domingo, 28 de novembro de 2010

NÓS PERDEMOS

Moisés Diniz

Toda a imprensa brasileira, todos os analistas, os políticos de modo geral, os padres e os pastores, os milionários, a sempre assustada classe média e os pobres de todas as favelas.

Todos aplaudem a ação vigorosa e mortal das Polícias do Rio de Janeiro e das Forças Armadas contra a bandidagem dos morros. Quem seria "doido" de ficar contra a ação para prender esses criminosos que estavam aterrorizando a bela cidade do Rio, sede da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016?

Eu também sou a favor da ação, só não fico no time daqueles perversos brasileiros que defendem a morte dos bandidos e aplaudem de pé o "Tropa de Elite". Eu defendo prisão perpétua para esses bandidos de alto grau e seus crimes hediondos. Assassinato não. Minha alma não permite.

Eu também concordo com a ação do Estado brasileiro, mas lamento que o Brasil tenha permitido chegar a isso. Lamento que a miséria humana tenha chegado a tão elevado patamar, num país rico e gigantesco em terra, água e biodiversidade.

As elites falharam. As elites do Brasil pecaram e nenhum confessionário curará as suas feridas. Elas acumularam riqueza demais. A concentração de renda chegou a limites absurdos.

Tem gente demais passando fome, tem jovens demais disponíveis para viver do tráfico de drogas, tem prostituição demais. Tem político omisso demais, magistrados, jornalistas, líderes populares. Todos nós temos culpa.

Nós perdemos. Nós perdemos para nós mesmos. Não vencemos os bandidos, derrotamos o Brasil, derrotamos a nossa honestidade e capacidade política, nossas energias de cinco séculos. Fracassamos.

Perdemos para a bandidagem que se tornou referência dos pobres dos morros, no lugar dos líderes da esquerda, dos líderes populares, que só querem saber de superávit primário e commodities para exportação.

A esquerda deixou de enfrentar as elites, aliou-se a ela e não distribuiu renda com a energia que deveria ter feito. A reforma agrária, inacreditável, mesmo sendo uma bandeira capitalista, continua como se estivéssemos na metade do século passado.

Os mortos dos morros do Rio são brasileiros que a elite os transformou em bandidos. Nessa hora tem gente, em inúmeras mansões, bebendo whisky e comemorando indiretamente as mortes.

Nós perdemos a capacidade de amar os pobres das favelas do Rio, de São Paulo, da Amazônia, porque aqui também têm pobres, jovens discriminados com o potencial mortífero de se tornar um bandido do porte daqueles do Rio.

Eu não quero levar para o túmulo essa culpa. Eu quero mudar, ser menos egoísta e mais fraterno, ouvir mais as pessoas e menos o poder do qual faço parte.

Quero voltar a viver como um ser humano normal, que seja capaz de chorar e de pedir perdão. E, acima de tudo, de mudar meus procedimentos políticos, para que eles sejam mais democráticos, mais livres, mais honestos e mais populares.

Quero lutar para que as minhas filhas não tenham também que dizer, no futuro, que elas também foram derrotadas na sua honestidade e no seu humanismo. Que elas também não precisem dizer:

Nós perdemos.

Moisés Diniz é autor do livro o "Santo de Deus" e deputado estadual do PCdoB do Acre

15 comentários:

Ativistadacre disse...

Altino e Moisés Diniz,Bem Vindos!!!

Faço Suas as 'Minhas Palavras'...

Sem Mais Palavras,Parabéns,Já Não Me
Sinto Tão Só...

Eu Sou,Joana D'Arc Valente Santana

Joaquim Jodelle disse...

altino, como jornalista, viajei muito ao acre e tinha muitos amigos la. Sei, por exemplo, que, quando a ditadura era ainda mais cruel, o mdb de nabor junior ali resistia (pergunte ao edson luiz, o edinho, nao sei por onde anda...). Nas ultimas vezes em que estive la, ja neste seculo, ouvi de muitos alguns comentarios pouco favoraveis aos viana e ao PT. Nao o conheço, altino, mas sinto que suas denuncias ao lula sao serias. Parabens.

Joaquim Jodelle disse...

altino, como jornalista, viajei muito ao acre e tinha muitos amigos la. Sei, por exemplo, que, quando a ditadura era ainda mais cruel, o mdb de nabor junior ali resistia (pergunte ao edson luiz, o edinho, nao sei por onde anda...). Nas ultimas vezes em que estive la, ja neste seculo, ouvi de muitos alguns comentarios pouco favoraveis aos viana e ao PT. Nao o conheço, altino, mas sinto que suas denuncias ao lula sao serias. Parabens.

Gabriel Carvalho disse...

É mais um que diz que bandido é gente, que a culpa é do governo que menospreza as classes mais baixas.

Assim como os bandidos são desfavorecidos, não tem escola, saneamento, saúde e etc
Existem os que não tem isso e são honestos.
Esses caras são vagabundos porque querem, não porque são desfavorecidos, são assim pela indole.

Deputado, se a culpa fosse da elite todo morador de favela era bandido.

Prisão perpétua? Só se for pra lotar ainda mais os presídios.

Bandido BOM, é Bandido MORTO

Marcel Marques disse...

Demagogia, é a palavra que tenho para este texto do deputado, o único que admiro na assembléia legislativa.

Demagogia porque acreditar que a situação do Rio de Janeiro, bem como a ocorrida em São Paulo em meados de 2008 são ataques isolados de facções e que o método de enfrentamento é o mesmo de um dia comum é uma utopia.

A imagem de bandidos fortemente armados fugindo da vila cruzeiro ficará para sempre na memória do brasileiro, que viu não bandidos fugindo, mas, um verdadeiro batalhão de infantaria recuando, em uma cena que passaria sem maiores problemas como de uma área de guerra.

Se não fosse o apoio crucial das forças armadas, fornecendo APOIO LOGÍSTICO, vidas tanto dos inocentes que habitam essas favelas como também dos agentes de segurança estariam comprometidas, e o número de baixas seria imensurável, afinal, estes bandidos já estavam acostumados e preparados para enfrentar as forças habituais de segurança.

Quanto a felicidade de brasileiros com a morte de bandidos notórios, bem, não dá para culpá-los, é a hipocrisia que impede alguns de comemora-las, bem como comemorar uma das maiores vitórias do Brasil, queria ver estes que defendem com tanto amor estes criminosos se fossem vítimas dos mesmos, e cá pra nós, todo mundo já está cansado da criminalidade.

Só de pensar que em 48 horas as forças armadas, junto com a secretaria de segurança do Rio de Janeiro, conseguiu conter uma onda de violência que durava 7 dias, prendendo traficantes e apreendendo inúmeros fuzis, 40 TONELADAS de Maconha e 200kg de Cocaína, nossa, nunca senti tanto orgulho de ser brasileiro!

Afinal é preciso dar um BASTA! Acabar com a hipocrisia e essa demagogia que não levam a nada, é preciso enfrentar o problema da violência e do tráfico de FRENTE e sem MEDO, de maneira pró-ativa e constante.

Bandido bom, é bandido m...

Marcelo disse...

O Deputado deveria se mudar para o Rio, de preferência para a rocinha ou vidigal, que serão os próximos alvos das forças de seguranças do Rio de Janeiro...

Jose Paulo Remor disse...

Discordo do post. Amar os bandidos? Esqueceu do salario de fome daqueles policiais q estao ali dando a cara a tapa? E o povo q vive dentro de um estado paralelo com leis proprias? Ficar calado? se arriscar para enfilleirar maluco nas cadeias., achando q tem recuperacao?
A pior parte desse discurso "passeata branca" eh dar razao pro bolsonaro falar o q fala. Cuidado!

Julio Cesar disse...

É verdade que a esquerda se aliou a elite. Mas é verdade também deputado Moises Alencastro que a esquerda acreana se aliou a direitona,leia-se a Jorge e Tião Viana, família Cameli, Bestene,Osmir Lima, Narciso Mendes, etc,e você caladinho.

Janu Schwab disse...

Não precisa pedir morte aos bandidos - pq era essa a lógica perversa do esquadrão da morte e de outras tantas milicias que imperam nesse Brasil varonil de trabuco na mão.

E é preciso ter consciência de que, seja qual for a ideologia que usamos para dar validade aos nossos ímpetos mais escusos e desejos mais primários, existirá sempre alguém para se aproveitar deles.

Não podemos nos deixar levar por esses aproveitadores, que se elegem por fisiologismo ou pela instalação de terror e pânico - sem nada propor ou fazer de fato - porque a lógica é perversa.

Fazer cumprir a constituição, um livrinho completo que, se lido de cabo a rabo - coisa que quase ninguém faz - mostra o que precisa ser feito, seja por direito ou dever, é o suficiente (ainda que, dito assim, pareça ser algo sem utilidade nenhuma).

Bandido tem que ser preso. E uma vez preso tem que ser enquadrado dentro de um sistema sem vícios, que exija dele não só o cumprimento da pena, mas algum retorno palpável em troca dos anos de "safadagem",como trabalho em oficinas e afins.

Essa é tarefa das mais difíceis. E nenhum, nenhum dos que se elegem com o propósito de acabar com a bandidagem (muitos deles, vindos de plataformas oportunistas, como os apresentadores de programas sensacionalistas e sangrentos), faz esse dever-de-casa.

Nossa ânsia de justiça não pode ser saciada por um banho de sangue. Porque banho de sangue, tem sempre alguém disposto a dar - seja esse alguém da televisão ou um justiceiro subordinado a um coronel truculento. E o miolo do problema - que é o que o deputado tenta abordar no artigo em questão - fica lá, sendo o que é: um miolo ad eternum, como um cancro, sem nunca ser dissecado e eliminado.

E aí, a lógica perversa, um dia chega na porta da nossa casa, de gente que não é bandido e paga impostos, mas vive a vida aos moldes "frouxos" (como já ouvi de um linha-dura outro dia) de agora , porque ninguém consegue levar uma vida 100% idonea aos olhos de um miliciano ou de quem faz as leis de acordo com seu humor.

Portanto, não quero ver jornalistas ofegantes e empolgados com seus coletes azuis de zonas de guerra, disfarçando seus anseios de mídia de serviços a sociedade, nem ver policial distribuindo tirambaço pra todo lado, com o risco de atingir mães, pais e filhos, e deixando duzentos marginais armados até os dentes escapar pelo alto de um morro.

Paz é bom. Mas essa paz que a turma do twitter, de blog e de televisão aberta está pedindo, não existe. Porque a paz de fato não vem, nem com tirambaço nas paredes de tijolo de barraco, nem com incompetência disfarçada de direitos humanos.

Fátima Almeida disse...

Na primeira república fizeram higienização do Rio de Janeiro, demolindo os cortiços expulsando as classes pobres do centro da cidade. Daí surgiram as favelas, cujos moradores trabalhavam nos aps da zona sul, só podendo usar o elevador de serviço, até pouco tempo atrás.De uns tempos prá cá os traficantes mandam seus aviões vender papelotes na zona Sul.O Rio de Janeiro está em crise total, muitos da zona sul são usuários de maconha e cocaína.Não vejo ninguem abordar essa questão. os bandidos armados representam a escória, mas a escória que sempre esteve a serviço das classes medias e altas do Rio de Janeiro.O Brasil deveria ser como os Estados Unidos, cada Estado ter sua constituição própria. Assim, liberariam o uso da maconha e da cocaína no Rio de Janeiro. Lula, antes do primeiro mandato assinou uma carta de intenções para liberação da maconha. Todos parecem que esqueceram isso.Os outros estados, como o nosso, seguiria ou não, mas poderia arrecadar impostos. O resto é falso moralismo.Todo brasileiro é obrigado a votar, a contribuir, mesmo rangendo os dentes,e deve ter o direito de fumar, de beber, de tomar Daime,de usar maconha ou cocaína, de fazer aborto, de fazer o que quizer com seu corpo. Ao chegar aos 50, o brasileiro está torto, cliente de fisioterapeutas, com pressão alta, com diabete, com tantos males devido ao ritmo do trabalho, ás pressões, ás exigencias do Estado.Não há paraíso nem inferno, apenas falta de liberdade. Além disso não se discute o faturamento da indústria de armas.Esses empresários são inocentes? Ninguem nasce bandido. Já disse Sartre, a existencia precede a essencia. Índole, tendencia ao banditismo pode surgir em todas as classes como a pedofilia, por exemplo.Mas o que se vê no Rio é um fenômeno social, de classes.Na primeira república tiraram os negros do centro da cidade para não "contaminarem" os imigrantes italianos, pobres mas, brancos. Tinham medo que o Brasil fosse como o Haiti, um país de maioria negra.Agora, limpam as favelas para proteção do turista que virá para a copa. É a mesma lógica de sempre.

Ativistadacre disse...

Altino,a Fátima Almeida ARRASOU!!!
Liberdade de Expressão Plenaaaa!!!
Essa é a idéia do Debate fátima...
Quem Falaria Com Tamanha Propriedade?
Professora,VoÇê Traduziu Claramente!
Enriquecido o Debate,Avante !!!
Gratíssima Pela 'Aula'!!!

Eu Sou,Joana D'Arc Valente Santana

Janu Schwab disse...

Muito bom, Fatima!

Vingador disse...

Bem,
Primeiro um recado para o “jornalista” Joaquim Jodelle, o Microsoft Word ajuda muito a quem não sabe escrever.
Agora vamos ao texto do Deputado.
Depois do quase fracasso nas urnas ainda tem gente preocupada em busca de uma explicação, falam que daria até uma tese de Doutoramento, incrível, mas até o Presidente Lula arriscou uma explicação e colocou a culpa nos Vianas.
Pois bem, a explicação está sempre posta por algumas pessoas da FPA, algumas dessas pessoas estão sempre na contra mão dos fatos se não vejamos:
Quando o povo se afastou dos antigos políticos o que fez a FPA? Juntou-se a eles.
Quando o povo reclama da falta de atendimento médico o que faz alguém da FPA? Diz que essas reclamações não procedem, pois afinal temos uma saúde de primeiro mundo.
Reclamam de falta de saneamento? Alguém vem e diz que aqui é o melhor lugar da Amazônia pra se viver.
Reclamam de bom senso dos políticos? Bem, aí vem o Deputado Moisés Diniz com seu discurso amalucado.
Se o erro foi dos Vianas é porque eles deveriam prestar mais atenção no que as pessoas que fazem parte da FPA andam falando e fazendo, pois no final só vai sobrar pro “espinhaço” deles.
É por esses erros e posições equivocadas que o povo tá se afastando da FPA, imaginem que o nobre Deputado deve ser o novo Presidente da Assembléia, daí já não nos bastará a "Doutora" Que comanda a segurança teremos um Presidente que ama os bandidos.
P.S
Governador fique esperto olhe bem o senso crítico de quem o cerca, ou então o senhor vai aprender definitivamente o ditado que já corre por aí.
“Ou a FPA acaba com os malucos que a compõem ou esses malucos acabam com a FPA”

Acreucho disse...

"Eu não quero levar para o túmulo essa culpa. Eu quero mudar, ser menos egoísta e mais fraterno, ouvir mais as pessoas e menos o poder do qual faço parte".
Me parece que o Deputado Moisés Diniz faz um "mea culpa", reconhecendo a fragilidade do governo do PT, ou melhor, "dos Vianas" e que tem dado errado no Acre e vou mais longe, que o governo Lula deixou muito a desejar no social, sua maior bandeira de luta, bandeira esfarrapada, diga-se de passagem.
Vou concordar com o Gabriel de que essas pessoas são criminosos "por opção", não me considero culpado pela marginalidade delas, também sou pobre, moro na pariferia e não sou bandido, tenho milhares de vizinhos que também não o são, assim como tenho muitos vizinhos que são marginais e traficantes "por que querem", não que o governo os tenha "levado a isso". O ser humano tem o livre arbítrio, ele decide o que quer fazer! Menos de 1% dos traficantes "são pessoas recuperáveis". A maioria "se orgulha" do que faz. Não sou à favor da pena de morte, mas, acho que deveria haver exceções: traficantes (os chefes) e atentados à pessoa (matar pra roubar, estupro violento, terrorismo e sequestro, abuso de crianças e políticos que roubam). Desses criminosos os piores são os políticos que roubam, mais nocivos à sociedade que traficantes. Deveriam ser executados em praça pública sumáriamente. São os políticos que roubam que criam o sub-emprego, o nenhum emprego, o latrocida, o traficante e o corrupto. Se querem saber, ou polícia não está divulgando ou os policiais envolvidos nas operações dos morros cariocas são "muito bonzinhos", o número de mortos é ínfimo para uma operação desse porte.

Luciano Carioca disse...

Bom... A culpa é de quem?

Nós vivemos em sociedade, costumes, leis etc... etc..

Nosso país tem uma constituição que poucos brasileiros leram, nosso sistema educacional não é pra formar pessoas críticas.

Se o Brasil desse todas as condições para o cidadão como é de direito constitucional, acesso a educação, saúde, esporte, lazer, trabalho, as minimas condições básicas para se viver, enfim... Ahi sim estaria de acordo que o cidadão virou bandido por opção, pq teve sua escolha.
Ahi vem um e diz assim: Eu sou de periferia, de familia pobre, não tinha grana pra pegar o buzão e nem pra comprar material escolar, não tinha pão, passava fome... e hj sou ex: advogado, respeitado (e virou individualista), e não virei bandido, não matei roubei... Exceção existe, agora o outro lado; que teve todas as condições... mas, matou a esposa, namorada... e a explicação para o crime, nãoooo foi um momento de ciume, tava desesperado, vai ter uma explicação comovente para a sociedade não condenálo... e se fosse o contrário, bandido criminoso, vagabundo... deveria ser morto!!! Pqp paciência.

Ex: qtas pessoas se inscreveram no vestibular da UFAC???? Sabe qtos irão aprovar??? E o restante para onde vão??? UNINORTE, FIRB??? Ow a questão é a oportunidade, nem todos podem se formar médicos, advogado, enfim... mas todos assim que terminasse o ensino médio deveriam ter acesso ao ensino superior!!!

"A esquerda deixou de enfrentar as elites, aliou-se a ela" Nobre deputado, e nós o que estamos fazendo então??? Estamos conscientizando o povo, educando, explicando o real fundamento, panfletando... fazendo ato em praças públicas, porque hj nós podemos, o cerceamento policial acabou com a derrota da ditadura militar... e sofremos muito pela mídia que divulga que comunista mata criancinha, homens e mulheres de bens, enfim. Uma falsa matéria, e o que estamos fazendo??? Os prazeres do capitalismo eh baum demais (irônico) nobre deputado, por favor!

O pior analfabeto
É o analfabeto político,
Ele não ouve, não fala,
Nem participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe o custo da vida,
O preço do feijão, do peixe, da farinha,
Do aluguel, do sapato e do remédio
Dependem das decisões políticas.
O analfabeto político
É tão burro que se orgulha
E estufa o peito dizendo
Que odeia a política.
(Bertold Brecht)

Esse texto aí Dep, você o conhece muito bem, e não só esse. Quem perde a essência revolucionária, os principios revolucionários (humanismo, solidariedade, valores familiareas...), já era. Tem que abandonar a luta pela transformação social, o povo não acredita naquele que erra, que teve oportunidade de mudar e não o fez.

"Eu quero mudar, ser menos egoísta e mais fraterno, ouvir mais as pessoas e menos o poder do qual faço parte.
Quero voltar a viver como um ser humano normal, que seja capaz de chorar e de pedir perdão. E, acima de tudo, de mudar meus procedimentos políticos, para que eles sejam mais democráticos, mais livres, mais honestos e mais populares."

Bom, acredito que o papai noel entrará pela chaminé da casa da minha mamãe e, dará de presente para minha filha um Audi A5, ops... a casa não tem chaminé, não tenho filha... Então terei q ser pai e consegui emprego politico, caso contráio...