segunda-feira, 1 de agosto de 2011

JORNALISMO CABOTINO


Marina Silva reuniu no sábado (29) um punhado de amigos para bate-papo no pequeno auditório da Biblioteca da Floresta, em Rio Branco.

A ex-senadora chegou e atendeu aos repórteres locais, entre os quais Ray Melo, do site AC 24 Horas.

Melo sequer entrou no auditório e se deslocou até a Feira Agropecuária do Acre antes do bate-papo, mas conclui em relato ao (leia) ao AC 24 Horas:

"Ninguém que esteve no evento sabe ao certo o que venha a ser o chamado movimento por uma nova política”.

10 comentários:

vilmar disse...

Nova política? isso é papo de quem confunde política com partidarismo e politicagem!

Deveria estudar o que é política...

Alexandre da Rocha Gomes disse...

Marina só tem muito é conversa bonita e mesclada de filosofes. Ação que é bom não tem nenhuma. Ação medíocre que foi comprovada com a votação pífia nas últimas eleições. No Acre foi uma vergonha. As pessoas estão se conscientizando mais que o que vale não é o papo furado, mas a ação concreta e postura de quem tem realmente algo pra realizar. Antes de dizer o que tem pra fazer ela tem que mostrar o que fez DE CONCRETO pela causa ambiental e pelos povos da floresta. Prêmios até o Governador pode conseguir sem ter feito nada. Simpatia não enche barriga e nem ajuda na sustentabilidade de lugar algum. Dizer que o Acre está no caminho sustentável é uma mentira deslavada. Importamos tudo e não tratamos sequer a metade de nosso esgotos. Como é que se pode confiar a casa da gente a alguém que não sabe cuidar sequer da sua própria?

Dantas disse...

Marina não precisa mostrar nada, Marina É.

Alexandre da Rocha Gomes disse...

É... o que?... Igual a todos nós, mas com muita conversa bonita. Falar é fácil, difícil é fazer! Vamos abrir os olhos e valorizar as pessoas que realmente estão trabalhando pela causa ambiental. A natureza agradece.

Alexandre da Rocha Gomes disse...

Digam-me caríssimos. Acaso essa grande, que É, sequer se manifestou contra a situação calamitosa de nossos mananciais aqui do Acre, ou da vergonhosa situação dos esgotos a céu aberto, ou ainda, da "Reserva" Chico Mendes que se tornou pastagem de boi? Pelo menos um Ai dessa que É alguém ouviu?

Alexandre da Rocha Gomes disse...

Essa foi boa:
"mas como Marina Silva tem origem em uma terra que PREGA o movimento sustentável, sua proposta certamente causará curiosidade e terá adesão entre os movimentos ecologistas de todo Brasil"

Realmente, "prega"! Tem um abismo entre o que prega e como é de fato. Não vejo Marina sequer comentando como a "reserva" Chico Mendes se tornou pastagem enquanto ela era ministra, e como nosso mananciais continuam sendo atolados de esgoto e de entulho dos barrancos que desabam por falta da mata em suas margens. Contra fatos não existem argumentos. O que existe de fato é propaganda "pra inglês ver", num estado que vem sendo ludibriado, onde levas e levas de dinheiro são liberados com a falsa esperança de "sustentabilidade", que nunca ocorre e que fica cada vez mais difícil de alcançar. Chico Mendes certamente iria morrer de desgosto de seus "companheiros" ambientais.

Alexandre da Rocha Gomes disse...

Marina sabe muito bem que não pode falar nada sobre a má gestão dos recursos que deveriam ser usados para a sustentabilidade do Acre pois certamente iria "magoar" seus companheiros, que atualmente estão a mais de uma década tentando acertar o passo a custo de muito dinheiro.
O Acre pode sim ser sustentável se houverem incentivos reais para isso. Reduzam essa carga tributária altíssima que tem por aqui (uma das maiores do pais), incentivem o estudo dos potenciais tecnológicos da região. Tem muito setor pra isso, de perfumaria, saúde, etc. Vamos melhorar o nível de ação sustentável da população, vamos educar nesse sentido e não politizarmos tudo por aqui. Vamos incentivar as ciclovias e a melhoria de via dos pedestres nas vias plantando ÁRVORES (que refrigeram e impedem os raios do sol de aquecerem o asfalto das vias) e não palmeiras (inúteis) que não dão sombra ou refrigeração mínima por evapotranspiração. Como podemos incentivar o uso de transportes coletivos e alternativos (bicicletas). Se não damos condições sequer para andar a pé nas ruas nesse calor. Vamos dar condições pros depósitos de lixo serem usinas de energia e reciclagem adequada. Vamos tratar nosso esgoto e incentivar sua compostagem. Mas, acima de tudo, vamos educar o povo dessa região com cultura de sustentabilidade. Isso não custa muito e dá resultados concretos. O que está faltando? Coragem, pois dinheiro já veio, e muito. E continua vindo.

Jonas Amado Araújo disse...

Marina não passou de uma "bolha". Mais uma que estava no lugar certo e na hora certa. A onda passou e carregou. Dá até pra dizer que é meio parecido com um Ex-BBB, teve seus minutos de fama por força da mídia.

Pra nós Acrianos, nunca serviu de nada, dá pra dizer que até atrapalhou.

Por mim, eu passo...

Próximo(a)!!!

cplauto disse...

Alexandre o grande. Existem um monte de puxas saco nessa onda verde. A ex-senadora quer fazer fogueira com lenha dos outros. Há muito o governo que aí está, com ajuda dela, vem cultivando falsas esperanças. Tudo para continuar no poder, realizando obras desnecessárias e eleitoreiras em detrimento do saneamento, do planejamento urbano, da harmonia que a tal sustentabilidade pode prover, de nossos municípios. O prograna Minha Casa, Minha Vida que está sendo implantado no Acre, é bem o exemplo da política sustantável, dos donos do poder, que promovem a desigualdade social com a construção, do que chamo de "apartheid do urbanismo, aumentando nossa periferia com lotes diminutos, sem terreiro para plantar árvores, com vista para janela do vizinho, sem privacidade, empreensados em loteamentos desprovidos de áreas de lazer, vegetação, escolas, segurança, transporte público, estas pessoas se quer conseguem ficar dentro de casa, em dias de calor, verdadeiros "guetos". E ainda vão fazer uma "cidade do povo", tida para alguns como cidade satélite, isto que é regredir, enquanto muitas áreas centrais são especulas pelos amigos do poder. Do outro lado, as cerejas, serão executadas mais duas passarelas sobre o Rio Acre, no valor de 32milhões, de pompa igual aquela que se encontra entre as duas pontes mais antigas, e um dos argumentos, para serem duas, pasmem, é que aquela não deveria estar lá, então? O que Marina quer é o movimento da hipocrisia, aquela de ouvir o povo para decidir o que lhe é conveniente. Tô de saco cheio dessa política. Mas, espero que um dia este país mude e que nossos políticos sejam humanos e não deuseus que tudo podem. Para isso, temos que tratá-los como humanos, chega de ficar bajulando aqueles que não fazem mais do que sua obrigação como representantes do povo. Uma inversão de valores, promovida a custa de terrorismo, de ameaças, do abuso do poder econômico e do silêncio. Que saber, passo a vez.

Mario Marcelo disse...

Qualquer ação humana provoca desequilibrio, ou a gente vive com isso , supera e trabalha ou para de produzir e vamos todo mundo vender joias da floresta (bugingangas feitas de coquinho e dentes de macaco)e grigatar em coro viva o verde, viva o veeerrrde como querem certos organismos internacionais (ongs).