sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

HORA DO CINISMO

Apoio a decisão que o nosso povo tomou no referendo, mas faço qualquer coisa para impedir a volta da hora antiga do Acre.

17 comentários:

Grover disse...

O que ha de tão ruim no horario antigo??? O horário das novelas??? Porque dos bancos ficou na mesma...
Como todo brasileiro gosta de se espelhar no primeiro mundo, la vai. No EUA existem quatro fusos e vivem sem problema. Na russia(emergente) então, ha seis fusos e também sem problemas.
A questão pelo que eu percebi é que a população não aceitou a imposição do Tião Viana e deu o troco nas urnas.

Grover Daniel

Acy disse...

O que há de tão ruim é que a população do Acre não se adapta em ir trabalhar no escuro. Quem tem o privilégio de ter um carro, beleza, e quem não tem? Afff.

VÍTOR FARIAS disse...

Quem disse isso?

Silvana disse...

......cinismo de quem mesmo ??

Francisco Dias disse...

Quem disse isso?(2)
UP

... disse...

rsrsr!!! é melhor estudar um pouco o movimento de rotação e o seu sentido antes de falar que o pessoal vai para o trabalho no escuro.

... disse...

Porque essa exceção dos acrianos? Se o mundo se acostumou..

Samyr Leite disse...

Trabalhar no escuro? sinto informar mas não são tantos trabalhadores que saem no escuro. Trabalho no setor público, não tenho carro e saio de minha casa sempre às 6:30 da manhã...não está mais escuro, sinto informar! O horário atual é muito melhor no sentido de ganho de horas "ao claro" no término do horário de serviço (no meu caso às 17:30) e pela questão de ganho de tempo dos setores federais aqui instalados, que não precisam amargar duas horas de diferença com relação a Brasília, ocasionando um desencontro quando os assuntos precisam ser discutidos por telefone e mesmo via internet.As escolas do estado até adequaram seus horários para não receberem os alunos "no escuro". O horário antigo é o "horário de Deus"? sinto informar que não....fusos são definidos política e economicamente, isso desde século XIX.

João Maurício da Rosa disse...

Eu fico com este horário se as escolas mudarem o início das aulas para 8h

Maria disse...

O que está em questão não é a conveniência ou não da alteração do horário. Isso já foi decidido, de forma direta, pela maioria dos eleitores acreanos que compareceram às urnas do referendo convocado para este fim. O que está em questão - de modo lamentável e que deve merecer o repúdio de todos - é a tentativa de desrespeitar essa DECISÃO SOBERANA. Isso, para aqueles que insistem em não enxergar, é muito grave, pois representa um atentado à democracia.

ALTINO MACHADO disse...

Mensagem que recebo e agradeço de um amigo:

"Lamentável é que tem gente que não consegue ler nas entrelinhas. Ainda bem que sempre tem uma Maria para esclarecer e trazer os assuntos ao seu verdadeiro contexto. Parabéns pelo seu blog, realmente farol contra iniquidades."

BárbaraCameli disse...

acho que a glória pires podia escrever outra mini série sobre a história do acre, cada capítulo é mais emocionante que o outro! Enquanto toodos ficam indignados com a ditadura de outros países, nós vivemos em uma há bastante tempo, onde a eleição pseudodemocrática se fez presente... o núcleo atual desse capítulo é o personagem que posa de bonzinho e ao fim revela-se ser o homem do mal que esttava por trás das coisas mais horrendas. Caso o diretor de tropa de elite, queira mais histórias para virar uma trilogia, temos muitas ideias que iinfelizmente não são ficção :)

BárbaraCameli disse...

GLÓRIA PEREZ :) ops!

vitacosta56 disse...

Gosto do horário atual, acho bem mais produtivo, mas a maioria quiz a mudança, vamos respeitar. O problema, suponho, é a herança que tivemos de índios, seringueiros, caboclos que moram e vivem nas matas que não tem hora pra acordar e muito menos pra dormir.Questão cultural. Em outros lugares do Brasil todo mundo madruga para ir ao trabalho, escola, hospitais, lá a vida começa muiiito mais cedo e termina muito mais tarde tmb. Será que estamos querendo moleza?

ISAAC RONALTTI disse...

Meu pai...cada dia que passa, percebo mais ainda o quanto são sábios os índios, os caboclos e os seringueiros das matas...cada qual com seu cada qual...e porque teríamos que nos adaptar as rotinas dos grandes centros? Para desenvolvermos patologias? Crises existenciais? Viver confinado, sem ao menos ter o direito ao descanso e ao convívio familiar?

Durante o processo de expansão da Revolução Industrial os ingleses colonizaram parte do norte da África...observaram que os nativos trabalhavam apenas para o seu próprio consumo...coisa que em 8 horas de trabalho poderia ser feito...os ingleses observando a situação perceberam que os nativos poderiam produzir muito mais nas oito horas de trabalho diária, a partir da implementação de novas tecnologias, nisso sobraria aos mesmos um excedente de produção para a comercialização. Ok, os ingleses então iniciaram um processo de mecanização do trabalho...sabe o que aconteceu? Realmente os nativos passaram a produzir mais, tudo que eles produziam antes em oito horas...passaram a produzir em quatro...aí vocês me perguntariam: o que foi feito com excedente de produção? Eu respondo! Não foi feito nada, afinal não fora produzido excedente! Pois, assim que os nativos perceberam que tinham produzido o suficiente para as necessidades diárias, simplesmente paravam de trabalhar, ou seja, passaram a trabalhar apenas 4 horas por dia produzindo o suficiente para o consumo.

Não estou aconselhando ninguém a levar uma vida “ociosa”, embora que pra muitos o ócio acabe sendo muito produtivo, e para outros o trabalho nunca deixou de ser uma maldição herdada de nossos ancestrais moradores do Éden...conforme o Historiador inglês Edward Thompson mesmo afirmara. Acho que nunca podemos tomar como referência a visão do outro, sem ao menos nos darmos o trabalho de consultá-la e entende-la, agora vir falar que “queremos moleza...” faça-me o favor...nosso povo foi usurpado durante todo o século XX, a borracha chegou a ser por muito tempo o segundo produto mais importante para a balança comercial brasileira, só atrás do café. Nesta mesma época, diversos foram os pedidos de transformação do Território do Acre em estado...sendo que um dos requisitos iniciais para esse reconhecimento era ter alguma forma de manutenção da economia local...final da história: não nos reconheceram como estado, vieram fazer isso somente em 1962, curiosamente quando a economia da borracha já estava em declínio...revelando o quanto interesses privados de grupos podem interferir nos direitos mais importantes do grosso da população.

No mais, pode me chamar de índio, caboclo e seringueiro acomodado...rsrsrsrrsrrss

Estou Sabendo disse...

Se quando o então Senador Tião Viana elaborou e aprovou essa mudança, tivessem adaptado aqui no Acre os horários de entrada nas escolas e em tudo, comércio, repartições públicas, etc. para às 8:00 ou 8:30 não teria tido essa briga toda. Agora é tarde, e temos que aceitar a soberana vontade da maioria.

Francisco disse...

A emoçao é pessima companheira na hora de tomar decisões. Ela nos cega e impede de ver o real sentido das coisas ou perceber o rumo certo que se tem que tomar. Ou seja, a maioria dos acreanos votou na volta do antigo fuso horário, não por que seja melhor, mas porque a emoção da revolta por não ter sido perguntado ou autorizado levou a este posicionamento. Uma vez vi, na infancia, no seringal, um vizinho tocar fogo na casa porque queria matar uma casa de "caba" que ferrou sua filha.