quinta-feira, 2 de junho de 2011

A MORTE DE ALEXANDRE

A Polícia Civil do Acre decidiu ampliar o leque da investigação que tenta esclarecer o assassinato do acadêmico de direito e servidor público Alexandre Leal Ferreira, de 23 anos.

Na madrugada de terça-feira (31), Leal estava acompanhado da ex-namorada Janaira Barros, de 21 anos, no estacionamento do estádio Arena da Floresta.

O casal foi levado por dois bandidos para a estrada do Amapá, onde apenas o estudante foi espancado brutalmente até desmaiar.

Janaira conseguiu usar o celular para pedir socorro ao pai dela, o capitão Balica, da Polícia Militar, e foi encontrada apenas de roupas íntimas. Disse que não foi espancada nem violentada pelos bandidos.

O delegado Robert Alencar conta que o relacionamento de Alexandre e Janaira terminara há sete meses.

- Mas o casal freqüentemente se encontrava e essa situação era do conhecimento da atual namorada do Alexandre, que vinha recebendo chamadas inconvenientes no celular. No dia do crime ambos se desentenderam por causa disso - afirma o delegado.

Homens da Polícia Militar, do Batalhão de Operações Especiais, da Força Nacional e até o helicóptero do governo do Acre foram acionados para interceptar o carro onde estavam o casal e os bandidos.

O comando da PM assumiu o controle da investigação, prendeu cinco homens, sendo dois menores de idade. Foram eles que aplicaram os socos e pontapés que causaram a morte de Alexandre Ferreira. Os três adultos já foram liberados pela polícia.

- Existem muitas ilações sobre o crime. Já apuramos que o Alexandre reagiu e desferiu um soco no olho e no nariz de um dos adolescentes - revela o delegado.

Porém, de acordo com outra fonte da Secretaria de Segurança, a ação da PM na defesa da filha do capitão Balica causou mal-estar dentro da Polícia Civil.

- A PM levantou uma enorme cortina neste caso. A Polícia Civil ficou praticamente andando em círculo. A partir dos interrogatórios, uma série de novos fatos estão surgindo.

O delegado Robert Alencar minimiza a situação e considera normal a ação da PM.

- Se fosse um jornalista que tivesse sido assassinado, os colegas de profissão certamente estariam empenhados em prender os criminosos. Foi o que a PM fez. Não vejo problema nisso.

O delegado também afirmou que todas as informações que estão chegando à polícia serão investigadas.

- Já pedimos a quebra do sigilo telefônico para que possamos esclarecer tudo de forma técnica. Além disso, a quadrilha já havia cometido crimes semelhantes envolvendo sequestros, espancamentos e desmonte de carros.

A Polícia Civil já investiga, por exemplo, a suspeita de que o assassinato possa ter tido motivação passional.

- O problema agora é que essa história envolveu todo o sistema da Segurança Pública do Estado e resultou numa pessoa morta. A questão é tão séria que a Polícia Civil quase foi proibida de investigar o caso. Tudo foi conduzido pela própria PM, que não tem competência para isso. A ex-namorada da vítima foi encontrada sem nenhuma lesão. A crise com a PM está sendo abafada - assinala a fonte da Secretaria de Segurança.

Familares, amigos e colegas de faculdade de Alexandre Ferreira organizam manifestação contra a violência no Acre, nesta sexta-feira (3), a partir das 9 horas, em frente o Palácio Rio Branco.

Leia mais no blog A Verdade.

13 comentários:

eliomar m. disse...

Após lér essa reportagem do Altino Machado. Só nós leva à crér que se o Alexandre Ferreira, tivesse sido pego pelos seus assassinos sozinho. Este crime ia ficar somente na história, como mais um crime normal do dia a dia da nossa cidade. Mais como ele estava acompanhado de uma filha, de um oficial da policia militar, o ocorrido não vai sair barato. E isso para sorte do pai e mãe e demais familiares do Alexandre Ferreira, eles ficaram sabendo quem matou o seu filho. E diante das palavras do delegado Robert, só existe uma salvação para os demais moradores da cidade é REZAR muito e usar capas de aço para proteçao do nosso corpo. É torcer para que as próximas gerações sejam filhos. De "OFICIAIS ,DELEGADOS,JORNALISTAS E DE POLITICOS COM MUITA INFLUÊNCIA NA CIDADE E NA SOCIEDADE. Se não já nasce correndo o risco ser morto assim que sai da maternidade. E se algums interessado dos cargos em que citei minha mãe, está ai´. Mais só um detalhe, ela já tém 66 aninhos e graças à deus ela ainda tá viva. Meu caro Altino, me descupe as palavras mais á cada dia que passa nós ficamos mais indignados com esses ocorridos e principalmente com nossos politicos que não servem para nada.

Marcel Marques disse...

Acho muito estranho a PM apossar-se de uma jurisdição que não é dela, levanta dúvidas, teorias, enfim, não é bom, mas por outro lado, do jeito que a (policia)civil é despreparada né?!

Roberto Feres disse...

ô Marcel... Cê mora onde??? Na Lua???

aurelio disse...

Pela "mor" de Deus. Querer politizar isso passa dos limites. É normal em qualquer situação, lembram do Agente Penintenciário assasinado na Av. Ceará? Os companheiros de profissão, por eles mesmos foram atrás dos culpados. Se fosse uma filha de um delegado da Polícia Federal ia ser a mesma coisa. Se fosse a filha de um Comandante do Exército ia ser a mesma coisa também.

Não quero aqui desmerecer o trabalho da Polícia Civil, que fazem sim um trabalho competente de investigação de crimes em nosso estado. Mas mesmo assim é uma situação normal que um membro de outra corporação ao se ver na situação que ocorreu, lógico que vai confiar mais em seus colegas de profissão para elucidarem o crime, ir atrás das coisas. Se fosse da PF, iam haver vários agentes "por fora" atrás dos bandidos, e assim por diante.

Sem politização do caso...eu hein...

eliomar m. disse...

Eu acho que o senhor Aurelio, não tá batendo bem das bolas. Pois em nenhum momento algum internalta fez referências à politização do caso. E eu também não citei nomes de politicos ou fiz menção à governo A ou B. Eu coloquei sim que se não tivermos parentesco ou filhos de. OFICIAIS,DELEGADOS,JORNALISTAS e de POLITICOS INFLUÊNTES NA CIDADE E SOCIEDADE. Será somente mais um crime e sem os nossos familiares saberem quem foi que nós matou. Então meu senhor Aurelio, sai de marte e volte para à nossa terra, pois todos nós sabemos como funciona o sistema de segurança pública neste pais. E você já viu alguém com muita influência preso, você viu sim ladrões de meia tigêla. E dedicação á um assassinato que foi cometido só é feito por causa do clâmor, da imprenssa. Se não é apenas mais um assassinato e pronto.

Janu Schwab disse...

PM não investiga. E fim de papo.

Enzo Mercurio disse...

É estranho .....é estranho

cplauto disse...

A morte de Alexandre não será a última, entrou para as estatísticas, de crimes. Investigar, localizar, prender, julgar e punir tem um caminho. Todos estamos sujeitos a violência dos "loucos" que vivem ao nosso redor, sem que agente nem mesmo tome conhecimento, até que o maluco: nos espanque, puxe o gatilho, detone a bomba, derrube o avião... Violência gratuíta por motivos torpes que habitam mentes perturbadas. Este é o maior desafio, enxergar o ser humano como ele realmente é, pois, todos investigados, depois do acontecido, deram sinais de insanidade de que poderiam cometer sim, um crime. E quantos políticos de colarinho branco se sustentam no poder, mesmo acusados dos mais diversos crimes, essa passividade com o errado é que nos mata.

Marcel Marques disse...

Viajei Roberto?

Janu está certíssimo.

Rogério Ferraz disse...

Posso estar errado, mas TODO dia morre nego aqui em rio Branco, não só como ele foi morto, mas de outras formas... é só entrar num daqueles sites que mostram a realidade, e vemos isso que estou falando. Agora, usar essa fatalidade e fazer um sensaciolanismo ridículo que o jornalismo está fazendo, é um absurdo.
Me parece cada vez mais claro que, morte de pessoas de alta classe, é mais que um crime; é um atentado a Constituição; é algo irrevogável.

A vida dele vale mais que de outras pessoas que não são assim tão importante? tanto assim a ponto de receber nota de pesar do governador?

É um sensacionalismo ridículo que está acontecendo...

E vale ressaltar, que no mesmo dia do ocorrido, o governador deu o tão aguardado aumento para os políciais... tão aguardado, mas desprezado por eles...

Roberto Feres disse...

Marcel... o Janu está certíssimo e, quem dera, o mundo funcionasse assim.

Marcel Marques disse...

humm...

Observador disse...

Altino, acho que O delegado Robert Alencar, foi um tanto infeliz em suas colocações, ja que era de jurisprudência da PC, ele deveria tomar a frente do caso e das investigações, assim nós cidadões comuns, também vamos ficar duvidando da competência da Civil, tal como a Polícia Militar fez.