terça-feira, 26 de outubro de 2010

O MARCO FINAL DA FRENTE POPULAR DO ACRE?

POR JÚLIO EDUARDO GOMES PEREIRA

Não sendo professor, cientista político ou aposentado, mas presidindo a comissão de ética do Partido Verde no Acre, tenho o dever da ousadia de tentar auxiliar o professor Marcos Inácio Fernandes a embarcar na atualidade.

O professor Anthony Giddens, na introdução de “O debate global sobre a Terceira Via”, publicado pela Fundação Editora da UNESP, cita entre muitas excelentes avaliações:

“Existe um reconhecimento geral quase que por toda parte de que as duas vias que têm dominado o pensamento político desde a Segunda Guerra Mundial fracassaram ou perderam a pujança.”

“Os partidos esquerdistas estão sendo forçados a criar algo novo, uma vez que as doutrinas centrais do socialismo já não são aplicáveis.”

Imagino como deve ter sido difícil para aqueles que avaliam a política exclusivamente pelo retrovisor ver acontecer a “onda verde”.

Uma parcela significativa do eleitorado brasileiro optou pelo novo, pelo debate, pela oportunidade de pensar melhor, pelo impedimento da forma reduzida de uma eleição geral que o plebiscito representa e demonstrou a extinção de disputa entre o bonzinho e o mauzinho.

Também considero complexo ver uma grande liderança partidária mudar de casa, mas não de rua, por se sentir impossibilitada de fazer seu antigo partido reassumir os compromissos que fez com a sociedade. Está claro que Marina Silva não saiu do PT, mas sim que o partido se afastou daquilo que o fez ser escolhido e contado com suas energias para crescer. E como ela foi fundamental para isso.

Compreendo a tática de tentar rotular de neutralidade o que, na verdade, é independência; talvez uma decisão impossível em siglas partidárias que administram seu capital social como manadas.

Quando acontece a contribuição do Partido Verde para enriquecer e atualizar os programas dos candidatos que disputam o segundo turno, a elegância política e a ética excluem qualquer traço de posição neutra.

E se fôssemos falar de higiene, os brasileiros e as brasileiras sabem para onde destinar os produtos de limpeza, certamente nunca tão bem endereçados na história deste país.

Para falar de decepção, ficamos, os verdes, impressionados com a decisão rápida e cirúrgica do presidente do Brasil ao optar pelo agronegócio e pelo desenvolvimentismo cego como caminho desconectado da realidade e necessidade mundiais de sustentabilidade ao escolher um membro de sua equipe muito pouco afeito à realidade local para conduzir o futuro da Amazônia brasileira.

E para abordar o baixo nível, queremos agradecer à nossa Marina por ter sido decisiva para qualificar a campanha eleitoral e priorizado o debate em vez do embate, como medida eficaz de evoluir a consciência política no país, o que não estamos observando acontecer neste turno do processo eleitoral.

Para não fazer o jogo daqueles que não compreendem ainda que o voto pertence ao eleitor e não a partidos e seus supostos líderes, tenho me posicionado como ativista político e, assim, explicado o meu próximo voto, àqueles que me perguntam ou debato sobre o futuro, para a candidatura que avalio como mais importante para o meu Estado e considerando o compromisso pretérito do PT com o Acre.

Não posso,  entretanto, deixar de reconhecer uma ponta de ressentimento com a falta de agradecimento que o Partido Verde do Acre deveria ter recebido por ter seguido o pedido de Marina de não sair nessa eleição com chapa completa e, assim, contribuir com a unidade da Frente Popular do Acre. Se a decisão tivesse acontecido de acordo com a posição inicial do PV do Acre e com a executiva nacional do partido, a eleição aqui não teria, com certeza, sido concluída ainda.

Estou convicto de que a Frente Popular do Acre foi responsável pela maior obra política e social para o Acre moderno – o resgate da autoestima dos acreanos- mas, companheiros, convenhamos que se o modelo e as posturas atuais permanecerem é possível que as eleições de 2010 sejam o marco final deste importante ciclo de 20 anos.

E me surpreende que alguns ideólogos e cientistas políticos da FPA, ao invés de avaliarem seus erros, queiram ressuscitar antigos fantasmas de teorias conspiratórias e uma velha separação entre direita e esquerda que já foi jogada no lixo com suas alianças recentes.

A direita e a esquerda de hoje vestem verde, sim. E vestem também vermelho e azul, quando lhes convém. Quem não percebe isso, acaba destratando aliados fiéis e abraçando traidores só por causa da cor da camisa.

Júlio Eduardo Gomes Pereira é médico e dirigente do Partido Verde no Acr. E atenção patrulha: o artigo foi recebido com  o título "Para aqueles que ainda acham que existe direita e esquerda na política". Alterei porque estava longo.

6 comentários:

Israel disse...

Muito barulho por nada... Se, para superar os desafios que estão a nossa frente, dependermos "da novidade verde", onde iremos?
Ambientalismo que não é anti-capitalista ou é ingênuo ou é hipócrita...

Keilah disse...

Bravo, Julinho, agradeço-lhe pela resposta ao Professor. Achei aquele artigo rançoso, agressivo e completamente fora de contexto. Precisava de uma resposta à altura. Marina não merece um tratamento desse no Acre.
Keilah

Roberto Feres disse...

Que não seja o fim da Frente petista, mas certamente o nascimento do PV de verdade, no Acre. Até que enfim alguém se tocou que primeiro turno não pode ser plebiscito.
Parabéns pelo artigo e pela ousadia.

zentishiki disse...

Júlio, sua ousadia e coerência saõ imprescindíveis para nós que buscamos uma nova via. Muito obrigada. Conte comigo, minha filha e quantos mais eu puder trazer para nossos futuros voos.

Fernando disse...

Parabéns, finalmente traduzido em palavras o que vem acontecendo no Acre: "A direita e a esquerda de hoje vestem verde, sim. E vestem também vermelho e azul, quando lhes convém. Quem não percebe isso, acaba destratando aliados fiéis e abraçando traidores só por causa da cor da camisa".
No Acre, ideólogos e cientistas políticos só defendem os seus anéis.

Ativistadacre disse...

Altino e Dr. Júlio Eduardo,Mais Um Post
Hodierno e Histórico!!! Vivemos Nessa
Constante 'Revolução Histórica Acreana',
Eu Só Faria Um Reparo Nesta Maquiagem de
'...MAIOR OBRA POLÍTICA e SOCIAL PARA o
ACRE MODERNO-O RESGATE da AUTOESTIMA
dos ACREANOS-...'
Pois, A Resposta das Urnas Foi Justamente
o Chamamento de Que NOSSA AUTOESTIMA NÃO
É ALGO QUE POSSA SER TRATADO VIRTUALMENTE!

Nós Acreanos,Somos Um Povo Fraterno,
Acolhedor e Nos Conhecemos a Todos !!!

'Todo Mundo Aqui Se Conhece Um Ao Outro'
É O Que Mais Eu Escuto Das Pessoas Nas
Ruas...Ninguém Precisa Usar Salto Alto
Para Revogar A Lei Da Gravidade e No
Dia Seguinte "Calçar As Sandálias da
Humildade" com Discursos...

Realismo e Verdade São As Principais
Características Que Nós Lá do JURUÁ
Sempre nos 'Diferenciamos Quando o
VOTO é o TEMA CENTRAL ELEITORAL',Somos
EXIGENTES e POLITIZADOS DESDE O ÚTERO!

Somos Um Povo Tão Enjoado 'QUE DECIDIMOS
O RESULTADO DESTAS ELEIÇÕES de 2010' !!!

Pessoalmente,Tenho Dito Que O Mandato
Parlamentar do Senador Tião Viana Foi
o Mandato Com Maior 'Visibilidade'...
Pelos Motivos e Razões Que todos Nós
Conhecemos...MAS QUE FOI,FOI!!!

Sempre O Vejo 'Falando Em Humanizar...'
Eu Honestamente ACREDITO QUE ELE O
FAÇA...MAS VAI DEPENDER DE OUTRAS
PESSOAS...AÍ EU QUERO VER!!!'

Enfim,DIGNIDADE VERDE JÁ!!!

Pelo Acre e Nossos Irmãos Acreanos,
Queiram Dispor Sempre Desta Ativista!

Joana D'Arc Valente Santana,Eu Sou!!!