quinta-feira, 7 de maio de 2009

MULHERES EM RONDÔNIA

Elas ameaçam fechar quartéis da PM no Estado

Mulheres dos policiais militares de Rondônia ameaçam fechar os portões dos quartéis, como ocorreu no ano passado, caso o governador Ivo Cassol (sem partido) não conceda reajuste do soldo de seus maridos. O ultimato de 72 horas termina no final da tarde desta quinta-feira, mas o governador já mandou o recado de que os policiais não têm motivo para reclamar.

Há um ano, Cassol se reuniu com as mulheres para explicar as dificuldades e pedir prazo de um ano para concessão do reajuste. Segundo o governador, em abril foram adicionados ao soldo dos PMs 11.75% de reajuste.

- Tudo que foi combinado foi cumprido. Quem não cumpriu sua parte foi a Associação das Esposas e Familiares dos Policiais e Bombeiros Militares do Estado de Rondônia - disse Cassol.

De acordo com o governador, o que não foi acertado ainda com a PM é a parte que caberá à corporação quando houver o aumento linear de todos os servidores públicos.

Cassol revelou como dificuldade para atender aos policiais uma dívida do Instituto de Previdência do Estado de Rondônia com o Governo Federal no valor de R$ 52 milhões. Segundo ele, a dívida pode tornar Rondônia inadimplente e impedir que o Estado receba os recursos do PAC.

O governo pode adotar medidas drásticas para evitar o colapso de suas contas e manter em dia o pagamentos dos servidores públicos.

- Caso haja necessidade, os vencimentos dos secretários de Estado e de todos os servidores comissionados serão reduzidos em 30%. As gratificações, auxílios, bônu produtividade e outros benefícios extras também serão cortados. O momento é de união e não de baderna ou
politicagem - afirmou Cassol.

Leia mais no Blog da Amazônia.

Um comentário:

Sandra disse...

Só o fato de termos um governador sem partido já dá uma noção de como a política se arrasta por aqui. E não deveria apenas reduzir os altíssimos salários dos cargos em comissão, bem maiores que os dos efetivos, deveriam demitir pelo menos metade dessa cambada de apadrinhados inúteis que incham a folha de pagamento do estado, bastaria essa atitude simples pra não precisar tomar nenhuma medida drástica como diz o exagerado governador.