sexta-feira, 30 de julho de 2010

CONGRESSO DA ABRAJI


Esqueci de avisá-los: estou desde a quarta-feira (28) em São Paulo. Acompanho desde ontem a programação do 5ª Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo.

Neste momento, assisto a palestra do jornalista Marcelo Beraba sobre os fundamentos da reportagem.

Na platéia, Sérgio Leo e Carlos Wagner, entre outros não menos tarimbados.

O evento reúne 800 participantes, entre inscritos, palestrantes e organizadores.

BIBLIOBURRO

O comovente trabalho do professor colombiano Luis Soriano, que percorre vilas e campos, em lombo de burro, para ler histórias e ensinar crianças

quinta-feira, 29 de julho de 2010

SAIBA O QUE É "ESQUENTAR O GADO"

Evandro Ferreira

A maioria de vocês sabe o que é 'esquentar documento de carro' ou 'esquentar documento de produto importado irregularmente'.


Se não sabe, explico de forma sintética: significa que um bem ou objeto em condição irregular tem sua documentação adulterada ou falsificada para parecer, aos olhos da fiscalização, que é regular.

Pois bem leitores, incluam no seu vocabulário esse novo termo: 'esquentar o gado'.

Ele não se refere a cozinhar ou assar a carne de gado no fogo, mas a uma artimanha que em breve será regra na pecuária amazônica em razão da pressão de ambientalistas e empresários do setor de processamento e venda de carne. A organização ambientalista é a Greenpeace e os empresários são os proprietários dos maiores frigoríficos brasileiros - que estão se consolidando em um par de megaempresas - e grandes redes de supermercados.

Em uma ação coordenada, eles estão condicionando a aquisição do gado da região à prova de que os produtores interessados em vender atendem à legislação ambiental.

Embora vago, o termo 'atender a legislação ambiental' envolve uma série de requisitos que vão da ficha limpa dos pecuaristas junto aos órgãos ambientais à bisbilhotagem por satélite de suas propriedades para saber se eles desmataram mais do que deviam.

Podem acreditar, mas não é o IBAMA e IMAC que estão por trás disso. É uma iniciativa puramente extra governamental que envolve ambientalistas e empresas que fazem parte da cadeia de comercialização da carne no Brasil.

De um lado os frigoríficos estão ansiosos para escancarar de vez as portas do mercado mundial aos seus produtos e de outro as grandes redes de supermercados do país estão interessadas em vender produtos 'ecologicamente corretos', que não derivem de irregularidades ambientais.

Os ambientalistas e essas empresas cansaram de esperar pelo Governo, que vem tentando colocar o setor dentro da lei faz muitos anos, mas o máximo que consegue é lavrar multas que nunca serão pagas ou que, por esperteza de políticos que representam a classe no Congresso, cedo ou tarde serão anistiadas, como parece que vai acontecer caso o Código Florestal seja aprovado conforme a proposta do comunista-ruralista Aldo Rebelo (PC do B).

A ação ambientalista-empresarial resultou, neste primeiro momento, em uma lista de pecuaristas que podemos chamar de 'ficha suja' porque suas propriedades apresentam alguma forma de irregularidade ambiental. Os que fazem parte dessa lista não poderão vender seu gado para as empresas que aderiram à iniciativa.

Sem poder vender seus animais diretamente para os frigoríficos, restará a eles apenas a venda indireta, via um vizinho ou amigo pecuarista que esteja regular. É aqui que o termo 'esquentar o gado' se aplica.

Uma das consequências da pressão ambientalista-empresarial sobre os pecuaristas da Amazônia será o alastramento de diversas estratégias destinadas a facilitar a vida daqueles que eventualmente vierem a fazer parte da lista dos pecuaristas ficha suja.

E quais estratégias serão postas em prática caso o cerco armado pelos ambientalistas e empresários impeça o acesso dos pecuaristas ficha-suja ao mercado?

Não sou pecuarista mas de cara acho que a marcação do gado em fazenda de ficha suja vai cair em desuso rapidamente. Eles evitarão isso pois sabem que quando o gado for esquentado a marca vai ser a 'pista' para a fiscalização descobrir a fraude. Se ela não for eliminada, ela irá ajudar o trabalho da fiscalização durante o abate. Vai ser pão e mel a fiscalização da comercialização de animais provenientes das fazendas dos ficha suja.

As marcas dos fazendeiros que estão dentro da lei vão ser valorizadas ao extremo e virarão objeto de desejo de muitos ficha suja.

Quanto vocês acham que os que aceitarem esquentar gado cobrarão pelo serivço? A cobrança vai ser em arroba ou um percentual sobre o preço de venda?

É bom que os que vierem a aceitar 'esquentar gado' fiquem espertos com a Receita Federal. Seguramente ela vai notar se o rebanho de um ou outro pecuarista duplicar ou triplicar de um ano para o outro.

E digo mais. Se a mania de 'esquentar o gado' se espalhar pela região, a produtividade da criação de gado na Amazônia, que pouco ultrapassa 1 cabeça/hectare, vai aumentar exponencialmente. Não vai ser o milagre da multiplicação dos peixes, mas do gado.

Diante da provável estigmatização de seus animais no mercado, fica a impressão que muitos fazendeiros ficha suja irão 'implorar' às autoridades para regularizar suas pendências ambientais o mais rápido possível. Sem contar que aqueles que forem procurados para 'esquentar gado' vão 'fazer a festa' com o desespero dos ilegais.

Refletindo sobre o tema, creio que quem ganha são aqueles que sempre atenderam as demandas da lei. Quem tem a reserva legal dentro dos limites impostos pela legislação, quem nunca fez derrubada ilegal. Isso é muito positivo. Mas o mais gratificante é saber que tudo isso só está acontecendo porque pela primeira vez uma medida de controle das ilegalidades do setor pecuário amazônico atinge de forma rápida e objetiva o que mais importa para esses empresários: o bolso.

Belo trabalho Greenpeace, JBS, Marfrig e Minerva!

E o melhor é que o cerco aos ilegais vai continuar sem maior oposição por parte daqueles que deveriam defender os pecuaristas e que estão dando provas de completo despreparo e falta de argumentos sólidos para contrapor a onda moralizadora da atividade.


Me refiro a reação do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Acre (Faeac), Assuero Doca Veronez, que diz que tudo não passa de uma "patifaria" dos frigoríficos.

Se eu fosse pecurista no Acre eu procuraria colocar alguém mais preparado para ocupar a vaga do Sr. Veronez. Alguém com uma visão e ação proativa. Alguém que não tivesse medo de admitir que o futuro da pecuária no Acre passa, inexoravelmente, pela certificação da produção. A exploração madeireira do Acre já caminha nessa direção.

Sr. Veronez, bravatas públicas não são suficientes para garantir o futuro da pecuária acreana. Muito menos 'apelar' para que os órgãos ambientais assumam algo que já fazem de forma ineficaz e que não resolveu o problema desde que a pecuária foi eleita como a vilã do desmatamento na Amazônia.


A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Acre (Faeac) precisa, na sua condução, de alguém com visão mais realista do futuro da pecuária acreana.

Quem se habilita para assumir o posto do Sr. Veronez?

Embora seja um cargo de representação de classe, o posto ocupado pelo Sr. Veronez é estratégico para a economia acreana. Espero sinceramente que Tião Viana, eleito Governador, meta sua colher no assunto para colocar o setor no caminho certo.

O botânico Evandro Ferreira escreve no blog Ambiente Acreano.

terça-feira, 27 de julho de 2010

QUINTOS NA UFAC

TCU aplica sanções por pagamento irregular

O Tribunal de Contas da União (TCU) aplicou sanções contra gestores da Universidade Federal do Acre (Ufac), devido ao pagamento irregular de quintos incorporados aos salários de servidores com cargos comissionados da Ufac. O desembolso divergia com a medida provisória 2.225-45/2001, que trata de pagamentos de comissionados e gratificações.

O TCU determinou que Rosemir Santana de Andrade Lima, pró-reitora de desenvolvimento e gestão de pessoas seja multada em R$ 34.825,00 e Olinda Batista Assmar, ex-vice e atual reitora, em R$ 25 mil. O Tribunal aplicou multa individual no valor de 15 mil ao ex-reitor, Jonas Pereira de Souza Filho, ao ex-pró-reitor de administração, Francisco Antônio Saraiva de Farias e ao ex-diretor de pessoal, Jaider Moreira de Almeida.


Os responsáveis terão o prazo de 15 dias para efetuar o pagamento dos valores. A cobrança judicial das dívidas foi autorizada. Cópia da decisão foi encaminhada ao Ministério da Educação, Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão, Controladoria-Geral da União, Procuradoria da República no Estado do Acre e Procuradoria da União no Estado do Acre. O ministro Aroldo Cedraz foi o relator do processo. Cabe recurso da decisão.

Meu comentário: precisamos conhecer a lista de quem se beneficiou irregularmente do pagamento de quintos. Fonte: TCU.

VOOS LIMITADOS NO ACRE

Por causa de obras da reforma da pista do Aeroporto Plácido de Castro, em Rio Branco (AC), a Gol e a TAM passaram a operar no Estado com aviões de menor capacidade para transporte de passageiros.

O transtorno para quem quer sair ou chegar ao Acre já começou, pois as duas companhias aéreas anunciaram que só há vagas a partir do dia 7 de agosto.

A TAM, que operava com Airbus A320, passou a operar com Airbus A319. Podia transportar até 174 passageiros, mas agora transporta apenas 144. A Gol teve que trocar seu Boeing 737-800 pelo 737-700. Transporta agora apenas 108 passageiros.

Insatisfeitos com a situação, passageiros se inscrevem nas listas de espera.

As duas companhias aéreas tiveram que adequar o peso de suas aeronaves porque os primeiros 600 metros da pista da cabeceira foram interditados para que receba manutenção definitiva. A pista mede 2,1 mil metros de extensão e tem 45 metros de largura.

Leia mais no Blog da Amazônia.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

O QUE É FLORESTANIA?


Dezenas de garis foram mobilizados neste fim de semana para recolher a sujeira deixada pelos animais durante a cavalgada de abertura da Feira Agropecuária do Acre, nas ruas do centro e na Via Chico Mendes, em Rio Branco.

Aliás, o governo afirma que o Acre de Chico Mendes vai bem, muito bem. Possui mais touros e vacas (2,4 milhões) do que homens e mulheres (655 mil). São 3,7 cabeças para cada habitante.

O governador do Acre, Binho Marques (PT), afirmou na TV que a nossa Feira Agropecuária supera a de Barretos, em São Paulo.

Embora tenha confessado que nunca visitou a maior feira agropecuária da América Latina, Marques alega que em Barretos só tem rodeios e no Acre negócios.

Alguém sabe aí o que é florestania?

Foto: Gazeta.Net

domingo, 25 de julho de 2010

CASA DE MARINA

Casal do PT apoia Marina Silva no Acre

Militantes do "Movimento Marina Silva" inauguraram neste domingo (25), na zona rural de Rio Branco, a primeira "Casa de Marina" no Acre, localizada no ramal Belo Jardim, a 20 quilômetros da capital do Estado.

A "Casa de Marina" pertence ao presidente da Associação de Produtores Rurais do Catuaba, Cícero Medeiros Brandão, conhecido como Pita. Mais de 700 famílias vivem no ramal.

A inauguração foi prestigiada pelo seringueiro aposentado Pedro Silva, pai da senadora Marina Silva, candidata do PV à presidência da República.

Pita e a mulher dele, Maria do Rosário da Silva, grávida de 7 meses, são filiados ao PT, mas decidiram fazer campanha e votar em Marina Silva.

Leia mais no Portal Terra.

COMO PERDER O MEDO DE AVIÃO

POR JOSÉ RIBAMAR BESSA FREIRE


Quando cheguei no aeroporto Eduardinho, em Manaus, às 6 horas da manhã de quarta-feira, a primeira coisa que vi foi a careca do candidato a vice-governador, José Melo Merenda (PMDB – vixe, vixe). Fiquei em pânico. Senti que a presença dele ali, naquele momento, era uma ameaça ao curso de História do Médio Rio Negro que eu ia dar para professores e lideranças indígenas em Barcelos.

- Minha santa periquita! Não vou poder viajar. Meu requerimento, dessa vez, vai ser indeferido – pensei, sem tirar os olhos de cada passo do Melo Merenda, que estava inquieto, caminhando de lá pra cá, como um leão sem juba dentro de uma jaula.

O "requerimento" em questão é uma estratégia para dominar o medo de viajar de avião. Foi inventado pelo meu amigo Marcus Barros, ex-reitor da Universidade Federal do Amazonas e ex-diretor do Ibama, na época em que ele e eu fazíamos parte do Sindicato Nacional dos Professores Universitários e viajávamos muito. Com o requerimento, conseguíamos dominar o nosso medo, que algumas vezes beirava ao pânico. Seu uso pode ser útil aos que sofrem da mesma fobia.

Trata-se de uma técnica simples que, de saída, procura identificar as causas do temor de um acidente aéreo. Descobrimos que a origem do nosso era o receio de uma punição divina –merecida, diga-se de passagem– pelos pecados que cometemos. Marcus agora anda mais calmo, mas pecava muito contra o 6º mandamento. Mais tímido, eu também, na minha juventude, andei pecando, embora só em pensamento, contra o 9º mandamento, sobretudo quando o próximo não estava próximo. De qualquer forma, éramos dois pecadores.

- Parceiro, quem entra num avião carrega consigo os próprios pecados. Aí, se todos os assentos forem ocupados apenas por pecadores, o peso dos pecados, auxiliado pela lei da gravidade, vai derrubar o avião. Precisamos de crianças inocentes viajando que funcionem como contrapeso – dizia Marcus, com o olho rútilo e os lábios trêmulos. Fazia sentido. Tinha lógica. Por isso, a gente ficava com o pescoço francês na mão, quando embarcava num avião.

Vai daí que no momento do check-in, procurávamos observar se havia crianças embarcando. Em caso afirmativo, a gente ficava aliviado e impetrava uma espécie de habeas corpus preventivo, numa conversa olho no olho com o Todo Poderoso. Fazíamos um requerimento oral em forma de oração, com as seguintes palavras:

Excelentíssimo Sr. Todo Poderoso,

Os abaixo assinados se dirigem a Vossa Excelência para expor e requerer o que segue.

Considerando:

1. Que os requerentes sempre obedeceram oito dos dez mandamentos;
2. Que a carne é fraca, e os requerentes, algumas vezes, transgrediram o 6º e o 9º mandamentos, que são os mais fáceis de ser perdoados;
3. Que os requerentes estão profundamente arrependidos e fazem firme propósito de emenda;
4. Que alguns passageiros deste voo são criancinhas e, em caso de acidente aéreo, pagarão pelos nossos pecados, o que não é justo;

Diante dos fatos aqui expostos, requerem:

1. Que o Senhor Todo Poderoso tenha piedade dessas crianças inocentes e não deixe o avião cair.

Nesses termos

Pedem Deferimento

Diante de argumento tão convincente, o Supremo Arquiteto do Universo sempre deferiu o pedido, porque não podia permitir que o justo pagasse pelo pecador. Com o medo assim dominado, viajávamos com tranquilidade.

Acontece, leitor (a) que nessa quarta-feira não havia uma só criança no salão de embarque, o que já me deixou nervoso. E ainda por cima, lá estava o Zé Melo Merenda, que transgrediu quase todos os mandamentos, carregando consigo toneladas de pecados. Aquele aviãozinho da Trip não aguentaria sobrevoar com os pecados do Melo.

O José Melo foi agente da Assessoria Especial de Informação da UFAM (AESI) na época da ditadura militar e levantou falso testemunho, transgredindo o 8º mandamento. Ainda por cima pecou contra o 11º mandamento, que não estava escrito na tábua de Moisés, mas faz parte da tradição oral: “Não dedurarás teu próximo”. Mas seus pecados cabeludos foram cometidos quando ele era Secretário de Educação e estão relacionados aos ovos da merenda escolar.

Na época, o deputado Luis Fernando Nicolau denunciou o desvio de duas mil toneladas da merenda escolar, no valor, então, de R$ 6 milhões, o equivalente a 215 caminhões entupigaitados de alimentos. Acusou diretamente o governador Amazonino Mendes e seu secretário de educação José Melo como responsáveis pelo desfalque.

O Tribunal de Contas da União (TCU) fez uma auditoria, procurando os ovos nas notas de empenho e nas notas fiscais. Descobriu que a Secretaria de Educação pagou por eles um preço muito superior aos valores do mercado e que os ovos do Melo eram superfaturados. Os auditores visitaram as escolas do Amazonas, na hora do recreio, para ver se os ovos eram hipernutritivos e constataram que não estavam sendo consumidos. Deram uma incerta nos armazéns das empresas fornecedoras, que eram os fiéis depositários das mercadorias, e nada encontraram. Os ovos desapareceram.

Na realidade, muitos alimentos, incluindo ovos e suco concentrado, nunca chegaram à rede escolar, embora tivessem sido pagos antecipadamente. O TCU concluiu que houve superfaturamento na compra de alimentos com recursos do governo federal durante as administrações dos secretários Manoel Veríssimo e José Melo. Na época, o repórter Sérgio Bartholo registrou o voto do ministro relator do processo, Paulo Afonso Oliveira, que considerou improcedentes as explicações de Melo e Verissimo.

Por isso, leitor, quando vi o José Melo no Eduardinho, carregando com ele o peso de várias toneladas de merenda escolar e os recursos desviados da Fundação de Assistência ao Estudante (FADE), tremi nas bases.

- Se ele entrar no avião, eu não viajo, não corro esse risco nunca - pensei, ainda mais porque não havia crianças no pedaço, me impossibilitando de usar o requerimento. Alguém aumentou meu pânico, dizendo que o ex-governador Eduardo Braga também ia viajar com o Melo em campanha pelo interior.

-Danou-se! – pensei.

Zé Melo e Eduardo Braga juntos no mesmo avião –o Dudu depois da variação patrimonial declarada no Imposto de Renda– é uma bomba na iminência de explodir.

Felizmente para todos os passageiros, os dois tomaram um jatinho particular, nos livrando da companhia indesejada. Parece, no entanto, que o destino do Melo era o mesmo que o meu: Barcelos. Ontem à noite, no forró do "point" de Barcelos, um barzinho chamado Espoca-Velha, vi uma careca parecida com a dele sacolejando o esqueleto e rodopiando no salão de dança.

Eu, ein, Rosa? Vade retro, capiroto!

O professor José Ribamar Bessa Freire coordena o Programa de Estudos dos Povos Indígenas (UERJ), pesquisa no Programa de Pós-Graduação em Memória Social (UNIRIO) e edita o site-blog Taqui Pra Ti.

sábado, 24 de julho de 2010

PECUÁRIA DA FLORESTANIA

Na Via Chico Mendes, cavalgada da Feira Agropecuária do Acre

quinta-feira, 22 de julho de 2010

DECISÃO DOS JUÍZES ELEITORAIS

Governo do Acre está impedido de fazer propaganda da Feira Agropecuária

Por não ser “caso de grave e urgente necessidade pública”, os juízes do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Acre negaram ao governo estadual pedido para veiculação de publicidade institucional da Feira Agropecuária do Acre (Expoacre), o maior evento do Estado.

A Expoacre começa no sábado (24) e termina em 1º de agosto. A veiculação de publicidade institucional seria por meio de inserções na televisão, a partir desta quinta-feira (22) até o dia 1º de agosto.

A relatora do processo foi Arnete Guimarães, ex-integrante do governo petista, que concorreu recentemente à vaga de juíza como membro da OAB-AC e foi nomeada pelo presidente Lula.

Leia mais no Blog da Amazônia.

A ONÇA VAI ESTURRAR


Quando lhe convém, o jornalista Sílvio Martinello, dono de A Gazeta, narra a política do Acre como ninguém. É o que faz nesta quinta na sua coluna Gazetinhas:

"De hoje e nos próximos dias só vai dar Expoacre.

Todo mundo (ou quase) trocando a roupa de caipira, de seringueiro, até a tanga de índio e vestindo-se de caubói e "cowgirl".

A propósito, causou frisson na “inteligentsia local” a troca de chamegos entre a senadora ruralista Kátia Abreu e dirigentes locais da Frente Popular e do Governo, durante a inauguração da sede da Federação da Agricultura.


Na verdade, trata-se de uma fissura que vem se esgarçando há algum tempo e culminou com a saída da senadora Marina do Governo Lula e do PT.

A ala "conservacionista" já não se entende com a ala "desenvolvimentista".


Mas é um debate saudável e necessário que precisa ser aprofundado.

Além da floresta, vêm outras questões aí pela frente para serem debatidas e resolvidas.

Como a Álcool Verde, que deverá começar a produzir a partir do mês que vem, a exploração de petróleo e a construção de hidrelétricas na fronteira do Acre com o Peru e outras.

Aí é que a onça vai esturrar."

Meu comentário: Daquela mesa imparcial, objetiva, plural e independente será escolhido o secretário de Comunicação do futuro governador do Acre Tião Viana (PT). Ou não?

quarta-feira, 21 de julho de 2010

A CULPA É DO PÉ DE FUMO

Juarez Nogueira

Nunca antes na História desse país se viu tanto comunista e tanto socialista defender tanto interesse de pecuarista. Não, não há de se estranhar que PT, PC do B e ruralistas do DEM ou de qualquer outro credo se enlacem na farra do boi. Ou da vaca, que além da capa de costela dá maminha. Qualquer ideologia partidária não vale rasa plantinha do chão. Vale sim muitos hectares, um Acre inteiro.

O Bruxo do Cosme Velho é que tem razão e direito: “a principal vantagem dos estudos da língua é que com eles não perdemos a pele, nem a paciência, nem, finalmente, as ilusões, como acontece aos que se empenham na política, essa fatal Dalila (deixem-me ser banal), a cujos pés Sansão perdeu o cabelo.”

Não, aqui não quero ofender Dalila comparando-a com a senadora Kátia Abreu. Só faço confirmar que o estudo da língua é mesmo muito importante, senão vejamos que pérola de ecologia essa dona oferece: “Quem dera fôssemos capazes de produzir comida sem ter que desmatar uma área, sem ter que arrancar do chão nenhuma espécie de plantinha.” Plantinha...

E ainda: “Aldo é um símbolo porque não é da direita e não é fazendeiro, portanto as pessoas puderam enxergar honestidade, bom senso e isenção na matéria.”

Muitas dessas pessoas aí estão se dobrando de tanto rir dessa declaração, mas aqui, de novo insisto na importância dos estudos da língua: o humor nesse país já foi coisa mais séria, minha gente. Agora virou esculhambação.

Aldo Rebelo é aquele símbolo de deputado mais conhecido pela paternidade de um projeto xenófobo que proíbe o uso de estrangeirismos no Brasil. O que ele fez agora foi oficializar a xenofobia dos ruralistas com as plantinhas. Xenofobia com as plantinhas RÁ-RÁ-RÁ...

Bom senso e isenção de matéria é isso RÁ-RÁ-RÁ... e é nisso que dá quando se junta tanto símbolo de bom senso e isenção de matéria: a culpa é do pé de fumo.

Ainda com a importância dos estudos da língua: a política é menos, muito menos, questão de opinião. Deveria ser questão de ética, valores, bem comum – enfim, essas coisas que não valem uma plantinha, tudo muito simbólico. Deveria ser questão de princípios, mas princípios são muito menos ainda questão de opinião. A diferença é que opinião qualquer um tem.

Para encerrar, com o velho Machado (de Assis, e não o primo pobre da motosserra): isto de política pode ser comparado à paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo: não falta nem o discípulo que nega nem o discípulo que vende.

Não, não estou comparando petista, socialista e ruralista a discípulo que nega e que (se) vende, até porque a questão aqui não é de opinião, nem de princípios e muito menos ainda tem a ver com o estudo da língua. A questão é que a culpa é do pé de fumo RÁ-RÁ-RÁ...

Juarez Nogueira é professor e escritor mineiro em Divinópolis (MG), autor do "Manual de Sobrevivência na Redação" e "O Menino Alquimista".

FIQUEI SUJO COM O GOVERNADOR

Durante quatro anos tentei em vão obter uma entrevista exclusiva com o governador do Acre Binho Marques (PT). Agora, conforme me disse um assessor dele, fiquei sujo com o governador por causa da notícia (leia) do encontro que manteve com a senadora Kátia Abreu (DEM-TO).

Como não posso aplicar a teoria da análise do discurso para escrever uma notícia, fica aqui o registro do ponto de vista do assessor, a quem não pedi autorização para reproduzir a conversa e nem citar o nome:

"Por tudo o que o Binho Marques é e faz, você deveria proteger um pouco mais a imagem dele. Ele não pode ser mostrado como se estivesse fazendo coro com a Kátia Abreu, quando, na realidade, foi exatamente ele quem a enfrentou e a colocou no seu lugar, dizendo que ela não conhece o Acre e, se conhecesse, não teria usado o tom agressivo que usou.

A gente não se comunica apenas com palavras, mas com gestos e com uma infinidade de expressões. O Binho usou ironia fina e você pegou o texto frio do discurso e passou como se ele tivesse fazendo as afirmações em definitivo.

O Binho não deixou dúvida de que se opôs com veemência à condução do Aldo Rabelo. Inclusive, se você se lembra, o governador assinou um documento deixando claro que o governo do Acre, ele próprio, eram contra as mudanças no Código Florestal da forma que vinha sendo proposta pelo Aldo.

O Binho não mudou sua posição em relação aos 80% do Código Florestal. Pelo contrário, ele está indo ao ambiente dos fazendeiros para conclamá-los a aderirem à economia moderna, ao plantio de árvores para lucrar com o sequestro de carbono."

Quem tiver ouvidos que ouça os discursos

Da senadora ruralista Kátia Abreu (DEM-TO)


Do governador Binho Marques (PT)

SAMBA DO CABOCLO DOIDO

Luciano Martins Costa

Reportagem no Estado de S.Paulo indica que as grandes redes de supermercados estão transformando suas lojas em instalações ecologicamente corretas e investem na educação ambiental dos consumidores.

Além de utilizar sistemas de economia de energia, captação e reaproveitamento de água da chuva, os supermercados aumentam a oferta de produtos orgânicos com certificação socioambiental e oferecem espaços adequados para os clientes descartarem lixo reciclável, óleo de cozinha usado, pilhas, baterias e telefones celulares antigos.

Em muitos casos, as lojas são planejadas ou adaptadas para utilizar ao máximo a luz solar, o ar condicionado gasta menos energia e os carrinhos de metal começam a ser substituidos por outros feitos com garrafas PET recicladas.

Na mesma página do Estadão e em outros jornais, como a Folha de S.Paulo, registra-se o fato de que alguns dos maiores frigoríficos do País anunciam ter deixado de comprar gado de centenas de fazendas localizadas em terras indígenas e unidades de conservação ou perto de áreas recém-desmatadas da Amazônia.

Além disso, outras 1.787 propriedades estão sendo investigadas e também poderão ser excluidas da lista de fornecedores de carne bovina.

As duas notícias se juntam ao relatório preliminar sobre o desmatamento na Amazônia, que registra, ainda que com dados parciais, uma queda de 47% no ritmo de derrubada de árvores.

Essas reportagens andam na contramão de outras notícias, como a recepção calorosa feita à senadora Kátia Abreu, líder dos ruralistas, pelos líderes petistas do Acre, a terra de Chico Mendes.

Saiu em primeira mão no Blog da Amazônia, assinado pelo jornalista Altino Machado, e foi reproduzido pela edição online da Folha de S.Paulo: Kátia Abreu foi recebida festivamente pelos criadores do conceito da “florestania”, a cidadania da floresta, elogiou a pecuária do Acre, a terra de Marina Silva, e ouviu louvores à proposta de desmanche do Código Florestal.

É um verdadeiro samba do caboclo doido.

Luciano Martins Costa escreve no Observatório da Imprensa.

DESFAÇA O CONVITE, BINHO

O repórter Fábio Pontes alerta em artigo semanal que escreve em A Gazeta que o governador Binho Marques (PT) não precisa "jogar na lata do lixo seus ideais e dizer que se sente em casa diante de tantos fazendeiros."

- Binho não precisa manchar sua bela biografia política, não pode se induzir pelo “o fim justificam os meios”. Para que sua história não seja manchada, ele precisa desfazer o convite feito a Kátia Abreu para voltar ao Acre ainda neste ano, seu último como governador.

Clique aqui para ler o artigo.

EM CASA COM RURALISTAS DO DEM

Embora o assunto tenha sido alvo de mais uma "operação abafa" na imprensa local (dos quatro diários, apenas A Gazeta deu), a Folha de S. Paulo traz a reportagem "Petista do Acre se diz "em casa" com ruralista do DEM", assinada por Jean-Philip Struck:

"Em um evento com a senadora Kátia Abreu (DEM-TO), o governador do Acre, Binho Marques (PT), foi aplaudido por uma plateia formada por pecuaristas ao afirmar que se sentia "em casa" diante de "tantos fazendeiros".

Kátia Abreu retribuiu com elogios aos pecuaristas acrianos. "Eu vejo imagens da boiada no Acre e sinto meu coração estalar, meu peito se encher de orgulho", disse a senadora.

As declarações foram feitas na segunda-feira, em Rio Branco (AC), durante a inauguração da sede da Faeac (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Acre).

Compareceram ainda à inauguração o ex-governador e candidato ao Senado Jorge Viana e o prefeito de Rio Branco, Raimundo Angelim, ambos também petistas.

A Faeac é filiada à CNA (Confederação Nacional de Agricultura), presidida pela senadora Kátia Abreu, defensora de uma anistia aos proprietários rurais que desmataram ilegalmente.

Em seu discurso, Kátia Abreu reclamou dos ambientalistas, que chamou de "fundamentalistas extremamente radicais", e defendeu a expansão da área plantada no Acre e no resto do Brasil:

"Essas pessoas precisam entender que não se planta arroz em cima de árvore."

Tanto ela quanto o governador do Acre elogiaram o deputado federal Aldo Rebelo (PC do B), relator do novo Código Florestal.

"Aldo é um símbolo porque não é da direita e não é fazendeiro, portanto as pessoas puderam enxergar honestidade, bom senso e isenção na matéria", disse ela.

Já o governador, que é amigo da senadora Marina Silva (PV) desde os tempos da faculdade e disse ter sido "companheiro" do ecologista Chico Mendes, declarou que custou a entender a posição de Rebelo, mas disse que mudou muito e que "os comunistas sempre tiveram quedinha pelos ruralistas"."

terça-feira, 20 de julho de 2010

OS DISCURSOS

Da senadora ruralista Kátia Abreu (DEM-TO)


Do governador Binho Marques (PT)

PECUÁRIA E FLORESTANIA

Na terra de Chico Mendes e Marina Silva, governo do PT apoia senadora ruralista do DEM

A senadora Kátia Abreu (DEM-TO), principal voz em defesa dos ruralistas do país, foi recepcionada pelo governador Binho Marques (PT), na noite desta segunda-feira (19), em Rio Branco, onde participaram da inauguração da sede da Federação da Agricultura do Estado do Acre (Faeac). A solenidade foi prestigiada pelo ex-governador Jorge Viana (PT), candidato ao Senado.

Na terra do seringueiro Chico Mendes e da senadora Marina Silva (PV-AC), ambos símbolos internacionais do movimento ambientalista em defesa das florestas da Amazônia, Kátia Abreu foi muito aplaudida por fazendeiros e autoridades petistas ao defender abertamente a derrubada de florestas para a expansão pecuária.

- Não se planta arroz em cima de árvores. Não se cria bois em cima de árvores. Infelizmente ou felizmente, as áreas precisam ser abertas para a produção de alimentos. Quem dera fôssemos capazes de produzir comida sem ter que desnatar uma área, sem ter que arrancar do chão nenhuma espécie de plantinha. Seria um milagre extraordinário. Infelizmente, nós não somos capazes ainda de descobrir uma tecnologia que evite a abertura de áreas.

Leia muito mais no Blog da Amazônia.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

PEÃO DA DAMA

Antonio Alves

Vou convidar os parceiros para jogar um pouquinho desse Xadrez da política.

Pra iniciar a partida, não vou dizer quem manipulou a pesquisa do(a) “Ibope Inteligência” nem com que propósitos.

As impressões digitais estão nos números (divulgados ou nem tanto), cada um pegue sua lupa e analise.

Se duvidar, saia aí pela rua com um cartão contendo os nomes dos candidatos e pergunte aos acreanos em quem eles vão votar.

Se na sua pesquisa o Serra ficar 10 pontos à frente da Marina, pode colocar uma margem de erro acima de 4% e chamar isso de rigor científico.


De qualquer forma, como toda pesquisa expressa um desejo, esta também deve servir de orientação para quem faz política, ou seja, quem “trabalha” com os desejos da população e pretende transformá-los em votos.

A pesquisa me mostra com mais nitidez o terreno em que estamos caminhando, minado de interesses, escorregadio, cheio de desvios, sinalizado para dar em becos sem saída.


Talvez as lideranças do sistema político-econômico não percebam o quanto uma derrota da Marina no Acre prejudicaria a autonomia e a força do Estado.

Não é só porque Marina abriu as portas do mundo e possibilitou visibilidade e financiamento para os projetos estaduais com o pressuposto de que o povo acreano se une em torno de um ideário florestal.

Não é só porque Marina ainda é ao mesmo tempo o “fiel da balança” e o contrapeso, a parte mais densa, o osso do projeto acreano que não pode ser engolido pelos arranjos políticos nacionais ou pelos acordos oligárquicos regionais.

É, principalmente, pela importância crescente que ela terá no futuro.


Passadas as eleições, ou o “governo” do Acre renova e mantém seus laços com as forças que hoje se mobilizam em torno de Marina, ou terá que participar de um consórcio no qual terá 0,34% das ações, o tamanho do eleitorado acreano, submisso aos arranjos nacionais que privilegiam sabemos quem.

Na seqüência de uma conversa que está apenas começando, talvez eu tenha oportunidade de ser mais explícito e específico.

Por enquanto, como disse, vou fazendo um pouquinho de política, porém nas regras do Xadrez, um jogo maravilhoso.

Nele, não há sorte ou azar, a mentira e o blefe são punidos com a derrota, o objetivo é matar o Rei e a Dama é a peça mais forte.


Ah, eu não jogaria outro jogo.

Antonio Alves é cronista, assessor do governo do Acre e ex-militante do PT.

DEU NO BLOG DO FERNANDO RODRIGUES

No Acre, Serra lidera e Dilma é está em 3º

Na terra dominada pelo PT desde 98, candidata de Lula patina

Sai hoje uma pesquisa do Ibope para o Estado do Acre e o resultado é uma pedrada para a candidata do PT a presidente, Dilma Rousseff.


Eis os dados sobre a disputa presidencial (apenas entre os eleitores acrianos):

José Serra (PSDB) – 39%
Marina Silva (PV) – 29%
Dilma Rousseff (PT) – 16%

A pesquisa do Ibope no Acre foi realizada de 12 a 14 de julho. O registro no TSE é 19.641/2010. Foram entrevistados 602 eleitores e a margem de erro é de 4 pontos percentuais. O levantamento foi encomendado pela Federação das Indústrias do Acre. Aqui, levantamentos anteriores no Estado. Aqui, pesquisas presidenciais.

Lula sabe que as coisas não vão bem no Acre. Em geral, o presidente fala aos seus aliados: “Eu até compreendo que a Dilma possa ficar atrás da Marina, que é de lá. Mas do Serra não dá”.

O Acre tem apenas 461.969 eleitores (0,34% do país), segundo dados do TSE (base de abril). Ou seja, não é grave quando um candidato a presidente perde a eleição entre os acrianos. Mas trata-se de uma local emblemático para o PT: é o Estado no qual o modelo petista de governar tem sido mais longevo.

Lula ganhou no Estado no primeiro turno de 2002 com 46,8%. À época, José Serra (PSDB) teve 19% dos votos dos acrianos. No primeiro turno de 2006, o petista votou a vencer com 58,6% contra 37,3% de Geraldo Alckmin (PSDB). Ou seja, apesar da hegemonia lulista, já era possível notar algum avanço do voto tucano há 4 anos. Agora, o PSDB lidera no Estado na disputa presidencial.

Mas essa vantagem dos tucanos não se repete nos votos para governador e senador. Eis os dados apurados pelo Ibope na pesquisa de 12 a 14 de julho:

Governador:

Tião Viana (PT) – 63%
Tião Bocalon (PSDB) – 18%
Gouveia (PRTB) – 2%
Indecisos – 13%
Brancos/Nulos – 4%

Senador (2 vagas; o eleitor escolhe 2 nomes):

Jorge Viana (PT) 67%
Sérgio Petecão (PMN) – 31%
Edvaldo Magalhães (PC do B) – 27%
João Correia (PMDB) – 11%
Citou só um candidato – 32%
Indecisos – 26%
Brancos/Nulos – 5%

Esse caso do Acre é curioso. Revela muito sobre o comportamento do eleitor brasileiro e da tese da fadiga de material. Por algum motivo, os acrianos emitem sinais paradoxais na mesma eleição: parecem satisfeitos com a gestão petista local, mas rejeitam o nome indicado pelo PT para suceder a Lula.

Em tempo: Dilma Rousseff não agendou (ainda) visitas ao Acre.

Leia mais no Blog do Fernando Rodrigues

JORGE VIANA AMPLIA BENS APÓS VENDA

RUBENS VALENTE, da Folha de S. Paulo

O candidato ao Senado pelo PT do Acre, o ex-governador Jorge Viana, multiplicou seu patrimônio ao trabalhar para uma fábrica de helicópteros que fechou contrato bilionário com o governo Lula.

Engenheiro florestal, um dos principais nomes do PT no Estado e irmão do senador Tião Viana (PT), Jorge foi prefeito de Rio Branco (93-96) e governador (99-06).

Em 1998, o patrimônio que declarou à Justiça Eleitoral era um apartamento financiado, dois carros e três linhas telefônicas. Até 2002, seus bens pouco evoluíram.

Na semana passada, Viana revelou ao TRE do Acre ter um patrimônio de R$ 2,32 milhões -um salto de 1.466% em relação a 1998.

Viana disse à Folha que deixou o governo acriano, em 2006, com patrimônio de R$ 700 mil, ou R$ 836 mil, em valor atualizado (crescimento de 177% desde então).

A explicação para o sucesso de Viana é sua passagem pela Helibras, a maior fábrica de helicópteros do país.

Após deixar o governo acriano, Viana, cotado para ocupar ministérios, tomou posse na presidência do conselho de administração da empresa, em Itajubá (MG), onde trabalhou entre setembro de 2007 e março último, quando deixou a empresa para disputar o Senado.

A empresa é controlada pelo grupo franco-alemão EADS, que faturou 48,3 bilhões em 2008.

Na gestão Viana, a Helibras, no âmbito do acordo militar assinado entre Brasil e França no final de 2008, acertou vender à União 50 helicópteros de transporte, por R$ 5,1 bilhões.

A agenda de Lula e o histórico do projeto feito pela STN (Secretaria do Tesouro Nacional), entregue ao Senado, mostram que Viana apresentou pessoalmente a Lula, em 13 de fevereiro de 2008, a proposta da Helibras para instalação de linha de produção de helicópteros que desse conta da encomenda.

O Ministério da Defesa confirmou que Viana participou de reuniões com autoridades do governo a propósito do acordo militar.

Em 2009, a Helibras também fechou contrato com o Exército, de R$ 375 milhões, para modernizar, até 2021, 34 helicópteros.

Viana caiu nas graças do governo francês. Em novembro, foi condecorado pelo presidente Nicolas Sarkozy, em Paris. Fotos mostram que Lula participou do ato.

A "Legião de Honra" é conferida a quem contribuiu com a França nas áreas econômica, social e cultural. Ele está na primeira categoria. A Embaixada da França no Brasil confirmou que a condecoração se deveu ao trabalho de Viana na Helibras, descrita como "grande parceira econômica da França".

Viana disse que a honraria "foi uma maneira de eles homenagearem um trabalho feito que construiu o que eu chamo de "a nova Helibras'".

Ao sair do setor público após 12 anos, Viana disse ter ficado "chocado" com os valores pagos pela iniciativa privada, que, reconheceu, levaram a uma alteração "substancial" do seu patrimônio. Disse ter recebido, em média, R$ 80 mil por mês desde 2007, além do salário de R$ 20 mil do governo do Acre, como ex-governador.

Viana também integrou os conselhos administrativos de outras cinco empresas, cujos nomes ele não revela, sob alegação de ter assinado contratos com cláusulas de confidencialidade.

Abriu uma empresa em Brasília, a Ambiental, no endereço do escritório de advocacia de um amigo, o ex-subprocurador geral da República José Roberto Santoro.

Viana também tornou-se sócio de empreiteiros do Acre interessados em abrir usina de álcool em Rondônia, que ainda não saiu do papel.

Fonte: Folha de S. Paulo

O LADO SOMBRIO DOS CANDIDATOS

JOSÉ RIBAMAR BESSA FREIRE


Horóscopos, em geral, pintam o mundo cor-de-rosa. Apontam apenas as qualidades das pessoas, mas ocultam suas aberrações. Quem nos diz isso é o famoso astrólogo peruano, Pepe Carlin, um especialista no horóscopo de defeitos, que fotografa a alma das pessoas, refletindo seus aspectos sombrios. Ele explica que os astrólogos sabem que todo mundo traz no seu mapa astral planetas retrógrados, mas não se atrevem a anunciar suas influências maléficas. Com ele não tem disso não.

Em tempos de eleição, o horóscopo de Carlin pode ser útil. Verifique você mesmo, leitor(a), sua justeza, confrontando-o com os signos de alguns políticos brasileiros de expressão nacional e de outras celebridades municipais e estaduais. Ele acertou com Bruno das Dores, goleiro do Flamengo, que é capricorniano, com o ariano Anthony Garotinho e com o leonino Collor de Mello. Veja Dilma Roussef, José Serra, Michel Temer, Gilmar Mendes e outros.

ARIES (21 março - 20 abril): Você não consegue influenciar ninguém, embora fique o tempo todo exibindo um pretenso poder. Procura espiritualidade, mas nem sempre pelas melhores vias. Demagogo, suas mentiras são rapidamente detectadas. É muito guloso, toma muito refrigerante e tenta colocar o mar inteiro dentro de sua pança. Tem tendência para engordar. Arianos são bons para exercer funções de juiz, sogra, lutador de sumô, radialista e pastor. Não servem para mais nada.

TOURO (21 Abril - 20 Maio): Você é hipócrita, tem duas caras. Sua falta de constância nas coisas e sua maldita hipocrisia o convertem em um manipulador. Você está se lixando para o que os outros sentem ou pensam, engana sempre seus aliados. Diz que é amigo dos amigos, arruma emprego pra eles, mas depois de obter o que quer, manda-os lamber sabão. Taurinos são bons triatletas, vendedores de enciclopédias de porta em porta, decoradores, cabos e quando puxam saco, ministros.

GÊMEOS (21 Maio - 20 Junho): O signo governa as glândulas, o cérebro e os pulmões, com tendência à diabete e a problemas respiratórios. Os geminianos apresentam irritabilidade descontrolada, decorrente da inveja. O instinto vingativo é muito forte e a sensualidade pode fugir ao controle, com o predomínio dos instintos. Têm êxito na política, no circo, nas novelas das 8 e pulando a cerca para fugir dos credores. Se dá bem como corretor de imóveis, moto-boy, bicheiro e aspone.

CÂNCER (21 junho - 22 julho): Você se acha o cara mais solidário do mundo, o que sofre pelos outros, compreensivo com os problemas alheios, mas não passa de um rejeitado, um frustrado. Compaixão, sensibilidade e emotividade fazem do homem de câncer um tremendo galinha em potencial, com exceção dos nascidos hoje, dia 18, que são fiéis e monogâmicos. As mulheres dão boas conselheiras matrimoniais, fofoqueiras, melhores amigas ou freiras. Os cancerianos se desempenham bem como professores, barbeiros, policiais e romancistas, o que é o mesmo que nada.

LEÃO (23 julho a 22 agosto): O leonino se considera líder natural, mas todo mundo sabe que é um babacão. Vaidoso, arrogante, dominador, grunhe de vez em quando, crê que é a última Coca-Cola do deserto e costuma responder as críticas que lhe fazem com pontapés e socos. Aquilo que você chama de caráter é intolerância com os outros. Quer sempre impor suas ideias, embora todo mundo saiba que é fanfarrão, não entende bulhufas daquilo que fala. Os leoninos servem para ser bons guardas de trânsito, cafetão, ditadores e rebeldes sem causa.

VIRGEM (23 agosto - 22 setembro) - Você acha que é do tipo lógico, sistemático, trabalhador e muito analítico e tenta usar essas qualidades para ganhar dinheiro fácil e por vias nada católicas. Você é frio, não tem emoções, crê que todo mundo é leso e você é o único capaz, está se lixando para o que os demais pensam de sua pessoa. Faz sempre o que quer, é uma pessoa traiçoeira, egoísta e orgulhosa. Os virginianos se desempenham bem como cobradores de ônibus, caixa de banco e almoxarife.

LIBRA (23 setembro - 22 outubro) - O libriano quer que pensem que ele é refinado, do tipo artístico, idealista, com classe e bom gosto. Diz proteger os demais, mas quer sempre ganhar algo em troca. Embora não admita, é um maldito interesseiro. Utiliza cada oportunidade que tem para desqualificar os demais diante de todo mundo pra se dar bem. O homem desse signo é bobalhão, gosta de fazer pose; a mulher é imatura e leviana. Os librianos são bons advogados, coveiros, enfermeiros e gerentes de creches e asilos.

ESCORPIÃO (23 outubro - 21 novembro) - O pior de todos: desconfiado, vingativo, obsessivo, rancoroso, frio, orgulhoso, malicioso, cínico, calculador, se mete em todo tipo de falcatrua, não pode ver dinheiro público que quer logo privatizar. São capazes de passar a perna, por exemplo, num pedreiro que ganhou na loteria. É preciso ter cuidado com os homens de escorpião, porque podem ferrar com o rabo. Tem vocação para terrorista, nazista, fiscal de imposto de renda, delegado e juiz de futebol.

SAGITÁRIO (22 novembro - 21 dezembro) - Você usa e abusa do poder econômico, se acha otimista, aventureiro, mas é um bosta - excetuando os nascidos no dia 30 - que faz tudo de maneira medíocre. Sua falta de constância faz que não termine nada do que começa, ninguém leva você a sério, vive numa bolha estúpida de sonhos infantis. Reúne todas as condições para ser imaturo, indisciplinado, irresponsável, sem concentração e limitado. Isso explica porque os sagitarianos nunca conseguem nada. Servem pra aeromoça, guia de turismo, regatão, astronauta e bombeiro.

CAPRICÓRNIO (22 dezembro - 21 janeiro) Você é conservador, frio, calculista e inflexível como o aço inoxidável. Sua fidelidade e paciência não são argumentos suficientes para esconder seu materialismo e seu lado ambicioso, capaz de roubar pão da boca de criança, de esconder dinheiro na meia ou na cueca e até de assassinar. Você é capaz de vender a própria mãe e pedir o troco. Os capricornianos tem êxito como banqueiros algemados, juízes que desalgemam, prestamistas ou goleiros.

AQUÁRIO (22 de janeiro - 18 de fevereiro) - Os aquarianos tem mente criativa, em nome do progresso e do lucro são capazes de fazer as maiores barbaridades, de forma imbecil e teimosa. Adoram telenovelas, mas não admitem isso publicamente. Gostam se de reunir em grupo pra falar mal da vida alheia. São ótimos sindicalistas, manicures e estilistas, às vezes, as três coisas ao mesmo tempo.

PEIXES (19 de fevereiro - 20 de março) - Você é do tipo sonhador, místico e sensível, quando isso é de seu interesse. Se for homem, suas possibilidades de ser um babaca são muito altas. Vive distribuindo conselhos inúteis e supérfluos. Aproveitador, dá uma baixa na paciência e na conta bancária dos incautos com quem convive. Se for mulher, pode ser boa apresentadora de programas infantis ou atriz de filme pornô.

O professor José Ribamar Bessa Freire coordena o Programa de Estudos dos Povos Indígenas (UERJ), pesquisa no Programa de Pós-Graduação em Memória Social (UNIRIO) e edita o site-blog Taqui Pra Ti.

domingo, 18 de julho de 2010

FOGO NA CIDADE


O fogo está devastando uma área de capoeira existente entre o igarapé São Francisco e o bairro Placas, em Rio Branco (AC). O Corpo de Bombeiros foi chamado, mas não fez praticamente nada. A bomba do caminhão pifou após bombear água por menos de cinco minutos.

Existem quatro caminhões do Corpo de Bombeiros em operação na capital do Acre. Os bombeiros trabalham com bastante precariedade por causa das condições de seus equipamentos. Eles possuem, por exemplo, apenas escadas com no máximo 13 metros de altura.

- Recebemos muitos chamados e é quase sempre assim: ficamos impossibilitados de agir. A população percebe facilmente que não dispomos da estrutura necessária. Se esta situação evolvesse incêndio numa casa ou prédio, com vida de pessoas em risco, não poderíamos fazer nada e mortes seriam inevitáveis - disse um bombeiro.

Nesta época do ano, por causa da estiagem amazônica, os bombeiros começam a receber dezenas de chamados diários para debelar focos de incêndio em florestas, capoeiras e pastagens no perímetro urbano. A tendência é a situação se gravar nos meses de agosto e setembro, quando a estiagem na região se torna mais severa.




INCÊNDIO EM BRASILÉIA


Um incêndio destruiu 15 lojas no centro comercial do município de Brasiléia (AC) durante a madrugada deste domingo (18), na fronteira Brasil-Bolívia.

Leia mais no Blog da Amazônia.

sábado, 17 de julho de 2010

MANHÃ FRIA


Não se confirmou a previsão de tempo segundo a qual Rio Branco (AC) amanheceria com 7ºC. A mínima (foto às 5h18) foi de 12ºC, com sensação térmica de 10ºC. Clique aqui para saber mais.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

TODOS DE BRANCO


Médico e candidato a governador do Acre, o senador Tião Viana (PT) esteve reunido nesta sexta-feira com trabalhadores de um frigorífico de Rio Branco. O slogan da campanha dele é "Pra você vencer na vida", embora o favorito a vencedor na disputa pelo governo seja o próprio Tião Viana. Poderia vencer com mais folga sem o slogan.


HILDEBRANDO PASSA BEM


O ex-deputado Hildebrando Pascoal, conhecido como “homem da motosserra” e que já foi o coronel da Polícia Militar do Acre mais temido no Estado, passa bem após ter sido operado de hemorróidas na Fundação Hospital do Acre (Fundhacre) nesta quinta-feira (15).

Leia mais no Blog da Amazônia.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

A VIDA POR UMA CAUSA


Capa do livro "Marina - A vida por uma causa", da jornalista e escritora Marília de Camargo César, com prefácio de Fernando Meirelles.

CONEXÃO AMAZÔNIA



A Polícia Federal realiza nesta quinta-feira (15) a operação “Conexão Amazônia”, para prender uma organização criminosa sediada no Acre, que praticava diversos delitos, entre eles tráfico de cocaína, roubo de carga e câmbio ilegal de moeda estrangeira.

Foram mobilizados 150 policiais federais para cumprir 35 mandados de prisão e 28 de busca e apreensão, que estão sendo cumpridos nos Estados do Acre, Amazonas, Rondônia, Pará, Maranhão, Tocantins, Goiás e Rio Grande do Norte.

As investigações, iniciadas em 2008, revelaram que os integrantes do grupo criminoso, concentrado na região Norte do país, atuava no financiamento, aquisição, transporte, comercialização e distribuição de carregamentos de cocaína, provenientes da Bolívia e do Peru, além de roubo de carga, câmbio ilegal de moeda estrangeira e lavagem de dinheiro.

A forma de atuação consistia no transporte da droga pelas rodovias e rios da Amazônia fazendo a droga chegar a inúmeros estados brasileiros.

Os policiais descobriram que a organização possuía ramificações em outros Estados da federação. No curso das investigações, entre os anos de 2008 e 2010, a PF apreendeu cerca de uma tonelada de cocaína, veículos automotores, armas, embarcações e efetuou 91 prisões em flagrante.

Grande parte do dinheiro utilizado para adquirir a cocaína de fornecedores peruanos, que atuam na fronteira do Brasil com o Peru, era arrecadado por um dos investigados, acusado de tráfico de entorpecentes no Estado do Para, o qual liderava uma espécie.

Dentre os alvos da operação destacam-se um empresário da construção civil do Acre e um narcotraficante peruano que fornecia a cocaína à organização criminosa.

VIDA LONGA, DONA PEREGRINA


Dona Peregrina Gomes Serra, dignitária do Centro de Iluminação Cristã Luz Universal, recebeu na noite de quarta-feira os cumprimentos do senador Tião Viana e do ex-governador Jorge Viana pelos 73 anos de vida. Ambos, além do governador Binho Marques e do prefeito Raimundo Angelim, voltam nesta quinta-feira à casa da esposa do mestre Irineu Serra (1892-1971), fundador da doutrina do daime, para mais comemoração (música, dança e almoço), que se estenderá até o começo da noite.

Atualização às 17h45: o governador Binho Marques e os deputados Edvaldo Magalhães e Perpétua Almeida foram comer do bolo da aniversariante.



LARANJEIRA
(Raimundo Irineu Serra, no hinário O Cruzeiro)

Cada um tem um cabedal
De acordo que Deus lhe dá
Para viver neste mundo
É preciso procurar

Laranjeira carregada
De laranjas boas
Assim é algumas pessoas

Vou vivendo e vou dizendo
De acordo o que vai chegar
O ouro que tem na terra
É a luz que brilha mais

Laranjeira carregada
De laranjas boas
Assim é algumas pessoas


quarta-feira, 14 de julho de 2010

O CRIME COMPENSA

A direção do Tribunal de Justiça do Acre esteve reunida na terça-feira (13) para esclarecer a situação do presidiário Gleisson da Silva Andriola, 25, acusado de assassinar com 20 facadas a assessora parlamentar Ana Eunice Moreira Lima, na madrugada de domingo (11), em Rio Branco. Ao exigir a presença do comando da Polícia Militar na casa da vítima, negociar a rendição por mais de cinco horas e mesmo assim cometer o crime, Andriola gozava de regime aberto concedido pela Justiça com o aval do Ministério Público Estadual.

A gente sempre busca uma doença mental ou uma causa nas drogas e na bebida para tentar explicar crimes bárbaros. Andriola parece não se encaixar nisso. A ficha dele é interessante e deduz-se facilmente que cumpriu o que devia e ganhou a liberdade de acordo com o que determina a lei.

Na semana passada, quatro dias antes do crime, procurou a juíza Maha Kouzi Manasfi e Manasfi para informar mudança de endereço. Demonstrava mudança de vida também ao cumprir as exigências, e chegou a revelar que seria pai pela terceira vez.

Disse que estava morando na rua Cel. Alexandrino, frequentando a Igreja Universal do Reino de Deus, no Bosque, bem próximo do local onde assassinou a assessora e atirou na cabeça, tórax e perna de um comerciante. Andriola estava em fuga
quando cometeu os dois crimes, após ter tomado a arma de um segurança do Pronto Socorro de Rio Branco.

Consta na ficha que o jovem é artesão e trabalhava com marchetaria em Cruzeiro do Sul, onde nasceu. Concluiu o 2º grau, é comunicativo e sonha trabalhar com vendas. Não bebe e não usa droga e supostamente não estava sob efeito de nada na madrugada dos crimes.

Andriola responde a duas condenações. A primeira é oriunda da comarca de Cruzeiro do Sul, onde foi condenado, em junho de 2005, a 10 anos e 6 meses em regime fechado por furto de R$ 14 mil de um circo que fazia apresentações na cidade.

Foi transferido um ano depois para Rio Branco, por medida de segurança, porque organizava motins no presídio. Em 28 de junho de 2007, foi beneficiado com a progressão para o regime semi-aberto, após análise dos requisitos objetivos e subjetivos, inclusive, com parecer favorável do exame criminológico.

Posteriomente, em 31 de agosto daquele ano, obteve a progressão para o regime aberto. No dia 27 de novembro de 2007, após audiência na Vara de Execuções, obteve o livramento condicional. No entanto, no dia anterior, havia cometido novo delito -assalto na Vila dos Engenheiros, em Rio Branco.

Passou então a responder pelo segundo crime na 2ª Vara Criminal de Rio Branco. Intimado, não foi encontrado no endereço informado no processo, mas foi localizado em Cruzeiro do Sul, em fevereiro de 2008, e trazido novamente para a Capital.

Andriola foi condenado pelo segundo crime, em fevereiro do ano passado, a seis anos de reclusão em regime fechado. A defesa recorreu da sentença condenatória, enquanto o livramento condicional referente ao primeiro processo foi suspenso.

Em março de 2010, as penas de Andriola foram somadas e totalizaram 16 anos e 6 meses de reclusão. Como preencheu os requisitos previstos pela Lei de Execuções Penais, como bom comportamento, cumprimento do período de detenção, obteve a liberdade condicional em 2 de junho deste ano.

Gleisson Andriola vinha cumprindo com as condições estabelecidas para o regime aberto, tendo sido submetido a acompanhamento por psicóloga e assistente social, e avaliado como apto e de comportamento normal.

De sua parte, o procurador-geral de Justiça, Sammy Barbosa Lopes, ao comentar sobre o caso deu uma declaração pirotécnica ao repórter Resley Saab:


- O Ministério Público vem clamando no deserto há algum tempo que o crime compensa no Brasil, infelizmente.

Compensa mesmo, doutor? É por isso que Andriola foi posto em liberdade pela Justiça com a concordância do Ministério Público Estadual? O MPE não pode posar de pregador. Não é. Também não pode se alinhar ao erro.

terça-feira, 13 de julho de 2010

MOGNO NA FRONTEIRA

Demanda americana por madeira ameaça tribos isoladas no Peru


Relatório da organização Upper Amazon Conservancy (UAC), reforçado pela Survival International, denuncia a exploração ilegal de mogno em grande parte da Reserva Territorial Murunahua, na região do departamento peruano de Ucayalli, na fronteira com o Acre, destinada a proteger etnias indígenas que vivem em isolamento voluntário.

Entre março e abril, a UAC documentou a existência de acampamentos madeireiros e árvores derrubadas ao longo da reserva de 481,5 mil hectares. A reserva, adjacente ao Parque Nacional Alto Purús, serve de refúgio para os últimos grupos de índios isolados.

O relatório da UAC foi lançado apenas um mês após a viagem ao Peru da Secretária de Estado americana, Hillary Clinton, quando encontrou com o presidente Alan Garcia e afirmou que “os Estados Unidos e o Peru estão trabalhando juntos para proteger o meio ambiente”.

Leia mais no Blog da Amazônia.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

PAULO MOURA

(1933-2010)


O músico Paulo Moura, 77, morreu no fim da noite desta segunda-feira. Com linfoma, estava internado na Clínica São Vicente, no Rio, desde 4 de julho

BRINDE

Gabriela Oliveira

Tirou uma camada de pele

Depois outra
Achou que era suficiente
Deu uma olhada
Analisou e empilhou as camadas novamente
Colocou mais uma
Bem mais grossa que as outras.
Como um rei.

Um brinde aos que sangram
Aos que sangraram
Aos que um dia sangrarão
E a todos aqueles
Que efetuaram os disparos.
Enquanto existir morte, existirá vida.

Gabriela Oliveira escreve no blog Minha Antena Parabólica

JUSTIÇA E SEGURANÇA EM XEQUE

O bandido Gleisson da Silva Andriola, que aterrorizou Rio Branco na madrugada de domingo (11), começou a vida criminosa praticando pequenos furtos em Cruzeiro do Sul, onde nasceu.

Cumpria pena no regime aberto quando, em 26 de novembro de 2007, cometeu delito de roubo que originou uma execução penal, mas no dia seguinte foi beneficiado com a concessão do livramento condicional julgado da ação penal.

Foi posto em liberdade pela juíza da Vara de Execuções Penais de Rio Branco, Maha Kouzi Manasfi e Manasfi, em 2 de junho de 2010, de acordo com as leis brasileiras, com a manifestação favorável do Ministério Público Estadual.

Todos sabem que existe imensa pressão para que presos sejam soltos assim que completam o tempo da pena. A juíza Maha Kouzi Manasfi e Manasfi é freqüentemente acusada de dificultar a libertação de presos.

A juíza concedeu a progressão para o regime aberto a Andriola mediante as seguintes condições: comprovação de trabalho efetivo e honesto, dentro de um mês; sair de casa para o trabalho não antes das 6 horas da manhã e recolher-se à sua habitação, diariamente, não depois das 19 horas, salvo se exercesse trabalho ou estudasse.

Andriola deveria permanecer em seu local de residência fora dos horários de trabalho e de prestação de serviços à comunidade. Não poderia mudar de endereço sem comunicar ao juízo, nem ausentar-se da cidade sem autorização judicial.

Também deveria comparecer, mensalmente, à Central de Execuções de Penas Alternativas para informar e justificar suas atividades; não poderia freqüentar locais de aglomeração pública em que existisse venda ou consumo de bebida alcóolica, além de prestar serviços a comunidade em dia, lugar e horário a ser designado pela Central de Execução de Penas Alternativas, num total de seis horas semanais.

Nada disso aconteceu, pois Andriola circulava livremente na cidade numa moto, acompanhado de um comparsa.

Tomou de assalto a arma de um segurança do Pronto Socorro, invadiu o quintal de uma casa e feriu gravemente o proprietário com tiros na cabeça, tórax e perna.

Em seguida, invadiu a casa de uma mulher e a degolou, após exigir a presença do comando da Polícia Militar.

A secretária Márcia Regina Pereira de Souza, de Segurança Pública, publicou uma nota (leia) em que se diz indignada e disposta a combater o crime e colocar os criminosos na cadeia.

A secretária devia estar muito nervosa no momento que soprou por telefone ou redigiu a nota. Erra o nome do bandido, que foi denominado de Cleiton da Silva Andreola.

É absurdo a secretária assinar uma nota oficial com o nome errado de um bandido. Pequeno sinal do preparo e zelo que impera no setor de segurança pública.

domingo, 11 de julho de 2010

GOSTO ASSIM DE AÇAÍ


Tirado na hora, com açúcar mascavo e farinha

PREVISÕES ACERTADAS

José Augusto Fontes

Previsões contidas no nosso texto aqui no blog (veja), em 22 de maio, antes do início da Copa do Mundo de Futebol de 2010, deram certo. Ali, dentre outras coisas, afirmamos que duas seleções (que nunca ganharam Copa do Mundo) eram favoritas: Espanha e Holanda. Aliás, eu disse que apostaria na Espanha e no craque Xavi, apontando também a habilidade do excelente David Villa. O texto está acessível via internet através do blog. Citei a Holanda, mencionando o craque Sneijder, junto com Robben e Vam Bommel. Elas acabaram sendo as duas seleções finalistas, premiadas em razão do melhor futebol apresentado na Copa, com alguns craques e com jogo mais vistoso, de bom toque de bola e várias jogadas trabalhadas com categoria. Por isso mesmo chegaram à final, deixando pelo caminho várias seleções de jogo feio e de esquemas que aprisionaram o futebol.

Alguém viu criatividade e qualidade no jogo do Brasil? Do mesmo modo a França, do fracassado Raymond Domeneq, inexpressivo e desqualificado, como o próprio time que dirigiu, rumo à desclassificação pueril. Ou a Itália, um time sem renovação e sem qualidade, que não honrou as suas tradições. Sobre a Inglaterra, eu me enganei. Jamais sonhei que o craque Wayne Rooney fosse ser tão apagado. Paciência, o time também não ajudou muito. Já a Alemanha surpreendeu, com bons jogos e bela renovação, como os jovens Muller e Ozil, este mencionado e destacado naquele nosso texto, por ter ganho Copa Européia sub-21. A respeito de outros jogadores famosos, também no dito texto anterior, dissemos que o Cristiano Ronaldo seria apagado, o que realmente ocorreu. Já com relação ao Messi, previmos errado. Ele, indiscutivelmente um craque, foi uma desagradável surpresa por não ter brilhado ou marcado, mas isso também aconteceu com o nosso Kaká (que também não brilhou na Copa de 2006).

Voltando aos times, a Argentina caiu do próprio salto e da incontinência de um boleiro metido a técnico, cheio de bossa e de cena, sem notar que não havia picadeiro por perto. Mais uma vez, o Maradona meteu o nariz onde não devia. Aliás, antes de querer se comparar a Pelé, o seu Armando deveria pensar em querer chegar perto do Zico (com mais que o dobro dos gols dele), ou do Ronaldo, que brilhou na Europa, na Seleção, nas Copas e ainda se destaca no Brasil; ou procurar ver jogos do Tostão e do Garrincha, que como ele, também brilharam em Copas, embora sem ficar deslumbrados nem incoerentes. O Garrincha, por exemplo, foi Bi-Campeão, sem aditivos nem histeria, deixando adversários no chão.

Sobre o fanatismo por Maradona, os próprios argentinos deveriam dar mais valor ao Mário Kempes. Ele ganhou a Copa de 1978 (junto com os generais argentinos e com um bom time), foi artilheiro do mundial, desequilibrou, e está no mesmo nível do Maradona, que também só ganhou jogando uma vez, mas parece não lembrar-se disso. Portanto, o Pelé está em outro nível. Ele ganhou três Copas, das quatro em que esteve. E sobre a quantidade de gols do Pelé, aí não há nem como comparar. Neste item, os gols do Maradona viram pó. Em resumo, o Diego foi armando e acabou driblado pelo próprio descontrole. Saiu pela linha de fundo e obteve passe livre para sair de campo.

Ali mesmo (no referido texto, publicado neste blog em 22 de maio), há críticas ao Dunga e ao tal ‘sistema defensivo’, com afirmação prévia de que o nosso constantemente zangado técnico gostava mais de defender do que de atacar. E deu no que deu. Naquelas previsões, eu escrevi que preferia o Hernanes (São Paulo) no meio-campo, o Marcelo (Real Madrid) na lateral-esquerda e o Ronaldinho (Milan) em qualquer lugar do nosso time, além dos revelados Neymar e Ganso. Como todos viram, o Dunga preferiu os fracos Michel Bastos e Felipe Melo, junto com outros jogadores dispensáveis, como Josué e Kléberson, numa obsessão por volantes e cabeças de área. Logo, a criatividade brasileira não foi à Copa e o fracasso veio a jato. Há ainda uma previsão a mencionar. Dissemos que o Dunga cairia e imaginamos o Ricardo Gomes para o lugar dele. Será que vamos acertar? Do que vejo, ele parece ter boas chances, mas a briga do São Paulo com a CBF por causa do Morumbi pode atrapalhar. Vamos esperar pra ver, enquanto também esperamos por mudanças no nosso futebol, para que ele volte a ser o melhor do mundo.

Renovação no futebol brasileiro? Teria que começar pela mentalidade. Por exemplo, substituindo o ‘esquema defensivo’ por um jogo alegre, solto, desacorrentado, como é da nossa tradição; substituindo os cabeças de área e os volantes por uma dose de talento e outra de habilidade; e substituindo os cartolas eternos e os interesses comerciais da CBF por interesses puramente futebolísticos, tendo em vista o amor do povo pelo futebol, que o brasileiro tem de sobra. Para demonstrar isso, nesta Copa eu vi mulheres (que antes não ligavam pra futebol e sequer entendiam bem a regra do impedimento) querendo saber o que é ‘chutar de três dedos’. É o não é uma paixão?

Devo dizer, porém, que o rumo ditado, muitas vezes, por outros interesses, inclusive, financeiros, mostra que o futebol não é algo assim tão sério, que é apenas mais um jogo. Mas, sendo assim, porque não pode ser alegre e vistoso, ao invés de aprisionado e amarrado? Por que, além de perder, quando temos atletas para ganhar, ainda temos que apresentar um jogo feio, advindo de uma direção equivocada e baseada em falso pressuposto? Como explicar isso para o brasileiro e como dizer para as nossas torcedoras o que é uma ‘jogada de efeito’ ou um ‘passe de letra’, se os nossos atletas estão dando carrinho, levantando grama e chamando a bola de excelência?

José Augusto Fontes é poeta, cronista e juiz de direito no Acre

sábado, 10 de julho de 2010

PERERECA

DO SERINGAL AO CONVENTO

CLÁUDIO DANTAS SEQUEIRA


Em boa parte de sua infância, Marina Silva cumpriu uma rotina dura demais para qualquer criança. Levantava às 4h30 da madrugada, tomava o café que ela mesma moía em pilão, calçava os sapatos que fazia em látex, ligava o rádio e esperava pacientemente, sentada em silêncio na soleira da porta, a turma que sairia em caminhada para mais um dia de trabalho. Com a lua baixa e o sol ainda por nascer, o corpo demorava a despertar no trajeto de 15 quilômetros até a estrada de seringa. Depois, embrenhava-se na densa floresta em busca da “madeira”, como os acrianos chamam as seringueiras centenárias. O longo percurso era repetido quatro vezes ao dia. Foi assim dos 11 aos 16 anos. “De manhã a gente fazia o corte e à tarde voltava para recolher o leite em sacos de até 15 quilos”, contou à ISTOÉ a irmã mais velha de Marina, Maria Deuzimar da Silva, que até hoje vive na região do antigo seringal Bagaço, onde nasceram. As duas dividiram a lida com o pai, Pedro Augusto da Silva, e outra irmã, Maria Lúcia da Silva, um ano mais nova que a candidata a presidente da República pelo Partido Verde.

Já naquela época, a presença de crianças no trabalho de extração surpreendia. “As pessoas achavam um absurdo. Ficavam assustadas, porque não era comum meninas trabalhando no corte da seringa”, diz Deuzimar. “Normalmente, as mulheres cuidavam do roçado e os homens do seringal.” O problema é que na casa de Marina, de homem só havia o pai. O caçula, Antônio Arleir da Silva, nasceria mais tarde. Com sete filhas e a contingência de uma dívida com o dono do seringal, não restou a Pedro Augusto outra opção. “Fui tentar a sorte em Manaus e Belém, mas não deu certo. Quando voltei para o Bagaço, o patrão foi quem bancou as passagens. Tinha que pagar de volta”, explica o pai de Marina. Ele ainda resistiu à ideia de pôr as filhas no seringal, mas a mãe das crianças, Maria Augusta, foi firme. “Ela era muito orgulhosa e não queria ficar devendo”, diz Deuzimar. Em pouco tempo, as pequenas aprenderam o ofício. Começaram cortando até 150 seringueiras por dia. Logo, passaram a encarar as estradas mais compridas, com até 280 árvores. Também passaram a compreender a relação de amor que os seringueiros têm com a floresta. “Ela nos dá o sustento e nos faz sentir livres”, resume o pai. Além disso, segundo ele, “Marina achou que era melhor trabalhar à sombra das seringueiras do que debaixo do sol no roçado”.

A mais de 70 quilômetros de Rio Branco, o seringal era abastecido de mercadorias levadas em lombo de burro. Ali não havia escolas, e as brincadeiras se resumiam aos bonecos de madeira e pano feitos pela avó. Quem viu Marina crescer na floresta lembra de uma criança brincalhona e muito criativa. “Às vezes, ela parava o corte e pegava a água que a gente levava para beber para tirar borboletas e cigarras que caíam na tigela do látex. Ficava alegre só de ver o bicho voar de novo”, diz Deuzimar. A outra irmã, Maria Lúcia, recorda também um episódio curioso. “Um dia a gente estava chegando na estrada de seringa e ouvimos um rugido de onça. Ficamos com tanto medo que nos empoleiramos numa árvore. Ela riu um bocado, apesar do susto”, conta. O pai também se diverte ao relembrar a vez em que a filha, cansada da rotina, decidiu plantar seu próprio seringal em volta da casa. “Depois de fechar o corte, as irmãs foram embora. E ela ficou ali colhendo várias mudinhas nos pés das seringueiras mais próximas. Daí foi pro meio do roçado e plantou um pezinho aqui, outro acolá”, diz.

Clique aqui para ler a reportagem completa no site da revista IstoÉ.