sexta-feira, 31 de julho de 2009

CONFLITO NA FRONTEIRA

Brasileiros prometem “tocar fogo” em propriedades se forem expulsos da Bolívia por Evo Morales

Famílias de posseiros e fazendeiros brasileiros prometem resistir ou "tocar fogo" em suas propriedades na zona de fronteira do departamento de Pando, na Bolívia, após o presidente Evo Morales exigir a retirada delas, sem indenização, até o dia 14 de dezembro, para ocupar a região com 4 mil famílias de colonos que serão transferidas de La Paz e Cochabamba.

O governo boliviano transferirá duas mil famílias camponesas de La Paz e Cochabamba, na região central do país, para o departamento amazônico de Pando, na fronteira com o Brasil. A medida vem sendo criticada pela oposição.

A insatisfação das famílias de brasileiros ficou evidente durante reunião realizada nesta quinta-feira em Plácido de Castro (AC), na fronteira com a Bolívia, que contou com a presença de representantes da embaixada brasileira em La Paz e do o escritório regional para o cone sul da Organização Internacional para as Migrações (OIM), ligado à ONU.

Leia mais no Blog da Amazônia.

9 comentários:

Reuel Vieira disse...

Será que eles serão mesmo "transferidos"??

Acho um total desrespeito para com a dignidade humana.

Anônimo disse...

Vamos devolver o Polanco

Anônimo disse...

Reunião com representantes da Embaixada brasileira em La Paz? Pura perda de tempo e engodo para esses pobres camponeses.A nossa embaixada,abaixa demais para "el compañero Evo".Ela é surda,cega e muda,quanto se trata de defender os brasileiros.Só vai agir em favor dos mesmos se houver pressão,principalmente da mídia,senão é como a nacionalização da Petrobrás...Lula cedendo a las chantages del compañero Evo,y nosotros pagando la cuenta...Saludos y hasta la vista...

Anônimo disse...

tsc,tsc,tsc...Chegou a hora da onça beber água. Quero ver se o modelo de trabalho do governo Lula vai se comportar com esse entrave. Lá brasileiro é tratado como bicho, aqui o boliviano é tratado quase como um chefe de estado.
Vamos devolver todos os bolivianos também.
ah, havia esquecido, isso não faz parte da política do Brasil (sempre com a mesma idéia de companheiros e companheiras).

Anônimo disse...

Altino,

O que voce faria se o vizinho invadisse um area comprovadamente sua ? com certeza voce o colocaria pra correr. E o que está acontecendo neste país miseravel que é a Bolivia, as familias precisam de terras e de preferências aquelas com alguma benfeitoria como é o caso de terras ocupadas por brasileiros e alguns grandes latifundiários bolivianos. Bem, se estão em terras que não são suas legalmente, nada resta a ser não desocupar.

Anônimo disse...

Pronto, temos um conflito como a mais de 100 anos...

Anônimo disse...

Anônimo,você já ouviu falar em posse contínua e pacífica de propriedade urbana ou rural?Pois bem,os brasileiros que agora estão sendo expulsos da Bolívia nunca invadiram terra de ninguém.Simplesmente prestaram um serviço à Bolívia povoando essa região tão distante e inóspita,fazendo-a produzir e progredir.Agora,senhor Anónimo,é justo enxotar essa gente com uma mão na frente e outra atrá?Foi assim (expulsando e preseguindo estrangeiro) que começou a nascer os grandes regimes totalitários.O nome desse ato é xenofobia.Seja nacionalista e defenda seus compatriotas.Venha conhecer a Bolívia mais de perto,e me darás razão.

Pietra disse...

Parece piada...Mas é realidade!
Se vão "toca fogo", nada vai adiantar. Entendo que existe os dois lados, e o que esse povo acreano está fazendo nas terras alheias...Entendo que, o governo da Floresta e o Governo para todos deveriam intervir, em trazer esse povo, que também vota, de volta a sua terra de origem...E acabar com esse "chove e não molha" com os nosso vizinhos, que já receberam um "cavalo" pelas terras acreanas. O que está em xeque são as relações internacionais.

Anônimo disse...

Na minha opnião, quem adquiriu terras em outro país deveria saber que as leis são diferentes, logo, estarão sujeitos as leis desses países. Burro é o Brasil que entrega suas terras, riquezas e a Amazônia para todo tipo de estrangeiro.