needs to be done. [The migrants] need to be given human conditions to live in."

"The situation is critical," said Altino Machado, a respected local blogger covering the Haitians' plight in this isolated corner of the Amazon. "The number [of new arrivals] has risen hugely."

Machado said Brasiléia's Haitians, among them babies and pregnant women, were living in filthy conditions. "The guys spend the whole day in the square, wandering around town. The government have been helping them but they now are saying they are going to suspend help because they can't do it any more." In his latest dispatch from the border town, Machado issued a stark warning: "The constant arrival of refugees threatens the town with collapse."

Addressing Brazil's senate on Monday, Aníbal Diniz, a senator from President Dilma Rousseff's Workers' party (PT), said: "We are facing an extremely serious problem. The number of Haitians leaving Haiti for Brazil rises every day because they have no chances in their country."

"Brazil has welcomed them … but we must discuss a strategy to deal with this problem." Officially Brazil's government does not recognise the Haitian migrants as refugees. But in a recent interview with the Guardian, Paulo Sérgio de Almeida, president of Brazil's national immigration council, said authorities were trying to help.

"While they are not refugees they are people who need some humanitarian support," he said. "The government has been giving residence to those who can prove the link to the earthquake." But politicians in the Amazon claim not enough is being done. At the end of last month Acre's governor, Tião Viana, flew to Brazil's capital, Brasilia, to plead with federal authorities for assistance.

"The state of Acre has had to pay out 1m reals (£347,000) to help these people who are arriving without any food, transport or the slightest means of survival inside Brazilian territory and this is not simply a state matter – it is a humanitarian crisis that needs to be addressed," he said.

Acre's human rights secretary, Nilson Mourão, said: "The state government no longer has the means, the people, the experience or the money to keep giving humanitarian aid to Haitians who are coming into Brazil over our border."

When the Guardian visited Brazil's border with Bolivia and Peru in May, there were several hundred Haitians living here in cramped hotels and a local gym. That number has now risen significantly while other Amazon cities such as Manaus, Tabatinga and Porto Velho have also seen a growing influx.

Most arrive after a perilous, month-long journey through the Dominican Republic, Panama, Ecuador, Bolivia, Peru or Colombia. 

Starved of work opportunities back home, many hope to secure jobs in infrastructure projects in the Amazon, such as the Belo Monte and Jirau hydroelectric dams. "I've come here because of the economic problem … All we could do was come here in search of a better future," Silvaine Doris, a 46-year-old mother who lost her brother and sister in the earthquake, said.

Authorities had hoped to dissuade Haitians from coming to the region, highlighting poor living conditions and temporarily closing the border with Peru. But Joseph said more Haitians would arrive, despite warnings, including rumours that one Haitian woman had been raped while tranvelling through Bolivia. "They are seeking better lives, better living conditions. When they see the conditions here they are shocked," he said. "[But] when you tell them that it is very difficult here they don't want to believe you."

7 comentários:

Altemar disse...

Sei! Mais algum?

Renaldo disse...

Traduza prá mim, não domino o inglês com eficiência, não tenho fluência neste idioma, não sou poliglota, ok!!!

ALTINO MACHADO disse...

Aguarde, Renaldo. Vou providenciar a tradução para você.

SIMEI disse...

Esse cara escreve ruím demais, não consegui ler nada (rs)

Valterlucio disse...

Nada além do que já se sabe, Renaldo. Haitianos fogem da miséria de seu país para encararem a miséria brasileira justamente pelo Acre. O governo não tem uma solução razoável para acolher, amparar e empregar essa gente desafortunada. Um drama humano que bate às nossas portas. Mais um além do nosso próprio drama.

Márcio Bezerra disse...

Google Tradutor(no dizer tradicional, quebra um galho!)
O GUARDIÃO
Tom Phillips no Rio de Janeiro
Ativistas de direitos humanos e políticos na Amazônia brasileira têm alertado para uma crise iminente humanitária, como centenas de imigrantes haitianos continuam a despejar para a região, na sequência do terramoto de 2010.
Quase dois anos após a sua terra natal foi devastada por um terremoto de magnitude 7,0, milhares de haitianos já estão pensados ​​para ter feito a peregrinação pela Bolívia, Peru ou Colômbia para o Brasil em busca de trabalho. Novos grupos já estariam chegando cada fim de semana.
Mas enquanto alguns são capazes de proteger documentos legais e encontrar emprego, muitos acabam presos em pequenas cidades fronteiriças, como Brasiléia, agora lar de pelo menos 724 haitianos, numa população total de cerca de 20.000.
"Estamos chamando este uma crise", Leonel José, um dos primeiros migrantes haitianos para chegar no estado do Acre, disse que depois de visitar a comunidade haitiana em Brasiléia, perto da fronteira do Brasil com a Bolívia eo Peru.
"Há pessoas nas ruas, dormindo nas ruas e muitas mais pessoas estão chegando", acrescentou Joseph, um professor que se tornou um líder da comunidade para os recém-chegados do Haiti. "Estado do Acre está caminhando para uma crise humanitária. Algo precisa ser feito. [Os imigrantes] precisam ser dadas as condições humanas para se viver"
"A situação é crítica", disse Altino Machado, blogueiro respeitado locais cobrindo a difícil situação dos haitianos "neste canto isolado da Amazônia. "O número [de recém-chegados] aumentou enormemente."
Machado disse que os haitianos Brasiléia, entre elas bebês e mulheres grávidas, estavam vivendo em condições imundas. "Os caras passam o dia inteiro na praça, vagando pela cidade. O governo tem ajudado, mas eles agora estão dizendo que vão suspender a ajuda, porque eles não podem fazer mais nada." Em sua mais recente expedição da cidade fronteiriça, Machado emitiu uma dura advertência: "A chegada constante de refugiados ameaça a cidade, com o colapso."
Dirigindo Senado do Brasil na segunda-feira, Aníbal Diniz, um senador do Partido dos Trabalhadores Presidente Dilma Rousseff (PT), disse: "Estamos diante de um problema extremamente grave O número de haitianos deixando Haiti para o Brasil aumenta a cada dia, porque eles não têm chances in. seu país ".
"O Brasil tem recebido deles ... mas temos de discutir uma estratégia para lidar com este problema." Oficialmente o governo do Brasil não reconhece a imigrantes haitianos como refugiados. Mas em uma recente entrevista com o Guardian, Paulo Sérgio de Almeida, presidente do nacional do Brasil de imigração conselho, disse que as autoridades estavam tentando ajudar.
"Enquanto eles não são refugiados são pessoas que precisam de algum apoio humanitário", disse ele. "O governo tem dado residência para aqueles que podem provar a ligação ao terremoto." Mas os políticos da Amazônia alegação não está sendo feito o suficiente. No final do governador do Acre do mês passado, Tião Viana, voou para a capital do Brasil, Brasília, para pleitear com autoridades federais para a assistência.
"O estado do Acre teve que pagar R 1m (£ 347,000) para ajudar essas pessoas que estão chegando sem comida, transporte ou a menor meios de sobrevivência dentro do território brasileiro e isso não é simplesmente uma questão do Estado - é um humanitária crise que precisa ser tratada ", disse ele.
...

Mara disse...

Caro Renaldo, deixe a preguica de lado e acesse o site: www.translate.google.com, la voce tera a traducao da materia. A traducao nao e perfeita, porem, entendivel. Se fosse ferramenta para mexer em fbook, orkut, etc, o povo descobria a informacao facil facil, mas ja que se trata de informacoes serias e importantes, bem, querem tudo na mao. Eu hein, depois o brasileiro reclama da fama de preguica de pensar! Fala serio!